Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Common-rail

Tópico em 'Mecânica' iniciado por Sérgio Carriço, 15 Mai 2008.

Tópico em 'Mecânica' iniciado por Sérgio Carriço, 15 Mai 2008.

  1. Common-rail

    O protótipo do sistema common rail foi desenvolvido em finais dos anos 60 pelo Suíço Robert Huber. Depois disso, Ganser do "Swiss Federal Institute of Technology" desenvolveu a tecnologia common rail futura. A meio dos anos 90, Dr. Shohei Itoh e Masahiko Miyaki, da "Denso Corporation", uma empresa Japonesa de fabrico de componentes para automóveis, desenvolveu o sistema de combustível Common Rail para veículos pesados, tornando-se assim no primeiro caso prático do uso no seu sistema ECD-U2 Common Rail, que foi montado num camião da Hino Raising Ranger, vendido para uso geral em 1995. O actual sistema common rail controlado por uma unidade electrónica de comando (ECU) trabalha com o mesmo principio, cada injector é controlado electronicamente, em vez de mecanicamente. Isto foi alvo de muitos protótipos nos anos 90, com a colaboração entre a Magneti Marelli, Centro Ricerche Fiat e Elasis. Depois da investigação e desenvolvimento inicial pelo grupo Fiat, o design foi adquirido pela empresa alemã Robert Bosch GmbH para completar o desenvolvimento para o tornar apto à produção em massa.

    CRDI ou "Common Rail Direct Injection" é uma sigla utilizada para denominação de um novíssimo e sofisticado sistema de injecção directa de combustível diesel sob alta-pressão em motores de combustão interna, criado pela Fiat italiana e, posteriormente, desenvolvido e patenteado pela Bosch alemã, que o licenciou para vários fabricantes mundiais de veículos automóveis, como Mitsubishi, Hyundai, Ford, Mercedes-Benz, Kia e Nissan, entre outros.
    O Common-rail é um sistema de injecção criado nos anos 90 para veículos utilitários de trabalho pesado e posteriormente adaptado para automóveis ligeiros Engeneering e posteriormente cedido para desenvolvimento à Bosch alemã.
    A Fiat foi a primeira marca a comercializar um automóvel com esta tecnologia. Estreou-se em 1997 no Alfa Romeo 156, e no mesmo ano no Mercedes-Benz E 320 CDI.
    Consiste numa bomba de alta pressão que fornece a pressão através de uma rampa comum a todos os injectores, o que permite fornecer uma pressão (de 1350 bar a 1600 bar) constante de injecção, independentemente da rotação do motor, sendo o comando dos injectores e feito por válvulas magnéticas presentes na cabeça dos mesmos. A sua vantagem é um menor ruído de funcionamento, arranque a frio quase instantâneo, e uma clara melhoria de prestações e diminuição da poluição e de consumo. Actualmente é o sistema usado em quase todos os diesel.
    Em 2002, a Fiat apresentou ao mundo o Common-Rail com mais pressão a nível mundial - 1800 bar e ainda com 5 multiplas injecções com uma enorme precisão. O sistema está assim conforme a lei de gases europeia EURO4 com a vantagem de o conseguir sem filtros de partículas.
    Há diferentes sistemas usados por diferentes fabricantes, mas foram todos criados pela Bosch e são equivalentes em termos de qualidade e eficácia: o "Unit Injector System" (UIS) e o "Common Rail System" (CRS).
    Em ambos os sistemas, o combustível é injectado nos cilindros sob pressão muito alta. O próprio processo de injecção é controlado electronicamente, para que seja sempre injectado o volume ideal de combustível, exactamente no momento certo. E isso garante o rendimento máximo com o mínimo consumo e níveis de emissão baixos.

    No Unit Injector System (UIS), cada cilindro do motor tem um injector individual que gera uma pressão até 2050 bar em automóveis de passageiros. O pulverizador de injecção está integrado no injector e injecta para a câmara de combustão. O Unit Injector System permite uma injecção precisa com durações de injecção variáveis. Este processo de injecção e a alta pressão aplicada resultam numa combustão excelente. Isso garante um rendimento mais alto, um consumo de combustível mais baixo e emissões reduzidas de ruído e de gás de escape.)
    No Common Rail System, a separação da função mecânica de injecção para o sistema electrónico, permite que um lastro de combustível sob alta pressão, até 1600 bar, fique previamente armazenado numa câmara á espera de um sinal para ser injectado nos cilindros. Ainda neste sistema, válvulas magnéticas de alto rendimento permitem a passagem desse combustível, os tempos de ignição, são controlados electronicamente o que permite estabelecer o tempo de duração da injecção por cilindro, proporcionando, mais recursos para melhorar o processo de combustão.
    O Common Rail System da terceira geração usa injectores piezo em linha especialmente rápidos que cortam as emissões em mais 20% e o consumo de combustível em mais 3%, enquanto também reduzem o ruído do motor.

    O Electronic Diesel Control (EDC) da Bosch fornece um controlo óptimo do processo de injecção diesel em todos os momentos operacionais. O sistema analisa a informação fornecida pelos sensores do motor para calcular o melhor processo de injecção.
    Ainda a cortar emissões Para cortar ainda mais as emissões, são usados processos adicionais de tratamento do gás de escape.
    Filtros de partículas diesel com um revestimento aditivo ou catalítico asseguram que o motor cumpre ou ultrapassa agora as muito exigentes regulamentações futuras sobre emissões.
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página