Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Volvo Volvo 122s - Restauro já com 1 ano e ainda falta tanto!

Tópico em 'Outras Marcas' iniciado por Carlos Galvão Santos, 7 Fev 2015.

Tópico em 'Outras Marcas' iniciado por Carlos Galvão Santos, 7 Fev 2015.

  1. Foi a 22 de Dezembro de 2013, que fui enganado, estava tudo bem escondido e o entusiasmo foi cúmplice
     

    Ficheiros Anexados:

    JoaoFonseca e joao ruivo quelhas gostaram disto.
  2. Boa noite. Apresente-se aqui no portal e desenvolva o restauro do seu Volvo.
    Já agora bem vindo ao mundo encantado dos clássicos;)
    ......e pelos vistos...das chatices, preocupações e noites sem dormir....
    O normal de quem se mete a investir em restauros :D:
     
    Carlos Galvão Santos gostou disto.
  3. Caro Carlos, a foto que publica é de quando o comprou ou do estado actual em que está?
    Já agora, parabéns pela máquina, um 122 Coupé é, actualmente, um clássico bastante cobiçado e até raro.
     
  4. É de quando comprei, a pensar que estava reparado de chapa e com a mecânica também reparada.
    Segui os concelhos de um amigo e desarmei o carro completamente, em seguida o jacto de areia mostrou as mazelas.
    O motor nunca ia trabalhar, mas estava pintado.

    Junto foto de quando o decapei
     

    Ficheiros Anexados:

    #4 Carlos Galvão Santos, 7 Fev 2015
    Última edição: 7 Fev 2015
  5. Caro Carlos, então vou dar a minha sincera e modesta opinião, não a leve a mal:

    Ao comprar este Volvo conforme a foto no 1º post, só é enganado quem quer ou tem pouca experiência neste meio. É que o carro nem pintado está, practicamente tem tudo à vista! Se tem massa ou betume , é de desconfiar e um íman/fita métrica fariam um despiste valioso de possíveis problemas de chapa e chassi. Levar um especialista seria o mais sensato a fazer em caso de dúvidas ou quanto não nos sentimos à vontade.

    Relativamente ao motor, é um pouco mais complicado, pois comprar uma mecânica sem a ouvir é um tiro no escuro, pode ser muito mau ou até muito bom! Quem corre o risco é quem compra! Seja o que Deus quiser! Mas mesmo assim, é fácil de ver se o motor tem compressão, se roda, etc.

    No entanto, tudo depende do valor que pagou. Por norma, aqui no nosso burgo que é Portugal, é requisito geral que "a galinha seja gorda mas por pouco dinheiro e quero troco", e quando assim é, temos de ter consciência que podemos apanhar surpresas desagradáveis. Se pagou um valor elevado, então deixou-se enganar e foi claramente enganado.

    Existe outro factor que convém ter em conta que é a sensibilidade e conhecimento da área dos carros velhos, restauros, etc. Ou se tem ou... não se tem e vai-se adquirindo. Quantos clássicos já teve ou restaurou? Tem experiência neste meio?
    Não desespere que com calma, organização, motivação, ajuda e claro, muitos euros, esse 122 consegue voltar a circular nas nossas estradas.

    Está no local certo para conseguir ressuscitar esse Volvo, existem por aqui portalistas que iram conceder-lhe algum do seu precioso tempo a tirar-lhe dúvidas, a aconselhar e a motivá-lo para continuar o restauro.

    Neste mundo, é como no futebol, ás vezes ganhamos, outras perdemos (como o Sporting vai amanhã perder com o grande Benfica)...:D:

    Bom restauro, aguardamos novidades e muitas fotos.
     
  6. Lembrei-me que isto dá-va um tema de conversa para o "Conversas de Garagem", seria útil para muitos ouvirem as dicas dos Mestres de restauro aqui do fórum pois estas queixas são frequentes. Vitor, que dizes?;))
     
  7. Pois nunca me tinha metido em nenhum restauro, quanto á chapa o que estava mau, era a parte já pintada, que escondia remendos mal feitos,que foram todos colocados á vista com o jacto de areia. O motor rodava, mas não se encontrava nas condições que eu pensava estar, está neste momento a ser rectificado.

    Pode ser qua ainda fique tudo pronto este ano.
     
  8. Sem dúvida Camacho, dá pano para mangas!

    Carlos: não há muito mais a acrescentar. Talvez apenas uma palavra de incentivo, o 122 é um clássico fabuloso. Não me importava de estar dedicado a um restauro desses, mesmo que a longo prazo.

    Aparentemente o mal está feito, agora só pode melhorar. Um ano e pouco de restauro não é nada no mundo dos antigos. Vá partilhando os avanços e recuos, seguramente obterá ajuda nesta comunidade.
     
  9. Algum trabalho no motor, foi todo decapado antes de desmontar
     

    Ficheiros Anexados:

  10. Você tem aí o carro todo, é que já vi alguns que depois do jacto de areia só ficaram com meio carro.
     
  11. Tenho é quase 2 carros com as peças que fui comprando,
     
  12. O charriot antes e depois, foi decapado metalizado e laçado.
     

    Ficheiros Anexados:

    JoaoFonseca e joao ruivo quelhas gostaram disto.
  13. O motor, conforme o comprei e depois de decapado para reparar
     

    Ficheiros Anexados:

  14. Carlos,

    Obrigado pela partilha e sobretudo pela sinceridade na apresentação do caso, que não há herois já todos sabemos, mas ainda aparece quem insista no contrário.

    Comprei um Scirocco com a traseira torta e foi o pintor que me chamou a atenção para o facto. Outras vezes temos sorte, eu já tive.

    Vendi o Scirocco uns anos depois e o comprador sabe que levou um carro que de um lado tem uma distância de 2 dedos entre a roda traseira e o guarda-lamas e 4 do lado oposto. Estranhamente o alinhamento das 4 rodas estava impec, andava e travava a direito, com desgaste uniforme nos pneus.

    Nessa não volto a cair, mas hei-de cair noutras.

    Gosto muito dos 122 S com duas portas, carro excelente sobre todos os pontes de vista, no norte da europa rolam muitos no dia a dia.


    Boa sorte no trabalho e bons kms



    nuno granja
     
  15. A compra de um clássico, que nós gostamos, é sempre um momento critico que define a nossa vida num futuro próximo.

    A emoção tem que estar distante ... e os olhos têm que estar atentos a todos os detalhes... os ouvidos devem ser tapados ... os vendedores vão fazer de tudo para que compremos o carro, mentir, deturpar e até encantar (ou envenenar) os nossos sentidos.

    Olhe a thread que eu coloquei a semana passada sobre um Citroen "DS"... é a explicação ideal...

    Para não sermos enganados temos que ter um conhecimento profundo do carro, temos que saber o historial, saber avaliar profundamente, não só a mecânicamente mas acima de tudo a chapa que é o elemento fundamental destes carros.

    Existe uma "etiqueta" que eu tenho apontada para quando vamos ver e analisar um clássico, como por exempo: não nos devemos rir quando falamos do carro ou quando olhamos para ele, pelo menos enquanto o dono estiver presente. Não devemos fazer comentários positivos como por exemplo "adoro este modelo" ou "gosto muito da cor" etc...

    Tudo isto para tentar contra-balancear a força que um vendedor tem, com as tais falinhas mansas e deturpação da realidade. Podia criar um tópico relacionado com este assunto

    De qualquer maneira, esse carro merece ser restaurado.
     
    #15 Gomes Miguel, 8 Fev 2015
    Última edição: 8 Fev 2015
  16. E está a ser restaurado, agora têm que seguir até ao fim!
     
    nuno granja e joao ruivo quelhas gostaram disto.
  17. Gomes Miguel
    Gomes Miguel,

    Cada um a sua abordagem, eu se gosto digo logo que gosto e mostro entusiasmo genuino, mas não desligo os sensores, Se o vendedor tomar isso como como um ponto fraco meu, de uma forma muito barata fico a ver com quem estou a lidar.

    No caso de haver pontosnegros na história oficial do carro, quanto mais falarmos mais hipoteses tenho de os encontrar. Podemos estar a falar com entusiasmo enquanto fazemos um "follow up" do que nos contam ao longo da conversa e verificar se bate tudo certo.


    nuno granja
     
  18. Penso que não foi recebido no fórum com a elegância devida e condizente com o seu Volvo (no fim de pronto). :)

    Muito normal o que lhe aconteceu ainda para mais num primeiro carro. Se fosse fácil e sem estas peripécias os restauros perdiam grande parte do sabor final que espero venha a ter.

    Eu também comprei um 1º carro todo podre, caixa de velocidades partida na mala, tablier podre com ratos mumificados e uma série de problemas. Foi um erro, hoje orgulho-me de ajudar muita gente a não cometer o mesmo erro, no modelo do meu carro em específico.

    Boa sorte e bem vindo!
     
    #18 João Pereira Bento, 8 Fev 2015
    Última edição: 8 Fev 2015
    Carlos Galvão Santos gostou disto.
  19. Gomes Miguel, pois eu considero que a tua abordagem é errada e denota extrema desconfiança. Não quer dizer que não tenhamos de aplicar uma dose moderada do que referes no teu post, mas não denunciar entusiasmo é começar muito mal uma possível negociação para concretizar um negócio.

    E relativamente á emoção... Bolas, é que se eu não parecer um puto de 5 anos a "cortejar" um brinquedo quando vou ver um carro velho/antigo, então mais vale ir comprar uma dessas coisas novas que andam na estrada com motor a gasoil!

    Temos é de saber o nosso limite financeiro e emocional, ser conhecedor do modelo e e transparecer isso para o vendedor de forma educada e sincera. Se eu chegar de "trombas", desconfiado, tentar passar a imagem de "guru" do modelo e só apontar defeitos, não estou a ver grande final para esse negócio. Pior ainda, com essa atitude e depois queres fazer negócio, vais deixar na cabeça do vendedor a imagem que afinal o negócio é mesmo bom e provavelmente nem um desconto de amigo se leva.

    Quando gostamos do que vemos, dizemos que gostamos e queremos fazer negócio, quando não gostamos, um aperto de mão e um obrigado pelo tempo despendido mas hoje não fazemos negócio.

    Já agora, das 1ª coisas que tento fazer quando vou ver um carro, é criar empatia com o vendedor, e isso começa com umas risadas, por norma quando dizem-me o preço...;))
     
    Carlos Galvão Santos gostou disto.
  20. Caro Camacho, são abordagens diferentes.

    Pessoalmente acho que se nos envolvermos a nível emocional num negócio perdemos capacidade de decisão e até alguma de negociação, mas isso também depende de pessoa para pessoa.

    Qualquer clássico deve ser analisado friamente e sempre baseado em factos. Devemos ir com a lição estudada, devemos saber com antecedência a história do carro, devemos confirmar todos os números, desde o chassis ao motor passando pela matricula. Devemos confirmar, ponto por ponto todos os locais onde possivelmente existirá aldrabice, devemos, com o motor a frio pegar no carro e ir dar uma volta, parar longe do local de onde arrancamos e analisar outra vez já com o motor quente. Devemos saber que os piscas traseiros têm detalhes cromados e que o motor tem que ter aquele carburador especifico etc e tal... Como disse anteriormente tenho uma lista grande de como fazer e agir para comprar um carro.

    Se tu dizes que não devemos passar a imagem de guru e só apontar os defeitos, eu digo que se o carro estiver a ser vendido "como novo", "restaurado de A a Z" ou "Inscrito no CPAA" e com o preço a condizer estas descrições, devemos apontar todos os defeitos do carro, devemos saber dizer, friamente o que está errado e ajustar a nossa oferta sempre de acordo com isso.

    Obviamente se o carro está como na descrição e não tivermos argumentos, devemos aceitar a proposta, caso ela seja JUSTA.

    Também não me fiz entender quanto ao facto de demonstrarmos quase que apatia quanto ao veiculo em questão, devemos ser sempre mais inteligente (e desculpem se ofendo alguém) calculistas e metódicos. Sempre antes de apresentar a nossa proposta e discutir a contra-proposta. Depois do negócio feito até podemos ir prós copos mais o vendedor, podemos e devemos caso seja um entusiasta e o negócio corra bem para ambos (que é sempre isso que eu procuro).

    De qualquer maneira o entusiasmo, a meu ver, é sempre um mau aliado à análise (que é isso que estamos a falar).

    Pessoalmente (se calhar estou enganado, mas foi a minha experiência que me fez pensar assim), devemos partir do principio que um negociante de automóveis é um lobo vestido de cordeiro, no caso de clássicos é pior porque a idade do carro é igualmente proporcional ao desgaste. Aliado a isto está o lucro, quase que obrigatório nos dias de hoje, que eles têm que garantir nas vendas, fazendo o mais desonesto que podemos pensar para nos tentar impingir o carro.

    A ironia desta discussão é que está a acontecer numa semana que tive uma experiência que apenas comprova todos os argumentos que falei. Está escarrapachada no tópico do Citroen "DS". A conversa, extremamente agradável e de quem transpirava conhecimento do modelo em causa deixou-me descansado e com certezas que é mesmo um veiculo original e em condições quase inigualável no país (Citroen DS da primeira série, mas com liquido "verde"). Aliado a uma extrema saudade que lhe ia deixar um dos melhores carros que lhe tinha passado pelas mãos.... O resto da história pode ser vista no tópico, mas atalhando para o final, tratava-se de um "rafeiro" com motor e chassis que não coincidem, pedaços de outros para atalhar um resultado final, que homologado pelo CPAA não levanta suspeitas.

    A própria genesis deste tópico, aparentemente, está no típico "deixei-me levar pelas emoções".

    Desculpa o testamento, mas eu adoro este tema, principalmente a alguns dias da compra do carro que espero, seja para a vida. Sabes, que depois de tanto estudo, tanta leitura e tanta análise tenho tanto medo que a compra me corra mal?
     
    #20 Gomes Miguel, 9 Fev 2015
    Última edição: 9 Fev 2015
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página