F1 em Portugal

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: GP de Portugal ganha força


A incerteza quanto ao início da temporada deste ano do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 continuam e neste momento circula já um calendário de recurso ostentando o Grande Prémio de Portugal.

Com a corrida de Melbourne praticamente adiada devido às condicionantes criadas pela pandemia da COVID-19, as dúvidas quanto à realização da prova chinesa vão crescendo, pela mesma razão, parecendo uma inevitabilidade.

Segundo a publicação britânica Autosport, o promotor do Grande Prémio da China terá já pedido à FOM para adiar para uma nova data, o que demonstra bem as dificuldades para que a corrida do país da Grande Muralha seja levada a cabo na sua data original – 11 de Abril –, desejando ter a sua prova na segunda metade do ano.

Se se confirmar estes dois adiamentos, depois do Grande Prémio do Bahrein, apenas o evento espanhol está confirmado, uma vez que 25 de Abril – quando se deveria realizar o a prova do Vietname – está também em aberto.

Isto obriga a que a FOM encontre soluções para garantir um arranque de época sustentada, sendo Portugal e Imola as opções em cima da mesa para que se cubra o hiato entre o Bahrein e Espanha.

De acordo com o calendário que anda a circular, a temporada terá o seu início em Sakhir, a 28 de Março, seguindo-se o Grande Prémio de Portugal a 11 de Abril, na data da prova da China, e o Grande Prémio de Emilia Romagna, a 25 de Abril, para quando estava prevista a ronda do Vietname.

Tanto a Austrália como a China esperam poder realizar os seus eventos na segunda metade do ano, o que poderá criar ainda mais alterações no calendário, dado que, com vinte e três provas previstas para este ano, são poucos os fins-de-semana livres para um novo reagendamento.

CALENDÁRIO ALTERNATIVO 2021
28 de Março – GP do Bahrein
11 de Abril – GP de Portugal
25 de Abril – GP da Emilia Romagna
9 de Maio – GP de Espanha
23 de Maio – GP do Mónaco
6 de Junho – GP do Azerbaijão
13 de Junho – GP do Canadá
27 de Junho – GP de França
4 de Julho – GP da Áustria
18 de Julho – GP da Grã-Bretanha
1 de Agosto – GP da Hungria
29 de Agosto – GP da Bélgica
5 de Setembro – GP da Holanda
12 de Setembro – GP de Itália
26 de Setembro – GP da Rússia
3 de Outubro – GP de Singapura
10 de Outubro – GP do Japão
24 de Outubro – GP dos Estados Unidos da América
31 de Outubro – GP do México
14 de Novembro – GP de São Paulo
28 de Novembro – GP da Arábia Saudita
5 de Dezembro – GP de Abu Dhabi
Por confirmar – GP da Austrália
Por confirmar – GP da China

30EEABE6-0622-4EE8-85F2-1EC99B30BCCA.jpeg



F1: Portugal (ainda) não está no calendário


A FOM revelou hoje uma nova versão do calendário deste ano do Campeonato do Mundo de Fórmula 1, que terá o seu início no Bahrein, mas que não apresenta ainda Portugal.

Como já avançáramos, esta semana a entidade que gere a Fórmula 1 deveria apresentar um novo escalonamento da época deste ano, dado a impossibilidade de realizar os Grandes Prémios da Austrália e da China nas suas datas originais devido aos constrangimentos às viagens causados pela pandemia da COVID-19.

Como era esperado, a prova de Melbourne foi adiada, estando agora prevista para o dia 21 de Novembro. Para acomodar a corrida australiana, o Grande Prémio do Brasil foi antecipado uma semana – criando o triple header com os Estados Unidos e o México – e os da Arábia Saudita e Abu Dhabi foram atrasados em uma semana, terminando a temporada em Yas Marina no dia 12 de Dezembro.

A época terá seu início a 28 de Março em Sakhir, havendo agora um hiato de três semana até à prova seguinte, que terá como palco Imola, dando assim início à época europeia, ao contrario do que aconteceria, se a China mantivesse a sua presença.

A FOM aponta que continua em discussões com o promotor da prova de Xangai para que esta se realize mais tarde, mas não coloca de parte a possibilidade de o Grande Prémio da China voltar a ser cancelado.

No dia 2 de Maio, uma semana antes do Grande Prémio de Espanha, será realizado uma prova, mas a FOM não definiu ainda aonde.

Esta é agora a data em que se espera que se realize o Grande Prémio de Portugal, com o Autódromo Internacional do Algarve como palco, mas não foi ainda oficializado pelos homens que gerem o Campeonato do Mundo de Fórmula 1.

Com estas alterações, a FOM mantém vinte e três provas previstas para este ano, o que significa o cancelamento de um evento, devido à entrada de uma nova prova, que se espera que seja a do nosso país, tendo as alterações anunciadas agora de ser ratificadas pelo Conselho Mundial da FIA.

CALENDÁRIO 2021
DATA PAÍS (CIRCUITO)
28 de Março – Bahrein (Sakhir)
18 de Abril - Itália (Imola*)
2 de Maio – Por confirmar
9 de Maio – Espanha (Barcelona)
23 de Maio – Mónaco (Monte Carlo)
6 de Junho – Azerbaijão (Baku)
13 de Junho – Canadá (Montreal)
27 de Junho – França (Le Castellet)
4 de Julho – Áustria (Spielberg)
18 de Julho – Reino Unido (Silverstone)
1 de Agosto – Hungria (Budapeste)
29 de Agosto – Bélgica (Spa-Francorchamps)
5 de Setembro – Holanda (Zandvoort)
12 de Setembro – Itália (Monza)
26 de Setembro – Rússia (Sochi)
3 de Outubro – Singapura (Marina Bay)
10 de Outubro – Japão (Suzuka)
24 de Outubro – EUA (Austin)
31 de Outubro – México (Circuit Hermanos Rodriguez)
7 de Novembro – Brasil (Interlagos)
21 de Novembro - Austrália (Melbourne*)
5 de Dezembro – Arábia Saudita (Jeddah**)
12 de Dezembro - Abu Dhabi (Yas Marina)

8BE658B0-1EFA-459C-B9DA-4CDD39F8163A.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Duas condições para Portugal ser uma realidade


Ni Amorim confirmou que o Grande Prémio de Portugal é uma possibilidade para a temporada deste ano do Campeonato do Mundo de F1, mas avisa que para ser uma realidade, duas condições terão de se verificar.

É do domínio comum que a Fórmula 1 está de novo na rota do Autódromo Internacional do Algarve, estando a data de 2 de Maio em aberto e podendo ser ocupada por um evento realizado no circuito situado nos arredores de Portimão.

Contudo, para que isso aconteça o presidente da FPAK apontou à Lusaque "vai depender de dois fatores. Haver público, pois só faz sentido com público nas bancadas, e se o Estado português quiser".

Estas duas condições entroncam na necessidade da FOM em regressar à normalidade, leia-se, voltar a receber as taxas para a organização de um Grande Prémio por parte dos promotores dos eventos.
O ano passado, sem público na grande maioria das provas, a entidade que gere os direitos comerciais da Fórmula 1 não pôde cobrar os habituais fees aos organizadores, sofrendo um forte rombo financeiro que tem reflexo nas equipas, que recebem da FOM prémios monetários.

Posto isto, ter adeptos nas bancadas é central para que o Grande Prémio de Portugal possa ser uma realidade para, numa segunda fase, a FOM poder cobrar a taxa de organização de uma prova de Fórmula 1, sendo aqui que será necessário o apoio do Estado Português. “É preciso pagar, sim. A F1 não se mexe de borla. O Grande Prémio (n.d.r.: de Portugal de 2020) deu um retorno extraordinário e os dados já estão na posse do Governo. Mas entendemos que neste momento há outras prioridades e ainda não foi possível discutir o assunto", apontou.

Face ao cenário descrito por Ni Amorim, é pouco expectável que exista uma decisão rápida quanto à possível realização do Grande Prémio de Portugal este ano, dada a situação pandémica que se vive presentemente no nosso país, que não permite tomar decisões a tão longa distância, para além do Governo ter outras preocupações...

7EF7C246-2709-4DFF-96FF-B241D267C92B.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 

Rafael S Marques

Pre-War
Membro do staff
Premium
Delegado Regional
Portalista
Sinceramente face a situação atual, será melhor que o GP não se realize por cá, não faz falta nenhuma, terá que ser paga por nós e acho que o dinheiro seria mais bem empregue para apoiar todas as empresas em dificuldades por causa da pandemia.
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
Sinceramente face a situação atual, será melhor que o GP não se realize por cá, não faz falta nenhuma, terá que ser paga por nós e acho que o dinheiro seria mais bem empregue para apoiar todas as empresas em dificuldades por causa da pandemia.
Concordo contigo @Rafael S Marques, com tanta falta que faz o dinheiro para outras coisas espero que o governo não seja imprudente em gastar em coisas supérfluas como F1, é esperar para ver.
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Leclerc infectado


Charles Leclerc anunciou hoje que testou positivo à COVID-19, tornando-se no quinto piloto de Fórmula 1 contagiado pelo novo coronavírus.

A temporada terminou, mas a pandemia que verga o mundo permanece e os homens que dão corpo à categoria máxima do desporto automóvel, apesar de todos os protocolos implementados pelas equipas, são humanos e susceptiveís de serem apanhados na fina malha do SARS-CoV-2.

Durante a temporada foram Sérgio Pérez, Lance Stroll e Lewis Hamilton os infectados, tendo todos eles perdido corridas, ao passo que na semana passada foi a vez de Lando Norris ter também ele contraído o novo coronavírus.

Desta feita, foi Charles Leclerc que revelou estar com a COVID-19, depois de ter contactado com uma pessoa infectada, estando agora em confinamento no seu apartamento no Mónaco.

O monegasco revelou que tem sintomas leves, ainda que garanta que se sente bem, seguindo agora todas os regulamentos das autoridades locais.

A Ferrari está a par de toda a situação, tendo emanado um comunicado onde indica que o seu piloto cumpriu todos os protocolos da equipa, que passam por testes regulares.

77B0C4F7-878D-4CC3-A0D8-2088AE7EF93D.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Tavares de olho nos Grandes Prémios

A Alfa Romeo ou a Maserati poderão estar a caminho de um programa de Fórmula 1 num futuro próximo, através da mão de Carlos Tavares.

Na semana passada assistiu-se à fusão entre a FCA e a PSA, criando a Stellantis, o quarto maior grupo automóvel do mundo, que será dirigido pelo português que anteriormente foi uma das figuras do Grupo Renault.

Tavares é um reconhecido adepto do desporto automóvel, sendo recorrente vê-lo nas listas de inscritos de corridas de clássicos, percebendo a mais-valia que represente o automobilismo para as marcas.

Com a fusão entre os dois gigantes da indústria automóvel, o CEO do grupo Stellantis fica com duas marcas com pergaminhos na Fórmula 1 no seu portfolio – a Maserati e a Alfa Romeo – e com a Peugeot a caminho das 24 Horas de Le Mans, correm rumores que será um destes dois construtores a representar o grupo no maior palco global do desporto automóvel.

Não será estranho a este apontado interesse de Tavares a nova estrutura financeira do Fórmula 1, que com o tecto orçamental introduzido este ano, torna as equipas em centros de lucros, ao contrário do que acontecia, em que uma estrutura de Fórmula 1 era uma forma de queimar dinheiro a um ritmo assustador.

Neste momento, a marca de Arese está representada no mundo dos Grandes Prémios através da Sauber, a quem paga pelo nome da equipa, sendo esta a estrutura, de acordo com os rumores, a que deverá ser adquirida pela Stellantis para que a Maserati ou a Alfa Romeo tenham uma escuderia de pleno direito na Fórmula 1.



D245C1F4-000C-44A5-ACDB-6EA6C39C8358.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Jordan - Vettel foi patético

Eddie Jordan considera que a Aston Martin errou ao contratar Sebastian Vettel, considerando que as performances recentes deste foram patéticas.

O alemão ingressa este ano na formação do construtor inglês, depois de seis temporadas a defender as cores da Ferrari.

Nas primeiras quatro épocas foi o líder da equipa ao lado de Kimi Raikkonen, no entanto, nos dois últimos anos, com Charles Leclerc ao seu lado, foi completamente dominado pelo jovem monegasco, e em 2020 foi dizimado pelo piloto de vinte e três anos, registando menos de metade dos pontos deste no Campeonato de Pilotos.

Face aos resultados recentes de Vettel, Eddie Jordan, que fundou em 1990 a estrutura hoje conhecida como Aston Martin, considera que Lawrence Stroll não tomou uma boa decisão ao contratar o alemão. “Gosto muito dele (n.d.r.: Sebastian Vettel), mas penso que a Aston Martin cometeu um erro ao contratá-lo. Nos dois últimos anos face a Leclerc, na Ferrari, foi patético. Não sei porque esteve tão mal, ele venceu quatro títulos mundiais”, apontou o irlandês, hoje um comentador de Fórmula 1.

Jordan considera que o tetracampeão mundial já ultrapassou a sua melhor forma e garante que, se fosse o chefe de equipa da Aston Martin, manteria a dupla de pilotos do ano passado. “Penso que (n.d.r.: Vettel) já passou o pico de forma. Seja como for, eu manteria o Sérgio Pérez”, concluiu o fundador da Jordan.

Vettel assume o lugar de Sérgio Pérez, que este ano estará na Red Bull, tendo como colega de equipa Lance Stroll, que vai para a terceira temporada com a estrutura de Silverstone.

4485FB7F-C6C4-49A3-8FA9-5E971CB1ECBB.jpeg

Noticia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: ACM confirma GP do Mónaco


O Automobile Club de Monaco garantiu que este ano realizará o seu Grande Prémio de Fórmula 1, assim como as suas restantes provas, contrariando os rumores que circulam.

Nos últimos dias surgiram boatos que davam conta do cancelamento de todos os eventos de Fórmula 1 realizados em cidades, como é o caso das rondas de Monte Carlo, Baku, Montreal e Singapura, devido à logística exigida em tempo de pandemia.

No entanto, depois de a FOM ter negado que esta seria uma possibilidade, hoje foi o clube monegasco, que organiza o Grande Prémio do Mónaco, a revelar que tudo corre dentro da normalidade. ”Apesar dos recentes rumores que circulam em certos websites e nas redes sociais, o Automobile Club de Monaco pode confirmar que o 78º Grande Prémio do Mónaco de Fórmula 1 será realizado entre os dias 20 e 23 de Maio de 2021. O ACM confirma igualmente a realização do 12º Grande Prémio Histórico (23 a 25 de Abril de 2021) e do 4º E-Prix do Mónaco (8 de Maio de 2021)”, pode-se ler na comunicação do promotor da prova de Monte Carlo.

O Grande Prémio do Mónaco de 2020 foi cancelado devido à pandemia, mas este ano voltou ao calendário na sua data tradicional, estando a FOM e o ACM confiantes de que o evento será realizado este ano, apesar do crescimento da pandemia na Europa.​

DCE825FD-4B98-490E-9A0A-DED20C4AD32E.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Nissany continua na Williams


Roy Nissany continua este ano como piloto de testes da Williams, voltando a estar presente em testes e não só.

O israelita disputou a temporada passada o Campeonato FIA de Fórmula 2 com a Trident Racing, depois de um ano de interrupção devido a uma lesão física, tendo obtido como melhor resultado um oitavo lugar na corrida principal de Spa-Francorchamps.

Ao longo de 2020, Nissany realizou ainda três sessões de treinos-livres de sexta-feira do programa de um Grande Prémio de Fórmula 1 – em Espanha, Itália e Bahrein – para além de ter participado no teste de jovens pilotos que teve lugar em Abu Dhabi após o término da época, sempre ao serviço da formação de Grove.

O israelita de vinte e seis anos volta este ano a desempenhar o papel de piloto de testes oficial da Williams, tendo previsto a participação em três sessões de treinos livres de sexta-feira, realizando ainda um dia de testes na sessão de pré-temporada.

A participação de Nissany nos ensaios do Bahrein, significa que George Russell e Nicholas Latifi terão apenas uma jornada de trabalho cada um, uma vez que este ano os testes de Invernos são compostos por apenas três dias.

Roy Nissany é apoiado por um multimilionário canadiano radicado em Israel, Sylvan Adams, o responsável pelo início em Telavive do Giro d’Italia de 2019.

DE545C06-196D-458B-AC0F-00363AB95D5E.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 

Fernando Pal

Portalista
Portalista
....................:ph34r::ph34r::ph34r::ph34r: poupem o Dinheiro para outros Fins.....a Área da Saúde bem precisa....................:cool::cool::cool::cool:
Lá estamos Nós armados em ricos.....................:ph34r::ph34r::ph34r::ph34r::ph34r:
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Honda quer lutar pelo título


A Honda vai abandonar a Fórmula 1 no final da próxima temporada, mas isso não a impede de trabalhar para lutar pelos ceptros deste ano.

A marca nipónica revelou no final de 2020 que não continuará na categoria máxima do desporto automóvel para lá do término da próxima época, o que deixa, para já, a Red Bull sem motores para 2022, muito embora existam fortes indicações de que comprará os V6 turbohíbridos japoneses.

Depois de longos anos de dificuldades, a Honda, com a formação de Milton Keynes e a Toro Rosso/AlphaTauri, têm vindo a progredir, tendo em 2020 conquistado três triunfos – dois através de Max Verstappen e um de Pierre Gasly.

Contudo, apesar da subida de performance, as unidades de potência nipónicas não estão ainda ao nível das da Mercedes, mas a Honda não está parada. “É claro que estamos a desenvolver a nossa unidade de potência para 2021, não apenas no que diz respeito à performance, mas também no que diz respeito à fiabilidade, mas sabemos que estamos ainda atrás da Mercedes e que os nossos restantes adversários não dormem durante o defeso”, apontou Toyoharu Tanabe, o director técnico do programa de Fórmula 1 da Honda.

O japonês assume que existe muito trabalho pela frente e que o tempo é curto, mas não desdenha lutar pelo título no ano em que a marca nipónica abandonará os mundo dos Grande Prémios. “Temos um defeso muito curto este ano, mas todos os envolvidos na Fórmula 1 dão o seu máximo para vencer corridas e campeonato, portanto, não é fácil… É fácil dizer que vamos vencer. Por outro lado, ficaríamos muito satisfeitos por vencer corridas e, depois, lutar pelo título de 2021. Vamos continuar a trabalhar arduamente na nossa unidade de potência para o próximo ano”, sublinhou Tanabe.

370DCDC2-E166-4B52-B82B-958705DF9FC3.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Alfa Romeo aponta data e local

A Alfa Romeo marcou a data e local para a apresentação do seu monolugar de 2021, escolhendo a cidade do seu patrocinador título.

A formação que representa as cores do construtor de Arese foi apoiada o ano passado pela Orlen, a petrolífera polaca que tem ligações a Robert Kubica, o piloto de testes da estrutura.

A parceria entre as duas entidades mantém-se para a próxima época, tendo a Alfa Romeo decidido apresentar o C41, o seu carro deste ano, em Varsóvia no dia 22 de Fevereiro, o que garante que Kubica manterá o seu lugar na equipa.

O monolugar de 2021 de Hinwil salta um número na sua nomenclatura – a máquina de 2020 era conhecida como C39 – devendo o C40 ser o carro para 2022, cujo projecto já fora iniciado quando a entrada em vigor do novo regulamento foi adiada por um ano para contrariar a crise financeira espoletada pela pandemia do COVID-19.

A Alfa Romeo terminou o Campeonato de Construtores de 2020 no oitavo posto com oito pontos, mantendo para a próxima temporada os seus pilotos – Kimi Raikkonen e António Giovinazzi. Robert Kubica continua no seu posto de tester, tendo o ano passado disputado cinco primeiras sessões de treinos-livres de Grande Prémio.

F676670A-5E5E-4CCB-BE3E-5208D9D61951.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
OP
OP
Ismael Rodrigo

Ismael Rodrigo

Portalista
Portalista
F1: Sauber mais próxima da Ferrari?


A Sauber deverá continuar com unidades de potência Ferrari, de acordo com rumores oriundos de Itália, mas a Alfa Romeo não está ainda garantida.

A formação suíça, hoje conhecida como Alfa Romeo, tem contado com potência de Maranello desde 2010, mas no final do ano passado começaram a surgir alguns barulhos que apontavam para uma aproximação à Renault, que a partir da próxima temporada não terá nenhuma equipa cliente.

As dificuldades com a unidades de potência Ferrari de 2020 também não ajudaram a relação entre as duas partes, o que terá aumentado a simpatia de Frédéric Vasseur relativamente aos V6 turbohíbridos franceses, até por que o gaulês passou pela estrutura de Fórmula 1 da Renault e mantém proximidade em Enstone e Viry-Châtillon.

No entanto, de acordo com o reputado jornalista italiano Franco Nugnes, a Sauber deverá estender a sua parceria com a Ferrari até ao final de 2025, o que criará uma relação de dezasseis anos.

A continuidade da Alfa Romeo como patrocinador-título da equipa, porém, não está ainda garantido para lá do final do corrente ano.

O construtor de Arese e a Ferrari não tem já qualquer ligação empresarial, uma vez que a Alfa Romeo pertence agora à Stellantis e o construtor de Maranello à Exor, uma companhia controlada pela família Agnelli.

Porém, existe ainda alguma influência, uma vez que a Exor é ainda accionista do grupo que resultou da fusão entre a PSA e a FCA.

Nos últimos dias surgiram rumores que dão conta do interesse de Carlos Tavares, o CEO da Stellantis, em colocar uma das marcas do seu portfolio na Fórmula 1 com uma equipa de pleno direito, sendo apontado como candidatas a defender as cores do grupo a Alfa Romeo ou a Maserati.

82452B8F-6FFC-4C69-A9CB-1AC0F5C096CF.jpeg

Notícia de: Jorge Girão
 
Topo