Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Carro do exército....que fazer?

Tópico em 'Legislação' iniciado por Miguel Bernardo, 8 Jan 2008.

Tópico em 'Legislação' iniciado por Miguel Bernardo, 8 Jan 2008.

  1. Boas pessoal. tenho um familiar que tem uma oficina, e há cerca de 10/11 anos, um cliente deixou-lhe lá um veiculo que pertencia ao exército para ele o restaurar. O tempo foi passando, o dono do carro nunca mais apareceu e ele tem lá o carro (que nunca chegou a ser restaurado), e não sabe como contactar com o dono, pois o carro nunca foi legalizado, não tem matricula...Que poderá ele fazer?? Como saber de quem é o carro? Para além disso é um carro que é uma pena deixar morrer..., inclusivé eu nem me importava de o adquirir caso o dono não estivesse mais interessado nele. Alguém tem alguma ideia do que fazer??? :(-
     
  2. Se não tem matricula, como é que poderá estar registado em nome de alguem?
    Eu diria que oficialmente não tem dono:huh:
     
  3. Por ser ex-militar existe a presunção que o mesmo pertence ao estado português :(-
     
  4. Boas,

    Dividindo a pergunta em duas respostas:

    1) Se já são uns 10/11 anos em posse do seu familiar, acho que está em muito boa altura de entregar o assunto a um advogado e tratar de legalizar a posse desse bem ao abrigo da lei do "uso campeão".

    2) Legalizar o veiculo, acho que depende do tipo de veiculo e da forma como conseguir ou não comprovar a sua posse....

    Abraço,
    R
     
  5. Quanto ao 1º ponto... nem eu tinha coragem de fazer tal coisa, ele tem uma oficina aberta...qual seria a cara dele em dizer ao cliente que tinha feito uso campeão do carro. depois, deve ser necessário algum documento que o exército passou aquando da venda do carro. :huh:
     
  6. Pertenceu ao estado... mas foi vendido a esse particular.
     
  7. Já agora de que veículo se trata? Há fotos?
     
  8. Trata-se de um jeep willys... as fotos caso seja necessário talvez possa tirá-las...
     
  9. Se puderes colocar as fotos agradecia;)...
     
  10. Assim que fôr à oficina dele... Achas que consegues fazer alguma coisa??:huh:
     
  11. Eu não:rolleyes...

    São situações chatas...

    Se não houvessem:wacko: estes novos impostos bastava pedir uma nova matrícula...
     
  12. boas. eu axo que esse carro deve ser uma marosca estranha. 1º eu nunca ouvi falar de jeep wiliam no exercito portugues.
    2º quando o exercito axa que ñ necesita de uma viatura, o que o estado portugues faiz, e mandar abater e ñ os vende. tudo porcausa do imposto sobre a viatura, que fico incento durante anos, e casso seja para vender, tendriam que pagar tudo para poder procesar a venda. e depois a logistica do exercito ñ cede o librete da viatura a niguem, na qual sera arquivado no arquivo morto do exercito.
     
  13. Tony, Peço desculpa mas estas enganado. O exercito portugues teve alguns jeeps Williams, nos anos 40 e 50. Muitos deles doados do execito dos USA, Lajes, Açores e em 1977 adquiriu uma grande quantidade duma versao deste ano no qual eu tive instruçao e fiz diversas operaçoes enquanto miliciano. Aqui na Ilha de S. Miguel existem ainda alguns dos willy´s antigos ainda com as armas do exercito, na posse de particulares colecionadores.
    Relativamente ao assunto deste forum. O veiculo em causa julgo que ja se pode considerar abandonado pelo dono. Para reclamar a propriedade antes do recorrer ao direito (Uso capiao) tera de se enviar para todos os Municipos de Portugal uma carta para ser publicada em edital para ver se alguem reclama e prova ser seu dono. Julgo que se durante 3 meses nao existir qualquer reclamaçao, que entao pode-se dar continuidade, e consegue-se por ordem do tribunal a aquisiçao da viatura(MAS ATENÇAO, EM CARTAS REGISTADAS, VAI -SE GASTAR UMA FORTUNA). Se por acaso o local onde se encontra eh num sucateiro, bastará efectuar a compra e requerer uma vistoria a DGV. Posto isto pede-se a matricula.
     
  14. Tal como eu disse no inicio do tópico o carro encontra-se numa oficina de um familiar meu, não num sucateiro.
     


  15. Eu fui condutor no exercito e conduzi um Willys a gasolina no extinto RIP no Porto que era a viatura do comante do Regimento nas paradas militares, portanto atesto que existiam Willys no exercito.

    Quanto a viaturas informo que todas as viaturas do exercito de serviço pessoal (automoveis pretos essencialmente, têm matricula civil tambem, além da matricula militar (tive documentação civil da viatura qe conduzia nas mãos, um vW Golf diesel preto da 1º serie) o que não me parece acontecer com as viaturas verdes (Berliet, Magiruz, Mercedes, Land Rover, UMM, DAF, Leyland, Ebro, etc....)
    Tenho conhecimento que todas as viaturas em abate (fim de vida) são entregues ao BST (Batalhão de Serviço de Transportes) e a partir dai são vendidas em lotes a sucateiros atraves de processos de leilão.
    Não tenho conhecimento no entanto quando são feitos nem de que forma mas pode-se pesquisar...
    Quanto a aquisição destas viaturas e atribuição de matricula civil já vi acontecer embora saiba que são processos complicados com inspecções, pagamento de impostos e muita burocracia como é habitual.

    Se de alguma forma contribui para ajudar no assunto, fico contente.
     
  16. Boa Noite,

    Tenho em maos uma situação semelhante. Comprei um jeep willys e não william como alguns escrevem:huh:. Este jeep tem matricula do exercito M... e como tal é um veiculo do estado e não se pode fazer usucapeão segundo o meu advogado. Pedi agora ao exercdito um declaração para descobrir qual o seu historico. Vamos ver como corre!

    E as fotos do jeep para quando?
     
  17. 1. Houve willys no exercito.
    2. O Usicapião é no notário e nao no tribunal como se disse.
    3. Depende do notário, mas nao há que mandar cartas registadas pa todas as autarquias.
    4. Sai em edital 1 mês.
    5. A escritura é que fica cara.
    6. O exercito antes vendia a sucateiros e estes vendiam a toda gente. Hoje o exercito vende a sucateiros contra declaração de desmantelamento.
    7. O exercito costuma ceder a bombeiros e juntas de freguesia
    8. Há alguns casos raros de particulares que conseguiram legalizar.
    9. Abstenham-se de comentar o que não sabem.
     
  18. Ja viu as contradições que expoe nos seus 9 paragrafos? O que se escreve aqui e´lei e nao pode ser contrariado? Eu tenho provas concretas que contradizem tudo o que voce escreveu. Entao o melhor, é ficar toda a gente calada, fechada em copas, seguir as instruçoes dos administradores do site e nao fazer aqui quaisquer comentarios pessoais. Peço desculpa mas se voce sabe tudo e os outros sao ignorantes, nem vale a pena comentar nada e viva a democracia!
     
  19. Apresente essas "provas"... para ver até que ponto são "provas"...

    Só acho incorrecto comentar-se o que não se sabe induzindo os outros em erro.
    Para sua informação tenho 3 carros militares, um deles com docs, por isso penso estar dentro do assunto, ao contrario do que se disse.

    E, fico a espera da sua contradição.

    Aqui fica o meu mail para enviar docs. (sim, pois em matéria de legislação e procedimentos administrativos só assim se "prova". mp55@clix.pt


    Com respeito e sem ofender (se se ofender o problema é seu ) Não, eu não sei, tudo, o senhor é que não sabe nada nesta matéria.
     
    Manuel Pereira Roque gostou disto.
  20. A DGV nos Açores deve ter procedimentos diferentes das delegações do continente... Não é assim tão fácil, vá la e informe-se.
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página