Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Postalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Legalização de Honda MiniTrail vinda de angola

Tópico em 'Legislação' iniciado por Nuno Alexandre C Freire, 29 Ago 2007.

Tópico em 'Legislação' iniciado por Nuno Alexandre C Freire, 29 Ago 2007.

  1. Boas tenho uma honda minitrail que o meu avô trouce de angola em 1974, so que com toda a confução do 25 de abril, ele nunca a chegou a registar em portugal e os documentos e a matricula perderam-se.


    alguem me pode dizer o que passos tenho de dar para poder legalizar a minha honda????
     
  2. Viva!

    Essa é uma situação que ocorre com alguma frequência. Sei de uma pessoa que tinha uma moto na mesma situação (tinha matricula, mas sem documentos), foi à DGV com duas testemunhas e resolveu isso de forma relativamente fácil.

    Cumps,

    Nuno R.
     
  3. matricula de onde? de angola ou portuguesa
     
  4. MAIS ALGUEM ME PODE DAR UMA AJUDA!!!
     
  5. viva
    a informação constante no anterior post está correcta. Para que a legalização seja possivel é necessário que:
    -seja um desalojado;
    -ter residencia na respectiva ex colonia;
    -ser titular do direito de propriedade;
    -ter sido importada antes de 31 de Dezembro de 1976.

    Na falta de documentos que atestem a propriedade (livrete+registo portugues ou equivalente, da ex-colónia) e a própria residência na ex-colónia, a lei admite a produção de qualquer tipo de prova prevista no processo civil, desde logo prova testemunhal.
    o processo, penso, tem que ser tratado na alfandega e não na DGV.
    RISCO: caso a prova testemunhal seja considerada insuficiente, a alfandega notifica o requerente para, num detrminado prazo, produzir mais prova e, caso não seja feita, a mota é declarada perdida a favor do estado.
     
  6. o procedimento referido era de aplicação a motociclos com celindrada superior a 50cm3, o que não deve ser o caso...
    assim ja faz sendido que o processo seja tratado na dgv
     
  7. pois a mota e 50cm2, e sera que neste meu caso se pode aplicar o "usocampeao"?
     
  8. se tiver matricula nacional, é possivel....
    no entanto, ainda não há muito tempo, as camaras tinham competencia para atribuir a matricula a ciclomotores (menos de 50 cm2), em que apenas exigiam uma factura de compra e pagamento de 25 € no caso da mota constar na lista de motas homologadas pela DGV.
    Agora essa competencia passou para a DGV. Um telefonema para lá pode ser esclarecedor....
     
  9. da ultima vez que la foi pessoalmente a dgv foi atendido por uma senhora que tava a ler uma carta, a qual disse para ir falando que estava a ouvir, depois de eu lhe contar a historia a resposta dela sem nunca olhar para mim foi "NÃO HÁ NADA A FAZER!" eu pos a quetão do usocampeão e a resposta foi "SE ACHA QUE CONSEGUE VÁ INFORMAR-SE" portanto da parte da dgv nao espero ajuda, dai eu recorrer a estes forums e mesmo ao acp.

    Mesmo assim Obrigado pela ajuda lino s lopes
     
  10. Boas
    Nuno, se quiser vender, eu compro...barata!!
     
  11. Mais depressa eu lhe atissava o fogo :wacko:
     
  12.  
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página