Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

MINI - Breve História de um Ícone

Tópico em 'História e Cultura' iniciado por Francisco Lemos Ferreira, 30 Abr 2007.

Tópico em 'História e Cultura' iniciado por Francisco Lemos Ferreira, 30 Abr 2007.

  1. BREVE HISTÓRIA DE UM ÍCONE – O MINI

    O Mini é o carro que, mais do que qualquer outro, mudou a forma de viajar de automóvel para sempre. Não se pode imaginar um veículo de citadino sem ver o Mini actual, mas mais significativamente, é impossível olhar hoje para um carro pequeno sem ver a evidência muito real da influência que o Mini teve em todos os pequenos modelos.
    Antes de 1990, uma equipa de 100 peritos da indústria e os comentadores votaram o MINI como carro o mais significativo do século .
    Este sentimento reflecte a racionalidade do carro, pois também foram nomeados o VW Carocha, o Ford T e o Citroën DS.
    Mas qual era o raciocínio para que tal carro foose produzido? A BMC e o bem conhecido conservadorismo inglês aliado a alguma frieza de análise não era aplicável em todas as Marcas. A BMC deu a resposta a uma crise com uma palavra – O MINI – Conceito de resposta a uma crise.
    Foi criado no meio da crise do Médio Oriente, quando os árabes descobriram que poderiam prender o mundo, usando o seu controle sobre as fontes de petróleo que abastecia e abastece o mundo inteiro.
    A situação agudizou-se em 1956, quando o Coronel Nasser decidiu nacionalizar o canal de Suez, o que desagradou e teve repercussões negativas na sociedade Inglesa.
    Os Ingleses tentaram impedi-lo, mas os americanos tiraram-lhes o tapete dos pés e os árabes decidiram- fechar o transporte de petróleo através do Mediterraneo.
    Na guerra A Síria forneceu 20% do Petóleo à Grâ-Bretanha O grande problema era que todas as fontes de petróleo do médio oriente necessitavam de ser transportadas em Tanques gigantes de petróleo, por mar, em torno de Cape Town na África do Sul, porque o Canal do Suez estava verdadeiramente encerrado.
    Como consequência , a falta de gasolina foi uma dramática realidade e a popularidade renovada de carros pequenos na Europa cresceu exponencialmente.
    Devido à crise de Médio Oriente, em Dezembro 1956 , racionar o petróleo foi a unica solução encontrada pelo Reino Unido.
    Os povo britânico e a europa ocidental na generalidade, começaram a exigir meios de locomoção económicos. Assim, as vendas de carros de cilindrada 900-1000cc quadruplicou no período compreendido entre 1956 a 1957, quando as vendas de automóveis aumentaram
    Os carros alemães começaram a aparecer nestas cilindradas, e embora tivessem uma condução má, com segurança questionável, conseguiam fazer mais de 40 milhas por o galão, que estatisticamente era o mais importante.
    Um dos esboços os mais adiantados para o projecto Mini foi realizado por por Alec Issigonis.
    Nota-se como o carro mudou notávelmente pouco entre o conceito desenhado por Issigonis e o que veio a ser produzido.
    A crise de Suez influenciou de forma fundamental a história da BMC, quando a companhia teve como problema fundamental reinventar .
    Alec Issigonis desenhou o motor transversal e extremidade na caixa de velocidades, ele que antes da BMC esteve seduzido a desenvolver um Super-Carro para a “ALVIS”.
    Uma chamada de Sir Leonard no fim de 1955, convidando Issigonis para a BMC não poderia ter vindo em melhor altura. Issigonis construiu uma pequena equipa de coordenadores - o mais notável Jack Daniels, seu velho amigo e associado noutros projectos de menor dimensão.
    Numa resposta paralela à aversão de Herbert Austin na proliferação de combinações de moto/side-car nas estradas britânicas, 35 anos antes Sir Leonard previu a popularidade de pequenos carros com grande visão.
    O programa de desenvolvimento novo do carro da BMC foi mudada em 1957, no momento de substituir o normal e produzir algo novo e menor: um carro designado XC9003. Uma talentosa equipa realiza os “protótipos da caixa alaranjada” de 1957.
    Issigonis trouxe Chris Kingham da Alvis e juntou-o a Daniels, e estes três homens idealizaram e concretizaram conjuntamente o MINI, com sagacidade e com os pés bem assentes na terra .
    Para o projeto ADO15 (o nome do código do carro foi mudado quando o seu desenvolvimento foi movido para o HQ de Austin em Longbridge), não havia absolutamente nenhuma pergunta acerca do orçamento elevado.
    Para Issigonis, o carro deveria bater o tamanho do FIAT 600 de Dante Giacosa (uma versão modernizada do famoso Cinquecento). A FIAT tinha colocado o motor de 4 cilindros em linha para fora além do eixo traseiro e a bagagem na frente.
    Na BMC trabalhava-se um saloon traseiro e motor transversal avançado. Não era a linha do pensamento que Issigonis quis perseguir. Viu a movimentação da roda dianteira como o veículo para seus carros futuros, e as disciplinas restritas envolvidas em projectar um carro pequeno tinham-no fascinado e desafiado desde sempre. Pretendia-se que o MINI fosse um carro estreito, o motor com a caixa de velocidades engrenagens montada na extremidade seria muito difícil de caber entre as rodas.
    Apenas quando Issigonis decidiu montar a caixa de velocidade debaixo do motor como parte de um arranjo do onde se incluiu também as rodas Dunlop de desenvolvimento especial com pneus de 10 polegadas, a suspensão de borracha de Alex Moulton e a forma Mini familiar , quase na forma em que foi lançado.
    Na primeira noite onde foram testados os minis foram dirigidos para um aeródromo local que se encontrava desactivado em Chalgrove, circulando em torno do perímetro. Em 500 horas, os carros fizeram 30.000 milhas e as fraquezas do projecto ficaram identificadas nesta fase.
    A segunda onda de protótipos Mini foi para a estrada em Julho 1958 e depois dela, Leonard Alec disse a Sir Issigonis, com seu humor, “para construir a coisa sangrenta”. Desde o primeiro protótipo, até ao lançamento do carro em Agosto 1959, somente algumas mudanças mecânicas principais foram feitas; uma redução no tamanho do motor de 948cc a 848cc , os protótipos adiantados tinham sido cronometrados a velocidades de 92 mph, o que foi considerado demasiado rápido e distante para o mercado o Mini visado. A capacidade nova consistiu em reduzir o curso de 73mm na versão 948cc a 68mm no 848cc final.
    No último minuto o motor foi girado com 180 graus , de modo a que o carburador seja agora a parte traseira do motor, em vez da parte dianteira, pelo que tende a congelar em temperaturas baixas.
    De acordo com o John Cooper , a razão real do motor ter sido invertido, era que os protótipos Mini derretiam os seus synchromeshes após aproximadamente 100 milhas.
    Issigonis argumentou que foi virado porque o carro era mais rápido que na sua forma original. O motor foi girado, por dois factores: tempo e dinheiro - ou mais concretamente , a falta dele.
    Assim, surge a crosta de gelo do carburador como a razão para esta reversão da posição do motor, mas do Cooper disse que esta justificação era “tanga”.
    O tamanho da roda era uma edição ongoing naquele tempo e quando apareceu finalmente o Mini, poucos críticos viram o significado deste novo projecto da roda de estrada .
    Issigonis tinha promovido o desenvolvimento do carro pequeno em conjunto com a Dunlop para produzir um pneu específico
    Naquela época, quando Giacosa concebeu o FIAT 500, por exemplo, tinha pedido à Pirelli para produzir pneus especiais para caber em jantes de 15 polegadas.
    A média na indústria era naquele tempo um tamanho muito maior de jantes de 16 ou 17 polegadas.O tamanho da roda era muito importante porque quanto menor a roda, menor o arco da roda, significando menos ocupação no compartimento de passageiro.
    Os pneus Dunlop que apareceram finalmente no Mini eram de 5.20 polegadas na largura. Como as duas gerações seguintes dos carros Alex Moulton era responsável pelo sistema da suspensão. No Mini, projectou unidades de borracha all-new da suspensão para substituir as unidades da mola que foram empregadas em carros convencionais . Moulton usou a borracha como um meio saltitante - a vantagem num carro pequeno, era a diferença do peso .
    Estes “cones de borracha” eram menores do que a mola convencional, que mostrou que o sistema de Moulton teve também vantagens na redução do tamanho do carro. Foram construídos onze protótipos, os cinco finais considerados como os carros piloto de produção que seriam usados para finalizar os detalhes da especificação e do projecto para as versões da produção.
    Em abril 1959, os primeiros carros da produção emergiram de Longbridge, seguido rapidamente um mês mais tarde pelo rolling de Minis fora da linha de produção em Cowley.
    Em Junho eram construídos 100 carros por dia a fazer Stock para o lançamento em agosto desse ano. No total, a gestação deste carro desde o projecto ADO15 e o seu lançamento era de 2 anos e 5 meses. Esta realização era mais notável quando se considera que o Mini não seguiu conceitos de projecto de nenhum outro carro e foi uma idéia totalmente nova que foi executada de uma maneira totalmente nova.
    Quando a imprensa pôs as mãos no carro fartou-se de elogiar, a personalidade original Mini, eficiência excepcional do espaço, desempenho e tenacidade relativamente bons, etc... foi música para os ouvidos da BMC.
    No primeiro ano da produção, o Mini alcançou o Morris Minor como o bestseller da BMC. Apesar de ser considerado demasiado inteligente e demasiado pequeno para o cliente típico que Sir Leonard tinha projectado para o carro .

    Este post foi promovido a noticia
     

    Ficheiros Anexados:

    Vitor Dinis Reis gostou disto.
  2. Assim, os primeiros clientes pagaram o desenvolvimento do carro.
    Cooper estava ciente das forças básicas do carro, como ambos seus carros de fórmula um, Jack Brabham e Bruce McLaren guiaram Minis, e Cooper ele mesmo soube tudo sobre o potencial ajustando o motor da série um para a fórmula junior.
    Cooper fez aproximações a Issigonis em 1960, vendendo a ideia da variação do desempenho elevado do Mini, mas Sir Alec abrigava ainda o sonho que seu Mini fosse um carro para “toda a gente” e não como carro de desempenho.

    Tal a teimosia de Cooper que fez a cabeça do ajudante de Issigonis ,George Harriman, explicando as vantagens de sua ideia. Depois de breve reunião Cooper sai para construir o carro, mas “Harriman disse que T~em de fazer 1000 carros desses, o que não é dificil porque nós fizemos 150.000!!!

    O Mini Cooper passou a ser folklore automóvel, vitórias incontáveis em rally, particularmente em Monte Carlo, onde o Cooper executou feitos notáveis .

    Na estrada, o Mini Cooper era também um sucesso notável, transformando-se no carro de alto desempenho para uma geração e ainda hoje considerado um carro de excepção.

    A administração da BMC considerou sempre que o Mini era insubstituível e bonito, perante as duas oportunidades muito reais de substituir o Mini durante sua vida, em 1968 Alec Issigonis, a trabalhar no 9X para substituir o Mini, um carro que fosse menor do que seu original, mas era mais fácil e mais barato de construir, e, surpreendentemente, também mais cómodo, também incorporando uma porta da parte traseira do hatchback. A BMC nunca investigou seriamente a praticabilidade de produzir este carro, apesar de ser certo que o 9X seria mais rentável.

    Em 1974 a BMC concluiu uma parceria com Innocenti, em Itália, que concordou construir o Mini e o ADO16 para o consumo europeu e transformou-se numa subsidiária do fabricante britânico.

    O acordo com a Innocenti era altamente eficaz e fazia rios de dinheiro para BMC, mas em meados de 70´s Bertone responde com uma cosmética quadrada do carro como resposta à ameaça da onda nova dos hatchbacks, tais como o Fiat 127. O Innocenti 90/120 Mini era o resultado.

    O melhor ano Mini para vendas foi 1971, com 318.475 construídos.
     

    Ficheiros Anexados:

    Vitor Dinis Reis gostou disto.
  3. Algumas datas significativas para o MINI:

    1960- Escala expandida para incorporar versões carrinha.
    1961 - Os primeiros Mini-Coopers apareceram. Riley e Wolseley tinham nas sua versões anel Porsche Baulk Synchro.
    1964 - A suspensão Hydrolastic é incorporada.
    1966 - As janelas laterais passam a incorporar os modelos Riley/Wolseley.
    1968 - Synchromesh substituído e a caixa muda tendo a primeira sincronizada.
    1969 - Surge a versão de Clubman adicionada.
    1971- O 1275GT Clubman interrompido.
    1973 - Dynamo é substituído pelo alternador no sistema elétrico.
    1980 – Os carros estão agora na linha de produção do Metro, Clubmans deixam de ser fabricados
    1984 - Diâmetros das rodas aumentados para 12 para suportar travões maiores.
    1987 - Começo das edições especiais , limitadas e de rápida venda.
    1990 – O Cooper é reentroduzido na produção.
    1992 - Surge a versão convertivel da Lamm .
    2000 - Fim da Produção.
    2001 - É lançado o novo MINI , mas será que é o carro que os Ingleses produziriam?
     

    Ficheiros Anexados:

  4. Muito bem...
    É sem duvida um carro que marcou a história automóvel...
    B) B) B) B) B)
     
  5. Caro Sherlock Lemos Ferreira;

    Uma vez mais os meus parabéns!
    Uma súmula histórica do MINI

    Está óptimo!

    Mas , permite-me discordar num ponto::huh:

    "2001 - É lançado o novo MINI , mas será que é o carro que os Ingleses produziriam?"

    Ainda é melhor! É BMW! :huh: ;) :D :D :D
     
  6. :D É o que dá estar de férias 4 dias :D :D :D :D :D :D acho que veio preencher uma lacuna pois em português não havia quase nada :D B) B) B) B) :D :D :D
     
  7. Também tive "ponte" , mas há sempre algo a fazer! :huh:

    Qualquer dia, com o tempo que passo à volta do Giulietta e dos outros "velhinhos" os meus filhos chamam-me...Tio! :D :D :D :huh:
     
  8. Olá Francisco ,sim senhor muito tempo dispendido só pra estudar um pagina da longa história do famoso carro do Mr.Bean, a da suspensao fiquei a saber como funcionava, embora deixasse a vida de mecânico até á uma coisa de 5 anos atras mas nunca conheçi problemas de maior nos Minis demostrando uma fiabilidade extrema de fazer inveja a muito modelo novo que está a sair agora das linhas de montagem!È como eu digo á minha mulher, os carros novos será que chegam á idade de clássicos:huh: :oo Agora o novo Mini só tem de mini o nome porque em dinheiro e tamanho de carroçaria é grande :huh: embora nao seja feio nunca chegará aos calcanhares do antigo MINI:D nem terá aquele sucesso de vendas de outrora:(- !PS: o carro preferido da minha mulher é um MINI, ela diz-me pra vender o ke20 ou trocar por um MINI:(- :D !logo que possa ponho umas fotos de um RILEY abandonado em perca total de ferrugem:(- :(- o_O :( cumprimentos!:D boa pesquisa!;)
     
  9. Fico à espera desse Riley , ou duende :D :D :D :D :D :D
     
  10. MINI CLUBMAN - Historial

    O MINI CLUBMAN ...
    A história Mini de Clubman começa em 1967 quando o director de control Joe Edwards da BMC , tenta a sorte para aumentar os lucros. Para ajudar nesta tarefa roubou os planos do seu estilista Roy Haynes, fresco de trabalhar no cortina Mk2. Haynes trouxe da Ford outros estilistas mais novos tais como Harris Mann e Paul Hughes. Trabalhou no Austin Maxi, e no ADO16 revisto 1100/1300 que tal como o ADO22 que nunca viu a luz do dia.
    Expandindo a raça Mini a sua tarefa era simples: produzir um modelo re-denominado para substituir o Hornet de Wolseley e o duende de Riley na extremidade , com os custos de de fabricação mais baixos.~
    O carro resultante, o Mini Clubman teve um nariz mais longo no mesmo estilo do seu irmão mais velho, o Austin Maxi.
    Haynes projectou também uma extremidade traseira revista para o Mini, mas a administração teve outra opinião.
    O interior foi projectado por Paul Hughes, o volante de 3 raios é o cortina Mk1/2 puro no conceito.
    Alec Issigonis ficou com créditos sobre o estilo e embora seu conceito pudesse ter causado problemas no ADO17 Landcrab e no Maxi, quanto ao Mini original era perfeito.
    O Clubman Mini era um exemplo da função excedente do estilo, porque o único benefício do nariz mais longo era um acesso mais fácil ao motor, sendo inferior em termos aerodinâmicos que o original.
    Mas antes de demitir o Clubman como uma diversão desnecessária deve recordar-se que Roy Haynes sabia o que fazia. Em 1969 o Mini tinha estado no mercado 10 anos relativamente inalterado.
    Nesse tempo a Ford tinha produzido o Mk1 e Mk2 Cortina, o Anglia e os Mk1 Escort.
    O carro que foi lançado finalmente, as fotografias do arquivo mostram que Roy Haynes e sua equipa tiveram ideias muito mais radicais para a aparência externa do clubmans ... Muita da história do desenvolvimento do Clubman é o segredo Roy Haynes e Paul Hughes evitaram sempre as atenções da imprensa e tanto quanto é sabido nunca falaram publicamente sobre sua parte na história Mini.
    Um conjunto de fotos do desenvolvimento revela um Mini que parece ser de portas similares àquelas usadas em alguns variants Mini Africano eAustraliano que tiveram o vento acima das janelas e a porta externa de retenção articulada.
    A parte traseira parece ser feita da argila e parece ter sido uma tentativa de criar um espaço extra na bagageira em comparação com o Mini padrão, algo oferecido pelos modelos do Riley/Hornet.
    Nos anos sessenta o Mini foi comprado por muitos como o primeiro carro, nos anos setenta já era um mercado crescente para um segundo carro para a esposa ir ao shopping.
    Feito para perder? De um ponto de vista talvez o Clubman o mais bem sucedido era a Estate ( Carrinha). A Estate Clubman lutou contra a geração nova dos superminis que existiam no mercado.
    Veio originalmente com guarnições de madeira falsificadas ao longo das portas laterais e traseiras, agora muito em voga nos restauros. Como o saloon, a estate recebeu o motor 1098cc em 1975.
    A controvérsia acerca do Clubman Mini depende de uma opinião do projecto original de 1959. Os intrumentos centrais de 1959 era uma característica de projecto herdada do Minor da Morris, e quando alguns proprietários pensaram e exigiram que os manómetros devem ser sempre na frente do volante.

    O Clubman era a resposta aos seus pares, introduzindo o interior ergonomico da Ford ao Bébé da BMC/BLMC.
    Em 1976 a gama inteira de Clubman recebeu uma lavagem, com todos os variants que ostentam a mesma grade preta quando a estate dispensava a sua madeira falsificada.
    As circunstâncias financeiras crónicas da Leyland os anos setenta significaram que havia pouco desenvolvimento principalmente do Clubman, as mudanças mais importantes são a introdução das rodas de 12 polegadas no 1275GT em 1974 e nos outros variants que recebem o motor de 45bhp 1098cc em 1975.
    Richard Longman tinha aprendido no seu comércio e na engenharia liderando a lendária Downton . Em 1971 teve a Longman & Co. Como pareceira e outros extremistas como Steve Harris e George Toth da Downton.
    Em 1978 . Richard Longman teve dez vitórias da classe em doze corridas par aganhar o título de BTCC. No ano seguinte o 1275GTs limpou tudo, com Longman com dez vitórias e de Alan Curnow com duas. Longman ganhou o campeonato...
    A produção do Mini Clubman Saloon ( O meu...) terminou em Agosto 1980 para dar vez ao Metro e ao 1000HL Estate até 1982..
    Produção
    Saloon – 275583 unidades
    Estate -197606
    1275GT- 110673
     

    Ficheiros Anexados:

  11. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    É o Mini que mais gosto:D !

    Vejo um todos os dias...
     
  12. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    boas,clubman,s sao grandes maquinas,deixo aqui 1 foto da minha estate!
     

    Ficheiros Anexados:

  13. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    Parabens, é linda!:D :D :D :D :D :D :D :D
     
  14. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    Excelente trabalho de pesquisa Francisco, vou aproveitar este texto para as Fichas Técnicas.

    Um grande obrigado pela partilha!
     
  15. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    Parabéns uma vez mais Francisco!

    Este homem andou nos " Ovos moles"!:D :D

    Está cá com uma energia! Tipo Cooper S!:D :D :D

    Parabéns! A sério!
     
  16. Bom trabalho.Parabéns.
     
  17. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    A continuação de um bom trabalho. Parabéns
     
  18. Mini Wolseley 1000

    O Mini Wolseley 1000

    O primeiro da era Wolseley na Mini foi em África , introduziu a grelha Wolseley na frente -Com classe obrigatória destacava-se o emblema.

    Com motor de 998cc e suspensão Hydrolastic o Wolseley 1000 tornou-se um carro de família refinada na África de Sul(1ª e 2ª fotos)

    O interior, os estofos e o tablier central era completo com indicador de temperatura de água , pressão de óleo, e de advertência .

    Em Setembro de 1967 , em Dezembro de 1968 do aparece a versão Mk2 com as actualizações refinadas dos Minis Mk2 produzidos no Reino Unido.

    Entretanto em meados de 1969 o último ano de produção, a Leyland África contruiu 450 unidades. Os Wolseley são também exportados para a América!

    O Wolseley Hornet (5ª e 6ª Fotos) tinha Traseira ao contrário do mil com a traseira tradicional do Mini.


    Em Setembro de 1969 apareceu o Mini Mk3 e o eficaz Wolseley 1000 foi gradualmente substituido.

    A Leyland da África do Sul construi igualmente o Mini o Clubman 1275 GT e o Clubman GTS (3ª e 4ª fotos)
     

    Ficheiros Anexados:

  19. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    Parabens , está muito interessante!;)
     
  20. Re: MINI CLUBMAN - Historial

    Boa, continuações de bom trabalho.:feliz:
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página