Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Postalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Polónia, Lituânia, Letónia e Estónia - Clássicos e Abandonados

Tópico em 'O nosso hobby: Clássicos' iniciado por Eduardo Correia, 2 Out 2016.

Tópico em 'O nosso hobby: Clássicos' iniciado por Eduardo Correia, 2 Out 2016.

  1. No mês passado estive cerca de duas semanas pela zona dos países bálticos.

    Contrariamente às férias dos anos anteriores, não estava à espera de encontrar muitos clássicos.
    Sempre assumi que o aço (e o regime) soviético não fossem muito sensíveis à preservação e manutenção dos automóveis.

    A verdade é que ao fim de 15 dias e de 4.000km (sim, foi um exagero...) por estradas da Polónia, Lituânia, Letónia e Estónia cheguei à conclusão que muitos ainda conseguiram chegar aos dias de hoje.

    Fico com a ideia que a história dos clássicos nos países bálticos é no fundo a história do seu próprio povo, uma história de luta pela sobrevivência. Mesmo depois de uma Guerra Mundial, de uma Guerra Fria e da queda de um muro, há quem continue a resistir às adversidades.

    E se o culto pelos clássicos talvez só agora comece a surgir, este exemplar que encontrei logo no aeroporto de Varsóvia (e outros que se seguem) parece demonstrar que virá para ficar.

    DSC_0000.JPG
     
  2. Mais uns quantos em Varsóvia. Confesso que há alguns carros que vou colocar cujas marcas desconheço (ex-URSS), por isso agradeço contribuições de quem perceber da matéria.

    DSC_0026.JPGDSC_0027.JPGDSC_0064.JPGDSC_0065.JPGDSC_0087.JPGDSC_0089.JPGDSC_0090.JPG
     
  3. Não esperei encontrar um El Camino por terras de leste, mas ao preço que é a gasolina, manter um carro destes deve ser mais barato do que um Prius.

    DSC_0091.JPGDSC_0092.JPG
     
  4. Mais em Varsóvia. O 124 Spider a andar muito bem.

    DSC_0145.JPGDSC_0156.JPGDSC_0172.JPGDSC_0173.JPGDSC_0181.JPGDSC_0189.JPGDSC_0190.JPG
     
  5. Não sendo um clássico chamou-me a atenção este C6 estacionado no meu hotel com uma significativa camada de pó por cima...

    DSC_0193-1.JPGDSC_0193-2.JPG
     
  6. Já na Lituânia e a chegar a Vilnius. Acho que foi a primeira vez que vi um TVR Cerbera ao vivo (nunca esperei que fosse na Lituânia).

    DSC_0198.JPGDSC_0199.JPGDSC_0205.JPGDSC_0224.JPGDSC_0367.JPGDSC_0368.JPGDSC_0369.JPGDSC_0370.JPG
     
  7. Estes foram apanhados no interior da Lituânia e na chegada à Letónia.
    Dos quatro países bálticos, a Letónia foi aquele que me pareceu manter mais a influência soviética.
    O princípio do colectivo (ponte para comboios) tem claramente maior preponderância do que o individual (ponte para automóveis).

    DSC_0377.JPGDSC_0378.JPGDSC_0407.JPGDSC_0410.JPGDSC_0411.JPGDSC_0416.JPGDSC_0417.JPGDSC_0418.JPGDSC_0419.JPGDSC_0422.JPG
     
  8. Não é todos os dias que se apanha uma coisas destas junto à estrada. E, no entanto e atendendo ao contexto, não poderia estar em local mais apropriado.

    DSC_0448.JPG
     
  9. Mais para norte, tendo atravessado a fronteira com a Estónia e junto do lago Peipus que serve de fronteira com a Rússia.

    DSC_0457.JPGDSC_0460.JPGDSC_0476.JPGDSC_0477.JPGDSC_0494.JPGDSC_0497.JPGDSC_0509.JPGDSC_0510.JPGDSC_0511.JPG
     
  10. Estes foram apanhados numa sucata a caminho de Tallin. Vi vários outros clássicos debaixo de umas cobertas mas o aspecto de agentes do KGB de alguns funcionários presentes aconselhou-me a não satisfazer a curiosidade...

    DSC_0517.JPGDSC_0518.JPGDSC_0519.JPGDSC_0521.JPGDSC_0522.JPG
     
  11. Já na chegada a Tallin. Uma cidade que foi uma excelente surpresa e que recomendo.

    DSC_0528-1.JPGDSC_0528-2.JPGDSC_0608.JPGDSC_0609.JPGDSC_0616.JPGDSC_0617.JPGDSC_0618.JPG
     

    Ficheiros Anexados:

  12. Depois de uns dias em Tallin, começámos o regresso à Polónia. Estes ainda foram apanhados na Estónia.
    Quando íamos na auto-estrada a minha mulher chamoum-e a atenção para um carro "americano" que estava a abastecer na estação de serviço.
    Como eu não fui a tempo de ver e ela não me conseguiu descrever o modelo resolvi fazer aquilo que qualquer pessoa sensata faria: encostei o carro na berma da auto-estrada e fiquei à espera.
    A irresponsabilidade valeu a pena. Não era na verdade um clássico "americano", mas sim algo que nunca tinha visto em pessoa: um Gaz Chaika M13 de fabrico soviético.
    Sendo um carro cuja venda era destinada em exclusivo a altos dirigentes do Partido Comunista ou do KGB, fiquei a pensar nas histórias que aquele carro teria para contar.
    À parte disso foi fabuloso ver aquele monstro de mais de 2 toneladas a dar uso do seu V8 de 5,5L na auto-estrada.

    DSC_0713.JPGDSC_0714.JPGDSC_0715.JPGDSC_0720.JPGDSC_0721.JPGDSC_0723.JPG
     
  13. Parada obrigatória no Museu Automóvel da Estónia já mais próximo da Letónia. Não consegui ler todas as informações uma vez que por aquelas paragens o inglês perde terreno para o russo, e o meu está um pouco enferrujado.
    Gostaria de ter sabido como é que este Cadillac foi lá parar.

    DSC_0724.JPGDSC_0725.JPGDSC_0726.JPGDSC_0727.JPGDSC_0728.JPGDSC_0729.JPGDSC_0730.JPG
     
  14. Quase 90% dos (não muitos) carros lá expostos são de fabrico soviético.

    DSC_0731.JPGDSC_0732.JPGDSC_0733.JPGDSC_0734.JPG
     
  15. Dois modelos com história.
    O primeiro é um Moskvitch 410 (4x4) que foi fabricado em números reduzidos e cuja principal função era servir como meio de transporte confortável para as equipas que tinham de se deslocar em territórios inóspitos para a reparação de maquinaria agrícola.
    O segundo é ainda um mais raro Moskvitch 430 (carrinha) cuja venda foi interdita ao público em geral. Em virtude de imposição legal, estas carrinhas deviam ser obrigatoriamente destruídas quando chegassem ao final da sua vida útil.
    Não tinham portas laterais e apenas conseguiam transportar 250kg de peso.
    Consta que apenas meia dúzia tenha conseguido sair para fora da URSS.

    DSC_0735.JPGDSC_0736.JPG
     
  16. Dois Packard: presente estrangeiro ou aquisição para espionagem industrial?

    DSC_0741.JPGDSC_0744.JPGDSC_0745.JPGDSC_0745-1.JPG
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página