Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Caixas velocidade Ford (Type 9, bullet, etc)

Tópico em 'Mecânica' iniciado por Ricardo Menezes, 25 Out 2009.

Tópico em 'Mecânica' iniciado por Ricardo Menezes, 25 Out 2009.

  1. Boa tarde,
    No restauro do meu Cortina comecei agora a olhar para a caixa, e não consigo determinar o modelo.. Em vários restauros de escorts aqui no portal, vejo frequentemente referência a caixas type 9, bullet, etc e fico meio perdido.
    Quais as principais caixas que vinham agarradas aos motores Ford da década de 70 e 80(e fins da de 60), como as identificar e quais são compativeis com que motores (e com que vantagens)?
    Creio que existe muita gente no portal com esta informação na ponta da lingua, pelo que espero que possam dar o vosso contributo.
    Abraços
     
  2. Amigo.
    Penso que por ser tanta a informação, acho que a melhor forma de obter essa informção (quase) toda é ir visitar o site da www.burtonpower.com
    no TECH TIPS encontra essa informção com fotos das respectivas caixas de velocidades.
    Abraço
     
  3. Obrigado Mário, já estive a ver o site, só me resta uma dúvida, que é que caixas podem casar com um crossflow 1600 e com que vantagens.. Essa não consegui perceber no site..
    Vou pesquisar mais um pouco.
    Abraço
     
  4. Amigo Ricardo. Espero que estas dicas ajudem a decidir qual a melhor opcção.
    Abraço

    Avantages et inconvénients de la boîte 5
    adaptée aux moteurs X-Flow 1600 standard.


    Autant le dire d'emblée, l'installation d'une boîte 5 vitesses dans une Esccort destinée au rallye ou à un usage purement routier est loin d'être une nécessité. Néanmoins, le moteur X-Flow délivrant sa puissance maximale aux alentours de 5500 tours, il peut être intéressant, pour une voiture destinée au circuit, d'adapter une boîte 5 vitesses. Cela permet de ménager une mécanique dont la technologie est tout de même ancienne et lui éviter, notamment sur les pistes modernes, de trop longues périodes d'utilisation à des régimes élevés.

    Cela dit, cette modification présente peu d'avantages et comporte même quelques inconvénients majeurs qu'il n'est pas inutile de prendre en considération. Plus que purement technique, ce bref article passe en revue les points positifs et négatifs de cette transformation.

    ________________

    Voici (en haut) la boîte 4 vitesses et (en dessous) un modèle 5 vitesses type "E9". C'est celle-là qui est la plus couramment employée pour ce type de modification.
    On remarquera immédiatement la cloche plus large, la boîte plus longue (il fallait bien "caser" ce 5ème rapport) et, par conséquent, le déport vers l'arrière du levier de vitesses.



    Longueurs en mm jusqu'à la cloche Boite 4 Boite 5
    Longueur hors-tout 692 777
    Point de sortie du câble de tachymètre 380 610
    Depuis l'axe du levier 648 730
    Points de fixation 445 533



    La boîte 5 provient d'une Sierra 2.0 que l'on trouve facilement d'occasion aux alentours de 3 à 400 euros mais on peut également acheter des boîtes complètes reconditionnées (par Burton par exemple).Les prix atteignant, dans ce cas, 800 à 1000 euros.





    Les arguments "pour" :

    - diminution de régime moteur d'environ 600 à 800 tours à la vitesse maximale.

    - diminution de la consommation de carburant.

    Les arguments "contre" :

    - poids considérablement plus élevé (24 kg pour la boîte 4, 40 kg pour la boite 5)

    - longueurs différentes (env. +7.5 cm pour la boîte 5)

    - nécessité de raccourcir l'arbre de transmission.

    - déplacement du trou pour le levier de vitesses dans la carrosserie

    - modification de la fixation du démarreur.

    - l'arbre de sortie étant d'un plus gros diamètre, il faut également utiliser un embrayage de Sierra

    - déplacement des point de fixation

    - modification du câble de tachymètre (longueur et parcours, nécessité d'installer un renvoi d'angle)

    - ré-étalonnage du compteur.

    - remplacement de l'interrupteur de feux de recul

    - on remarquera que la 2ème et la 3ème "tirent plus long" ce qui se fait, évidemment, au détriment de l'accélaration

    Rapports Boite 4 Boite 5
    1ère 3.656 : 1 3.656 : 1
    2ème 2.185 : 1 1.97 : 1
    3ème 1.425 : 1 1.37 : 1
    4ème 1.000 : 1 1.000 : 1
    5ème 0.820 : 1

    Devant cet état des lieux, on peut donc raisonnablement se demander si le jeu en vaut donc la chandelle.

    L'augmentation du poids et la diminution sensible de l'accélération sont sans doute les deux arguments les plus convaincants pour faire renoncer à cette adaptation d'autant que la partie purement mécanique n'est pas, non plus, extrêment simple.

    Néanmoins, comme il est dit au début, cette modification peut intéresser ceux qui pratiquent régulièrement la piste ou qui ont sensiblement accru la puissance de leur X-Flow et pour lesquels la perte d'accélération est largement compensée par l'énergie disponible.

    Pour les mêmes raisons, la modification de l'arbre à cames en vue d'obtenir un moteur "plus pointu" pemet de reconsidérer ce problème d'une autre manière.

    Si vous-même avez des éléments supplémentaires pour nuancer ces conclusions (expériences personnelles, astuces techniques...) n'hésitez pas à me les faire connaître!
     
  5. Muito bom! Vai decerto ajudar alguns leigos como eu..

    Abraço
     
  6. Viva

    Vou tentar contribuir com alguma coisa...

    Existem várias caixas de velocidades para os motores Ford de montagem longitudinal, conforme poderás verificar nos links que foram disponibilizados.

    A questão que raramente vejo referida é a indicação de quais as melhores opções num determinado caso.

    Mais uma vez vou dar uma opinião subjectiva e por isso poderão comentar com as vossas experiências.

    A minha preferida é sem sombra de dúvidas a muito conhecida "2000E". Foi inicialmente desenhada para o Corsair 2000E e verificou-se que apresentava umas relações de escalonamento muito interessantes, caso o carro em causa não sofresse de falta de binário a baixa rotação. Era no entanto cara de produzir, pelo que a Ford resolveu enveredar por outras soluções na época.

    A uma versão close desta caixa (a qual tinha a relação inicial de 2.51:1, em vez de 2.97:1) ficou conhecida por "Bullet" e foi utilizada nos modelos iniciais dos Lotus Cortina e Elan.

    Posteriormente verificou-se que as relações eram demasiado espaçadas e optou-se por usar a versão 2.97:1, que associada a uma relação final 3.77:1 funciona às mil maravilhas nestes modelos, assim como no Escort.

    Referiram-me muitas vezes que havia uma versão single-rail desta caixa (as 2000E era triple-rail) mas que nunca tive oportunidade de ver.

    Embora muita gente considere má opção, pessoalmente acho que a caixa Type 5, que mais não é que uma Type E com overdrive, é uma boa solução para escorts e Capris e permite a utilização de relações finais 3.77 e 3.9 sem problemas.

    As MT75 são sempre boas opções sempre que falamos de potências de mais de 170cv pois as restantes normalmente não conseguem domar estes valores. E ficam bem caso se pretendam fazer replicas de carros que usavam as Getrag...

    As T5 americanas também são boas opções mas muito pesadas e de grandes dimensões, as únicas aplicações que vi foram nos Jaguares :huh:

    Uma das melhores opções para carros de corrida, baseados nos BDG, etc são as Leeson, que embora pouco conhecidas, são muito resistentes e usáveis até aos 280cv. São dog-boxes concebidas para serem facilmente adaptadas, como as Hewland.

    A quaife faz carretos dog-box para as 2000E e type 9 pelo que também são soluções muito válidas e boas para competição.

    Em relação ao diferencial, pessoalmente apenas considero necessário/justificável um autoblocante em casos que ultrapassem os 140/150cv e mesmo assim sempre preferi um do tipo ATB a um Salisbury. Os salisbury são complexos de afinar e o desgaste, quando usados em competição e bastante mais violentos :rolleyes

    Abraços
     
  7. Vivam

    Pelos vistos não houve mais comentários :oo

    Já agora partilho com vocês uma aplicação (um pouco antiga, certo) que usava para determinar qual a melhor relação de transmissão...

    Espero que façam bom uso.

    Abraços
     

    Ficheiros Anexados:

  8. Excelente explicação, como nos tem habituado sr. Fernando.

    Já agora aproveito o tópico do Ricardo para colocar a seguinte questão:
    Tenho um motor 1600xflow retirado de um cortina gt que tenciono aplicar no meu escort mk1, contúdo gostaria de saber quais as diferenças e/ou vantagens que posso ter em colocar a caixa que acompanhava o 1600gt (creio que a caixa seja uma type3).
    Cumps;)
     
  9. Acabei de ler agora, já fico com uma boa ideia de que conjunto procurar quando começar a pensar no próximo brinquedo. Tenho que perceber ainda as relações dos diferenciais suplentes que tenho na garagem..
    Abraço
     
  10. Alguém sabe as relações das caixas type3???
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página