Revista Topos & Clássicos

Samuel

Portalista
Portalista
5500€, pelos vistos... E sim, aparece a foto da capa da revista no final das outras :rolleyes:

Está visto que aparecer na Topos & Clássicos é bom pró negócio! Um destes dias pergunto-lhes se querem fazer um artigo sobre uma estante Billy que tenho aqui para despachar e ninguém quer...

Ver anexo 1204234

Eu não li mas era capaz de apostar que há algures na revista o classificado respetivo. :cool:

De que cor é :p Talvez algo deste género... a estante também é Billy mas o demónio em destaque não está à venda.
Citroen-2019jan_emlinoIMG_20190124_222914e.jpg
 

João "Pegadas"

Portalista
Portalista
Renault 5 Alpine Turbo :wub:. Estão a gastar os cartuchos todos, no lugar de reservarem alguns para comemorarem os 50 anos do lançamento de um dos meus ícones.
Caro António, está mais que provado que a Topos & Clássicos está-se a cagar, desculpem-me lá o latim, para qualquer celebração dessas efemérides... :rolleyes:
Estamos em Março e ainda não vi nada a respeito de Jaguar E-Type, Renault 4L, Citroën Ami6, Fiat 1300/1500, outro qualquer, rigorosamente nada! :confused:
 
OP
OP
Tiago Baptista

Tiago Baptista

Portalista
Portalista
Permitam-me acrescentar algo que eu não aprecio mesmo nada: a constante bajulação feita pelo(s) responsável da revista ao seus colaboradores e/ou patrocinadores. Este Alfasud é sobejamente conhecido. Não só ele como o seu proprietário e respetivo projeto. Será que não haveria outro modelo igual para testar que não fosse exatamente este? Eu não acredito em coincidências e, como nisto das revistas (e não só) é certo e sabido que uma mão lava a outra, vai daí, lá tem que aparecer a retribuição do favorzinho feito algures no tempo. E se fosse só uma vez, ainda passava. Mas não. Não foi a primeira nem será última vez. Enquanto assim for, continua-se com a ideia peregrina que somos os maiores da nossa rua ou do nosso bairro.
 

JorgeMonteiro

...o do "Boguinhas"
Membro do staff
Premium
Portalista
Será que não haveria outro modelo igual para testar que não fosse exatamente este?


Concordo plenamente, até porque não será certamente o melhor exemplar para colocar na capa. Até eu que não percebo nada do modelo vejo que aqueles retrovisores não são dali, nem há uma justificação plausível para os ter ali, a não ser o gosto pessoal do proprietário.

Se calhar o de trás está bem mais original, mas não teve a sorte de ser amiguinho do patrão.
 

João Luís Soares

Pre-War
Membro do staff
Premium
Delegado Regional
Portalista
Concordo plenamente, até porque não será certamente o melhor exemplar para colocar na capa. Até eu que não percebo nada do modelo vejo que aqueles retrovisores não são dali, nem há uma justificação plausível para os ter ali, a não ser o gosto pessoal do proprietário.

Se calhar o de trás está bem mais original, mas não teve a sorte de ser amiguinho do patrão.

Se fossem só os retrovisores...

Vias, camber, pneus...
 
Eu acho que cada um tem o direito de opinar sobre aquilo que quer, como e quando quer. Mas também acho que, - e a vida já me tirou alguma coisa por isso dando o resto em troca - herdo na mesma medida a independência de falar também do que quero, quando e como.

O Sprint "de trás"é o meu. O da frente é do Rafael que lhe faz assistência. O propósito do artigo foi exactamente o de oferecer duas perspectivas de um mesmo tema. Um elaboração de época comparada com um modelo completamente original.

Quem conhece o método do Rafael, o percurso a pulso e sem padrinhos, reconhece aqui uma perspectiva de mérito que o próprio contruiu, que testemunho. É um dos meus mecânicos de Alfas. Empresta-lhe um nível de detalhe, cuidado e minúcia que não a muitos reconheço.

O Sprint do Rafael é um laboratório experimental. Não me cabe a mim dizer se bem, se mal. Aliás ele sabe que a minha perspectiva sobre o mesmo tema está declinada no meu carro, assim como a dele se expressa pela outra via. Quem sou eu para dizer de quem, para além do facto da escolha de um caminho de representação de época fiel à origem, por oposição a um trabalho muito bem executado daquilo que seria essa mesma época sem condicionamentos de orçamento ou de uma lógica industrial.

Creio que o artigo traduz exactamente este paradoxo.

Todos os acessórios do Sprint do Rafael são de época e ligados de uma forma ou de outra ao modelo. Os inputs mecânicos de alinhamentos e geometrias são produto do conhecimento base que tem e levou à práctica.

Do Hugo, que não conheço pessoalmente e que apenas nos cruzamos de vista há algumas luas atrás, nada mais posso dizer que o melhor dentro do que as limitações ao nosso contacto permitem.

Posto isto, e dada a nossa reduzidíssima massa crítica, entenda-se a enorme carolice por detrás de uma imprensa escrita dedicada por comparação com outros mercados onde vingam outro tipo de condições assim como outra dimensão do número de entusiastas a quem se dirige.

Não quero oferecer muito mais a isto, não gosto honestamente. Mas gosto de pessoas (no geral, como algumas que aqui estão e felizmente conheço, e de outras tantas que gostaria mas não conheço). E quando sei quanto às pessoas não me cabe mais do que fazer-lhes justiça. E não me importa o que vem à frente ou atrás honestamente. Foi-me pedido o carro, que emprestei com todo o gosto. Foi-lhe dado o espaço que como modelo começa a ganhar por mérito e direito próprios na história do automóvel e, particularmente, no capítulo que lhe pertence na história da Alfa Romeo.
 

Pedro Teixeira

Portalista
Portalista
Permitam-me acrescentar algo que eu não aprecio mesmo nada: a constante bajulação feita pelo(s) responsável da revista ao seus colaboradores e/ou patrocinadores. Este Alfasud é sobejamente conhecido. Não só ele como o seu proprietário e respetivo projeto. Será que não haveria outro modelo igual para testar que não fosse exatamente este? Eu não acredito em coincidências e, como nisto das revistas (e não só) é certo e sabido que uma mão lava a outra, vai daí, lá tem que aparecer a retribuição do favorzinho feito algures no tempo. E se fosse só uma vez, ainda passava. Mas não. Não foi a primeira nem será última vez. Enquanto assim for, continua-se com a ideia peregrina que somos os maiores da nossa rua ou do nosso bairro.
Uma das razões que me fez deixar de ler esta revista, sim porque eu nem comprava.
Apenas lia e agora nem isso faço.

Fazem ensaios sobre os modelos que os amigos têm à venda no stand.
 
OP
OP
Tiago Baptista

Tiago Baptista

Portalista
Portalista
Nada sobre o 127?

Só hoje vi esta capa. Li o resumo do conteúdo na página do Facebook desta publicação e não aparece qualquer referência ao 50º aniversário do Fiat 127, pelo que, ainda não é desta que comemoram a efeméride.

Contudo, para ter uma resposta mais concreta, esta semana, caso saia para as bancas, vou dar uma olhadela mais em pormenor.
 
Última edição:
Topo