Engenho e arte... estamos em Portugal

Muitos de nós com certeza que a dada altura, por um motivo ou por outro, fomos obrigados a inventar sobre uma qualquer situação de modo a conseguir colocar o nosso clássico a andar.
Desafio-vos a colocar por aqui as vossas fotos e relatos sobre tais invenções.

o Meu contributo tem a ver com o carro de um amigo que após a colocação de uns carburadores 32/36 no 1602 se viu confrontado com o facto da "panela" do filtro de ar original não caber.
Como fazia questão de estar com a viatura num passeio... vá de inventar e recorrer à prata da casa. Há sempre algo na garagem que serve para nos desenrascar :DD

O sistema sofisticado que podem ver na foto acabou por se tornar definitivo até à montagem dos carburadores duplos ;) :D
 

Anexos

Francisco Costa

Portalista
Portalista
Jorge Faustino disse:
Muitos de nós com certeza que a dada altura, por um motivo ou por outro, fomos obrigados a inventar sobre uma qualquer situação de modo a conseguir colocar o nosso clássico a andar.
Desafio-vos a colocar por aqui as vossas fotos e relatos sobre tais invenções.

o Meu contributo tem a ver com o carro de um amigo que após a colocação de uns carburadores 32/36 no 1602 se viu confrontado com o facto da "panela" do filtro de ar original não caber.
Como fazia questão de estar com a viatura num passeio... vá de inventar e recorrer à prata da casa. Há sempre algo na garagem que serve para nos desenrascar :DD

O sistema sofisticado que podem ver na foto acabou por se tornar definitivo até à montagem dos carburadores duplos ;) :D
Isto sim, é engenharia automóvel no seu auge!! :D

Eu como ainda sou "recente" neste mundo dos clássicos, a única coisa que me aconteceu foi ficar na estrada com o meu 2002, sem gota!! :D
 

Nelson Lopes

Clássico
Francisco Costa disse:
Isto sim, é engenharia automóvel no seu auge!! :D

Eu como ainda sou "recente" neste mundo dos clássicos, a única coisa que me aconteceu foi ficar na estrada com o meu 2002, sem gota!! :D
:DD
 

Paulo Baião

Clássico
Isto do engenho e arte já vem de longe...

Jaime Nunes Rodrigues, foi um preparador e mecânico de competição.

No início dos anos 50, um dos primeiros Porsches 1500 foi adquirido por Joaquim Filipe Nogueira, mas começaram a verificar que os travões dianteiros aqueciam muito, assim sendo, Jaime Rodrigues resolve o problema com a abertura de dois pequenos orifícios ao lado dos farolins.

A alteração foi adoptada pela casa de Stuttgart e mereceu referências no boletim oficial da marca.
Pouco tempo depois os Porsches 1600 já a tinham adoptado.


 
Jorge Faustino disse:
Penico? Na... é um tupperware autentico na foto original dá para ver a marca :D
... o meu pai pos o carburador de vw split no carro da foto... e faziamos viagem por essas picadas fora em Moçambique nos anos 60...
 
:huh:
O meu pai tem um curso feito na tropa de desempanador e conta coisas como:
-Cabos de velas substituidos por varas de madeira verde.
-Condensador substituido por uma pequena batata
-Cameras de ar remendadas com cordel
-Petroleo de iluminação para andar
-Ouro mouro para encasquilhar velas
-cilindros livres
etc
A função dele éra ir buscar os veiculos empanados no mato desse por onde desse.
 

Joao Rodrigues

Clássico
Um pré-clássico que já não esta comigo.

Fiat Uno 45S, saí de casa muito bem e cerca de 50km depois olho para a temperatura do motor e estava perto do máximo... encostei logo.

Abro motor e vejo que não tenho água nenhuma. Toca de meter água (ando sempre com um garrafão de água na mala..) e quando a ponho automaticamente começa a pingar. Tinha o tubo que sai do radiador roto...

Era a última coisa que me faltava, ainda por cima ia fazer um trabalho e não me convinha nada chegar atrasado. No meio da mala encontrei uns autocolantes.... hum... toca de os por a tapar a fuga e solução encontrada! Ainda andei quase um mês com esta solução! :D



Durante o restauro da Multipla faltava-nos um circulo para colocar na frente, basicamente é a envolvente do simbolo "FIAT".

Depois de muito procurar, estava o meu pai no escritório a olhar para a ventoinha quando encontrou ali algumas semelhanças.

Nem mais!

Toca de desmanchar a ventoinha e não é que a grelha da frente da ventoinha era exactamente a medida da grelha que nos faltava? Lógico que não era igual, mas ali andou uns tempos até se comprar a original e ninguém dava por nada!
 

Dias Gonçalves

Abílio Gonçalves
Portalista
Esta história não se passou comigo mas com um grande amigo, o Seara Cardoso.

Andava o Seara à procura dum R4 (o Joaninha) quando viu o anúncio dum em Marselha que lhe pareceu em bom estado... rápidamente estava no aeroporto desta cidade francesa onde o proprietário o esperava (nem sequer tinha lavado o carro). Feito o negócio, toca de regressar por estrada para Portugal, sózinho. Era Agosto e estava calor.

A Joaninha começou a querer aquecer e não havia água. Uma garrafa de coca-cola era o único líquido dentro do carro e que serviu para deitar por fora do circuito de forma a arrefecer. Toca de colocar uma chave de fendas para manter a tampa do motor aberta.

À noite os 6 volts da bateria não permitiam iluminar a estrada. A solução foi fácil: regular os máximos como médios de forma a ter mais alguma luz.

O que é certo é que chegou a casa sem outros incidentes e teve até direito a reportagem na Gazoline, feita pelo propietário francês.
 
Uma vez de zundapp, andava a passear mais um amigo meu noutra zundapp e o carburador da minha zundapp simplesmetne saltou!ficou pendurado pelo tubo da gasolina e o cabo de acelarador depois tentamos apertar a braçadeira tinha a rosca moida, entao ai entra as invensoes um tronco pequeno a fazer força no quadro contra o carburador. Acabei a voltinha vim arrumei a mota no outro dia ainda andou assim, e sempre normal!
 

António Flores

Clássico
Todos sabemos que durante um restauro existem quase sempre algumas coisas que de alguma forma se perdem e outras já nem vêm no carro como foi este caso.

O meu amigo Manel , Mecânico e dono de um Taunus 17M Emaculado, só visto para acreditar, estava a montar o filtro e a única coisa que o apertava era uma barra transversal, assim o ar entrava directamente no colector sem que fosse obrigado a passar pelo filtro.

Solução, uma tampa de uma lata de tinta que por ali andava, um furo ao centro, ou mais ou menos e uma porca de orelhas.

Ainda lá está mas terei um dia de saber como é a original ou tentar encontrar por ai uma num ferro-velho.
 

Anexos

Eduardo Relvas

fiat124sport
Portalista
Pois eu a última que me aconteceu foi a caminho da praia com o anterior BMW da patroa (ainda não é clássico, desculpem lá...), um série 5 dos E34.

Estes BMW têm um problema completamente idiota, porque as caldeiras do radiador do motor são em plástico (qualidade de construção uma ova!), e pelos vistos têm altura própria para partir... só que isso só eu descobri quando cheguei a casa!

Estavamos nós parados numa estação de serviço nos arredores de Sevilha (também conhecida como a frigideira da Europa - só estavam 47 graus às 14:00!) para almoçar, e fui dentro da estação para beber um café. Quando voltei, o motor tinha parado (estava ligado por causa do ar condicionado, obviamente...). Ao dar a volta ao carro, uma poça enorme de líquido verde no chão...

Ao abrir o capot, lá estava o bendito tubo partido. Mas como partiu só um anel com menos de um centímetro, ainda havia um pedacinho no radiador, e a tomada ainda era mais funda que isso mas tinha umas saliências que só deixavam o tubo entrar até certo ponto.

Solução: saquei do meu muito estimado canivete suíço, e com o serrote cortei as saliências para conseguir enfiar o tubo até ao fundo. Com um bocado de pastilha elástica a vedar melhor a superfície, e a abraçadeira bem apertada, atestei o circuito e toca a andar.

Foi até à praia, voltou para casa, e andou assim mais 3 anos... e com sorte ainda lá anda, porque a minha irmã viu-o a rodar na 2ª circular faz umas semanas! :D

Um abraço a todos!
 
:rolleyes::DD:D

A pastilha elástica... convem ter uma sempre à mão...

Uma vez em viagem o velcro que segurava a tampa do espelho da pala do sol desapareceu :rolleyes: resultado assim que colocava a pala para baixo por causa do sol abria-se uma segunda pala (a tal do espelho) que não me deixava ver o caminho.
Não fui de modas, pastilha elástica e resolvi o assunto. Pelo menos na viagem porque depois com o calor ao fim de uns dias a pastilha escorria e deu-me uma trabalheira do caraças a limpar :DD

Uma vez também resolvi um mau contacto num leitor de cassetes com pastilha...
 

Ruben Frutuoso

Clássico
eu numa exposição de cartazes na na escola quando se acabou o bostic, toca a ir comprar pastilhas, tudo a mastigar e a colar na parece os cartazes, que maravilha. Quanto a carros, felizmente ainda não tenho nenhuma aventura =)
 
Topo