Ajuda no restauro - Comprei um barco.. ou melhor, metade!

miguelcristovao

Portalista
Portalista
Este tópico começou por "metade de um barco".
Entretanto consegui ficar com todas as peças originais desde Sprite MkII ficando completo.
Precisa lixar o verniz que tem, e dar muitas muitas camadas de verniz próprio, ainda vou ter que me inteirar da coisa que não pesco nada disso.
Voces perceberam a piada náutica, eu sei.. :ph34r::xD:

Bem, a ideia continua a ser registar o barco e sair com ele na Fiat 124 Familiare, ou no roof rack, ou em atrelado atrás e os mastros em cima dela..
De uma forma ou de outra, é um projecto giro.
Vamos ver..

60sBrochure2_1.jpg Minisail%20Ad%202.jpg 60sBrochure3_1.jpg 60sBrochure1_1.jpg
 

miguelcristovao

Portalista
Portalista
Isto não para de me surpreender..
Encontrei no fórum da especialidade um tópico sobre este barco, quando entrou à venda no e-bay :oo
E os comentários são fantásticos!
E por obra do acaso, veio-me parar às mãos...
Sei que isto é estranho de comentar aqui no portal, vocês já sabem que eu sou.. diferente, chamemos-lhe assim..
Não páro de me surpreender, e a vontade é mesmo muita de por este menino na água!

Link do fórum com comentários:

 

Mário JCF

YoungTimer
Para velejar, é necessário a obtenção de carta de desportista náutico. Esta pode ter várias categorias, consoante a classe da embarcação a governar, e/ou, a distância da costa ou de um porto de abrigo por onde desejamos navegar.

No entanto, no teu caso, antes de avançar, deverás verificar se a embarcação que compraste possui livrete e onde a mesma se encontra registada (país e porto).

É prematuro avançar com mais informações sem resposta às questões anteriores, mas, partilhando a minha experiência nesta matéria, afirmo que quem compra um barco é para o manter dentro de água.
Andar com ele atrelado ao carro para desfrutar de algumas horas de navegação, envolve uma logística que só quem passou por este processo poderá dar valor.

Existe uma máxima entre proprietários de embarcações de recreio que diz o seguinte. "Só existem dois dias de felicidade para o proprietário de um barco: o dia em que o compra e o dia em que o vende".

À cerca de 2 anos tive o meu segundo dia de felicidade...

Cpts,

Conheci uma pessoa que dizia isso de um alfa romeo 145... Calma calma eu sei... Os amantes da alfa romeo nao vao gostar...
 

miguelcristovao

Portalista
Portalista
Fui ontem buscar as peças que faltavam do barco, 2 secções do mastro (tem à volta de 7 metros de altura!), retranca, quilha, leme, e vela original.
É certo que a vela original não está em bom estado, não sei se dará para reparar, mas por si só é um pedaço de história.
Ao desdobrar a vela em casa, tem a inscrição do fabricante, "IRVIN".

Ora, IRVIN Company foi formada por Leslie Irvin, nascido em Los Angeles em 1895 e que era.. duplo!
Fazia as suas cenas arriscadas, que incluíam cair de grandes alturas e outras peripécias.
Este jovem pegou então em tecido e construiu o seu próprio paraquedas por volta de 1914, saltando de um avião.
Abreviando a historia, iniciou produção de paraquedas nos States, e a partir de 1926 em Inglaterra.
Tornou-se o maior fabricante de paraquedas a nível mundial, em 1945 já eram 45 os países a usar Irvin Air Chutes, incluindo a Alemanha que uns anos antes tinha confiscado uma fabrica da empresa.
Durante a WW2, só os paraquedas de Irvin sozinhos salvaram mais de 10000 vidas.
Entretanto a guerra acaba, a procura de paraquedas deve ter diminuído, e eis que me deparo com a mesma vela do MiniSail numero 10, o mais antigo conhecido..
Nem eu nem o dono deste numero 10 conseguimos descobrir grande coisa acerca da proveniência das velas, excepto o óbvio do fabricante ter sido o mesmo dos paraquedas.

Esta e outras info´s vão tentar continuar a ser actualizadas, junto de grupos em Uk, mas quanto mais não seja, é um belo pedaço de história..:wub:
 
Topo