Introdução aos Ralis de Regularidade

António José Costa

Regularidade=Navegação, condução e cálculo?
Portalista
Sem problema eu é que agradeço por abrires uma porta para este mundo. E quem é que organizou o curso?
CACF - clube automóveis clássicos da Feira.
Ministrado pelo Miguel Dias.
Pois por razões, matrimoniais, de força maior, também estou fora, mas ouvi dizer que lá para Outubro vai haver qualquer coisa que talvez dê para ir com o Rafael... e era fixola que o team estivesse completo para bebermos uns frissumos, assim tipo warm up para o fim d'ano
Concordo Joao, mas nessa altura não temos hipótese, além disso é na semana anterior ao último rali do campeonato e teoricamente do mais difícil.
 

JP Vasconcelos

Raio de Sol
Premium
Portalista
CACF - clube automóveis clássicos da Feira.
Ministrado pelo Miguel Dias.

Concordo Joao, mas nessa altura não temos hipótese, além disso é na semana anterior ao último rali do campeonato e teoricamente do mais difícil.
Pronto, vou eu e o Rafael que nós é que precisamos ganhar andamento para vos mordermos os calcanhares :p
Outubro não, novembro.
8 a 10 de novembro.

É pá, isso fica quase em Marrocos
 

NunoCouto

Veterano
Bom dia @António José Costa,

Parece que houve aqui alguma transmissão de pensamento inadvertida da minha parte. Isto porque depois de ler as desventuras da tua última prova fiquei com curiosidade e fui ler um bocado mais acerca das provas de regularidade há uns dias atrás. A paixão com que falas e as desventuras que vais contando abrem o apetite a saber mais.

Gosto do facto de fazeres as provas com a tua companheira. É mais uma atividade que fazem em conjunto que se torna então numa atividade familiar ;).
A parte de um dos requisitos é ter um co-piloto que não grite achei brilhante porque lembrei-me do @Edgar.Guerra e do seu report na stage no autódromo de Portimão onde os berros da companheira estabeleciam os limites de até onde se podia esticar na condução :xD:.

Infelizmente cá em casa não dá para fazer o mesmo porque tanto eu como a companheira não damos para co-pilotos (sim, porque não tinha problema que ela conduzisse). No meio de tanta leitura e verificação, a probabilidade de quem fosse co-piloto mandar a "carga ao mar" antes do final da primeira "stage" era muito grande por mais comprimidos que tomássemos.

Parabéns e continua este tópico porque o saber não ocupa lugar e já aprendi conceitos muito interessantes.
 

António José Costa

Regularidade=Navegação, condução e cálculo?
Portalista
Bom dia @António José Costa,

Parece que houve aqui alguma transmissão de pensamento inadvertida da minha parte. Isto porque depois de ler as desventuras da tua última prova fiquei com curiosidade e fui ler um bocado mais acerca das provas de regularidade há uns dias atrás. A paixão com que falas e as desventuras que vais contando abrem o apetite a saber mais.

Gosto do facto de fazeres as provas com a tua companheira. É mais uma atividade que fazem em conjunto que se torna então numa atividade familiar ;).
A parte de um dos requisitos é ter um co-piloto que não grite achei brilhante porque lembrei-me do @Edgar.Guerra e do seu report na stage no autódromo de Portimão onde os berros da companheira estabeleciam os limites de até onde se podia esticar na condução :xD:.

Infelizmente cá em casa não dá para fazer o mesmo porque tanto eu como a companheira não damos para co-pilotos (sim, porque não tinha problema que ela conduzisse). No meio de tanta leitura e verificação, a probabilidade de quem fosse co-piloto mandar a "carga ao mar" antes do final da primeira "stage" era muito grande por mais comprimidos que tomássemos.

Parabéns e continua este tópico porque o saber não ocupa lugar e já aprendi conceitos muito interessantes.

Obrigado Nuno, é algo entranhado em mim, a minha cara-metade ficou viciada por minha causa, agora é pior que eu. :)
Quando ao mau estar como co-piloto, eu à muito já experimentei fazer de co-piloto para ralis, não sirvo e não aguento, em regularidade é diferente, não aconselho ninguém a começar pelos do campeonato Português de Regularidade porque os ritmos são mais puxados e eventualmente pode acontecer isso, aconselho começar por um rali de regularidade tranquilo (48H Alentejo, Fim de Ano Figueira da Foz por exemplo )e o co-piloto tomar um vomidrine.
Eu entretanto posteriormente irei adicionar mais informação no 1º post.
 

Edgar.Guerra

Portalista
Premium
Portalista
Pronto, vou eu e o Rafael que nós é que precisamos ganhar andamento para vos mordermos os calcanhares :p

É pá, isso fica quase em Marrocos
Podes tirar o “quase”. :xD:

Bom dia @António José Costa,

Infelizmente cá em casa não dá para fazer o mesmo porque tanto eu como a companheira não damos para co-pilotos (sim, porque não tinha problema que ela conduzisse). No meio de tanta leitura e verificação, a probabilidade de quem fosse co-piloto mandar a "carga ao mar" antes do final da primeira "stage" era muito grande por mais comprimidos que tomássemos.
Não subestimes a combinação de Vomidrine com adrenalina! A minha co-piloto só enjoou no Rally da Sertã porque se esqueceu de tomar o vomidrine e o Rally era mesmo puxado.
 

JP Vasconcelos

Raio de Sol
Premium
Portalista
Este fim de semana houve um em Valongo do Vouga, sou burro não coloquei aqui, desculpa. Assim que souber de mais a ver se não me esqueço de partilhar. Os cursos não são de katya são de ralis de regularidade, falam de tudo um pouco.
@JP Vasconcelos , podes escrever um pouco da experiência acumulada no curso, obrigado.
Ora sendo tu uma autoridade na matéria tu mandas e eu obdeço.
Desde já cumpre dizer que o @Rafael Isento sabe de um vídeo muito mais sexy que todos os disparates que eu aqui possa escrever e o @Emanuel Barros é capaz de ainda não estar familiarizado com a quantidade de disparates que sou capaz de escrever em poucas palavras.
Em Valongo do Vouga, que fica próximo de nenhures e tem umas estradas fantásticas utilizadas pelo Santa Joana, fiquei a saber coisas simples como:
- Regularidade absoluta à figura....
Antes disso, em ralis de regularidade não ganha, necessariamente, o que chega em primeiro (isso é para o Dr. @Carlos Vaz ). Na regularidade o objectivo é zerar controlos (António já explicaste isto?), isto é, o percurso tem pontos onde se deve chegar num tempo ideal, e quanto menos penalizarmos por atraso ou antecipação melhor.
Assim a regularidade absoluta à figura é tentar passar nas figuras assinaladas no road boock no exacto segundo indicado pela organizaçao.
- Regularidade hectómétrica...
ah ok, o António já explicou isso tudo, mais sectores and so on.
o Curso em Valongo do Vouga?
Pois, o filme que o Rafael publicou explica tudo e é sexy. Em Valongo só havia 4 ninfomaníacas asiáticas, 2 célicas e dois Zs, um 240 e um 260.
Para que serve ir a uma cena destas?
Para gajos lentos como eu serve para levar a filha para ver se ela percebe o que ainda não consegui entender depois de 4 ralis e a miúda não se saiu mal, apesar de ter passado o tempo de telemóvel na mão com as cenas dela, quando fomos à estrada zerou um controlo e penalizou apenas 6 pontos (segundos) noutro controlo, isto depois de ter arrancado em modo @Carlos Vaz e ter chegado a estar mais de 1 minuto adiantado.
Na verdade a minha mother board é de meados dos anos 60 e apesar de ter actividade regular, principalmente quando venho para aqui mandar bitaites, não faz milagres face discos rígidos dos anos 70, 80 e 90.
O carro dos anos 70 também não é melhor trunfo, mas quando bem pilotado, por mim, chega para meter na ordem os meninos dos anos 80 e 90.
Portantos, ainda não conseguiram entender para que serve a formação que fiz?
Para um gajo como eu que fez 4 ralis, fáceis, serviu para perceber que a regularidade não é uma ciência oculta e até um gajo lento como eu é capaz de perceber como é que a coisa funciona, por focos:
- 1º Roadbook
- 2º em função das indicações do roadbook não perder o percurso ou rapidamente corrigir erros
- 3º depois em função das distâncias e tempos assinalados estar o mais possível na média ideal para penalizar o menos possível, sendo que zerar é como ganhar uma PEC do Raly de Portugal, ninguém consegue fazer melhor, quando muito pode fazer igual.
Mas a regularidade é muito fácil, para o piloto que apenas pilota, o co-driver é que é fundamental e tem que ser concentrado, focado, manter a calma mesmo em stress, saber a tabuada e fazer contas (operar bem uma máquina de calcular simples também ajuda), saber que uma hora tem 3.600 segundos para conseguir calcular as médias que permitem penalizar o menos possível.
A formação em Valongo do Vouga permitiu-me compreender isso tudo e ficar descansado, se tiver um bom co-piloto, como o @Rafael Isento, não falhar a primeira mudança de direcçao assinalada no road book e não levar, por causa disso, 1.200 pontos de penalização no primeiro troço, estou na luta pelo top 5, ou 10 ou 20 conforme o calibre da concorrência.
Depois, para mim, o @António José Costa, o @Edgar.Guerra e o @Rafael Isento há um ponto de honra quando nos juntamos, a malta está ali para se divertir à brava com os carros velhos, o resto vem por acréscimo e o acréscimo pode até ser uma vitória como aconteceu no primeiro rali do @António José Costa com a mulher Sónia e no primeiro rali que fez com o filho Nuno de 11 anos. Simples, não tem nada que saber, até os putos conseguem ganhar, regularidade é para meninos, isto é, gajos maduros que gostam de brincar, mas como são adultos e responsáveis gostam da adrenalina, mas de forma controlada, pois no fim o objectivo é voltar com o carrinho direito para casa e contar as façanhas aos amigos que não percebem nada ou vir aqui contar, porque aqui todos percebem o espírito da coisa.
Depois na Segunda-feira é que é duro, continuar na luta para pagar as contas ou manter o sangue frio com os filhos adolescentes, isso é que é de valor.
A regularidade é apenas uma brincadeira, Bué de Fixe
 
Última edição:

Edgar.Guerra

Portalista
Premium
Portalista
Ora sendo tu uma autoridade na matéria tu mandas e eu obdeço.
Desde já cumpre dizer que o @Rafael Isento sabe de um vídeo muito mais sexy que todos os disparates que eu aqui possa escrever e o @Emanuel Barros é capaz de ainda não estar familiarizado com a quantidade de disparates que sou capaz de escrever em poucas palavras.
Em Valongo do Vouga, que fica próximo de nenhures e tem umas estradas fantásticas utilizadas pelo Santa Joana, fiquei a saber coisas simples como:
- Regularidade absoluta à figura....
Antes disso, em ralis de regularidade não ganha, necessariamente, o que chega em primeiro (isso é para o Dr. @Carlos Vaz ). Na regularidade o objectivo é zerar controlos (António já explicaste isto?), isto é, o percurso tem pontos onde se deve chegar num tempo ideal, e quanto menos penalizarmos por atraso ou antecipação melhor.
Assim a regularidade absoluta à figura é tentar passar nas figuras assinaladas no road boock no exacto segundo indicado pela organizaçao.
- Regularidade hectómétrica...
ah ok, o António já explicou isso tudo, mais sectores and so on.
o Curso em Valongo do Vouga?
Pois, o filme que o Rafael publicou explica tudo e é sexy. Em Valongo só havia 4 ninfomaníacas asiáticas, 2 célicas e dois Zs, um 240 e um 260.
Para que serve ir a uma cena destas?
Para gajos lentos como eu serve para levar a filha para ver se ela percebe o que ainda não consegui entender depois de 4 ralis e a miúda não se saiu mal, apesar de ter passado o tempo de telemóvel na mão com as cenas dela, quando fomos à estrada zerou um controlo e penalizou apenas 6 pontos (segundos) noutro controlo, isto depois de ter arrancado em modo @Carlos Vaz e ter chegado a estar mais de 1 minuto adiantado.
Na verdade a minha mother board é de meados dos anos 60 e apesar de ter actividade regular, principalmente quando venho para aqui mandar bitaites, não faz milagres face discos rígidos dos anos 70, 80 e 90.
O carro dos anos 70 também não é melhor trunfo, mas quando bem pilotado, por mim, chega para meter na ordem os meninos dos anos 80 e 90.
Portantos, ainda não conseguiram entender para que serve a formação que fiz?
Para um gajo como eu que fez 4 ralis, fáceis, serviu para perceber que a regularidade não é uma ciência oculta e até um gajo lento como eu é capaz de perceber como é que a coisa funciona, por focos:
- 1º Roadbook
- 2º em função das indicações do roadbook não perder o percurso ou rapidamente corrigir erros
- 3º depois em função das distâncias e tempos assinalados estar o mais possível na média ideal para penalizar o menos possível, sendo que zerar é como ganhar uma PEC do Raly de Portugal, ninguém consegue fazer melhor, quando muito pode fazer igual.
Mas a regularidade é muito fácil, para o piloto que apenas pilota, o co-driver é que é fundamental e tem que ser concentrado, focado, manter a calma mesmo em stress, saber a tabuada e fazer contas (operar bem uma máquina de calcular simples também ajuda), saber que uma hora tem 3.600 segundos para conseguir calcular as médias que permitem penalizar o menos possível.
A formação em Valongo do Vouga permitiu-me compreender isso tudo e ficar descansado, se tiver um bom co-piloto, como o @Rafael Isento, não falhar a primeira mudança de direcçao assinalada no road book e não levar, por causa disso, 1.200 pontos de penalização no primeiro troço, estou na luta pelo top 5, ou 10 ou 20 conforme o calibre da concorrência.
Depois, para mim, o @António José Costa, o @Edgar.Guerra e o @Rafael Isento há um ponto de honra quando nos juntamos, a malta está ali para se divertir à brava com os carros velhos, o resto vem por acréscimo e o acréscimo pode até ser uma vitória como aconteceu no primeiro rali do @António José Costa com a mulher Sónia e no primeiro rali que fez com o filho Nuno de 11 anos. Simples, não tem nada que saber, até os putos conseguem ganhar, regularidade é para meninos, isto é, gajos maduros que gostam de brincar, mas como são adultos e responsáveis gostam da adrenalina, mas de forma controlada, pois no fim o objectivo é voltar com o carrinho direito para casa e contar as façanhas aos amigos que não percebem nada ou vir aqui contar, porque aqui todos percebem o espírito da coisa.
Depois na Segunda-feira é que é duro, continuar na luta para pagar as contas ou manter o sangue frio com os filhos adolescentes, isso é que é de valor.
A regularidade é apenas uma brincadeira, Bué de Fixe
É muito isto!
JP no seu melhor!
 

JP Vasconcelos

Raio de Sol
Premium
Portalista
Ora sendo tu uma autoridade na matéria tu mandas e eu obdeço.
Desde já cumpre dizer que o @Rafael Isento sabe de um vídeo muito mais sexy que todos os disparates que eu aqui possa escrever e o @Emanuel Barros é capaz de ainda não estar familiarizado com a quantidade de disparates que sou capaz de escrever em poucas palavras.
Em Valongo do Vouga, que fica próximo de nenhures e tem umas estradas fantásticas utilizadas pelo Santa Joana, fiquei a saber coisas simples como:
- Regularidade absoluta à figura....
Antes disso, em ralis de regularidade não ganha, necessariamente, o que chega em primeiro (isso é para o Dr. @Carlos Vaz ). Na regularidade o objectivo é zerar controlos (António já explicaste isto?), isto é, o percurso tem pontos onde se deve chegar num tempo ideal, e quanto menos penalizarmos por atraso ou antecipação melhor.
Assim a regularidade absoluta à figura é tentar passar nas figuras assinaladas no road boock no exacto segundo indicado pela organizaçao.
- Regularidade hectómétrica...
ah ok, o António já explicou isso tudo, mais sectores and so on.
o Curso em Valongo do Vouga?
Pois, o filme que o Rafael publicou explica tudo e é sexy. Em Valongo só havia 4 ninfomaníacas asiáticas, 2 célicas e dois Zs, um 240 e um 260.
Para que serve ir a uma cena destas?
Para gajos lentos como eu serve para levar a filha para ver se ela percebe o que ainda não consegui entender depois de 4 ralis e a miúda não se saiu mal, apesar de ter passado o tempo de telemóvel na mão com as cenas dela, quando fomos à estrada zerou um controlo e penalizou apenas 6 pontos (segundos) noutro controlo, isto depois de ter arrancado em modo @Carlos Vaz e ter chegado a estar mais de 1 minuto adiantado.
Na verdade a minha mother board é de meados dos anos 60 e apesar de ter actividade regular, principalmente quando venho para aqui mandar bitaites, não faz milagres face discos rígidos dos anos 70, 80 e 90.
O carro dos anos 70 também não é melhor trunfo, mas quando bem pilotado, por mim, chega para meter na ordem os meninos dos anos 80 e 90.
Portantos, ainda não conseguiram entender para que serve a formação que fiz?
Para um gajo como eu que fez 4 ralis, fáceis, serviu para perceber que a regularidade não é uma ciência oculta e até um gajo lento como eu é capaz de perceber como é que a coisa funciona, por focos:
- 1º Roadbook
- 2º em função das indicações do roadbook não perder o percurso ou rapidamente corrigir erros
- 3º depois em função das distâncias e tempos assinalados estar o mais possível na média ideal para penalizar o menos possível, sendo que zerar é como ganhar uma PEC do Raly de Portugal, ninguém consegue fazer melhor, quando muito pode fazer igual.
Mas a regularidade é muito fácil, para o piloto que apenas pilota, o co-driver é que é fundamental e tem que ser concentrado, focado, manter a calma mesmo em stress, saber a tabuada e fazer contas (operar bem uma máquina de calcular simples também ajuda), saber que uma hora tem 3.600 segundos para conseguir calcular as médias que permitem penalizar o menos possível.
A formação em Valongo do Vouga permitiu-me compreender isso tudo e ficar descansado, se tiver um bom co-piloto, como o @Rafael Isento, não falhar a primeira mudança de direcçao assinalada no road book e não levar, por causa disso, 1.200 pontos de penalização no primeiro troço, estou na luta pelo top 5, ou 10 ou 20 conforme o calibre da concorrência.
Depois, para mim, o @António José Costa, o @Edgar.Guerra e o @Rafael Isento há um ponto de honra quando nos juntamos, a malta está ali para se divertir à brava com os carros velhos, o resto vem por acréscimo e o acréscimo pode até ser uma vitória como aconteceu no primeiro rali do @António José Costa com a mulher Sónia e no primeiro rali que fez com o filho Nuno de 11 anos. Simples, não tem nada que saber, até os putos conseguem ganhar, regularidade é para meninos, isto é, gajos maduros que gostam de brincar, mas como são adultos e responsáveis gostam da adrenalina, mas de forma controlada, pois no fim o objectivo é voltar com o carrinho direito para casa e contar as façanhas aos amigos que não percebem nada ou vir aqui contar, porque aqui todos percebem o espírito da coisa.
Depois na Segunda-feira é que é duro, continuar na luta para pagar as contas ou manter o sangue frio com os filhos adolescentes, isso é que é de valor.
A regularidade é apenas uma brincadeira, Bué de Fixe
Publica o vídeo sexy @Rafael Isento, que de Valongo do Vouga só tenho esta po 20190727_095612.jpg 20190727_131212.jpg rnografia
 

JP Vasconcelos

Raio de Sol
Premium
Portalista
Comecei a seguir os ralis de regularidade à pouco tempo 2013 se não estou em erro mas o vício pegou de estaca. São provas que podem ser efectuadas por todos fisicamente e desde que tenham um automóvel, pretendo com este tópico partilhar experiências, identificar o que é necessário além de desmistificar alguns acrónimos e necessidades, desta forma todos os portalistas quando ouvirem ou lerem sobre os mesmos os consigam entender mais facilmente. Este tópico acaba por vir em grande parte substituir outro que já existiu e não descobri.

Objectivo Principal de um Rali de Regularidade: Penalizar o mínimo possivel, como? Sabendo ler um roadbook sem nos enganarmos, ter a capacidade de manter médias horárias de velocidade o mais estáveis possíveis. Durante o rali a organização terá controlos secretos onde vai verificar o tempo de passagem da equipa e penalizar a mesma por comparação com o tempo ideal de passagem. Essa comparação é ao segundo mas existem provas que o fazem à décima de segundo.
Onde se realizam: a maioria dos kms será em estradas nacionais na via pública.

O que é imprescindível:
  • Um piloto,
  • Um navegador,
  • Um automóvel, com extintor de 2kg bem preso,
  • Um relógio,
  • Roadbook, tabelas de médias e cartas de controlo serão entregues pela organização.
O que não é obrigatório mas ajuda para melhorar
  • TerraTrip ou conta metros;
  • Cronómetro com relógio dedicado (Big Digit);
  • Lápis ou canetas, marcadores, papel, elásticos, velcro, máquina de calcular;
  • Equipamentos adicionais para verificação de médias, e que podem adicionalmente funcionar como terra trip (Blunik, Katya, Rabbit, outras aplicações...)
Definições Gerais que considero importantes do que se pretende:
Rali Regularidade - Perícia, capacidade cálculo e raciocínio, "emparelhamento" perfeito entre piloto e navegador, calma, perspicácia, saber ler mapas (roadbooks).
Piloto - Deve saber manter médias e ter sensibilidade para diminuir e aumentar a média rapidamente mas sem estragar a mesma, ser capaz de resistir a fazer tempos canhão, não responder ao navegador este é que manda, se possivel alguma resistência física (a maioria das provas tem cerca de 300km ou mais), ajuda ter umas noções de mecânica pois coisas simples podem acabar com um rali.
Navegador - É o que mais sofre, tem de saber ler o roadbook e não pode cometer o erro mais crasso de todos na regularidade, enganar-se no percurso! Tem de ter cálculo matemático, tem de saber que a 45km/h demoramos 8s por cada 100m, a 36km/h demoramos 10s por cada 100m etc, tem de ser multi-funções tal como um canivete suíço, saber mexer em aplicações, terratrip, cronómetros e mais uma infinidade de coisas, tem de escrever, tem de cantar os tempos, tem de avisar as saídas, não pode enjoar, não pode ter medo de andar ao lado e não convém gritar, além disto tudo tem de preparar todo o roadbook muitas vezes entre as próprias PECR.
Automóvel - O ideal para um automóvel de regularidade é que gostemos de andar nele, no entanto o mesmo deve ter; uma manutenção em dia e cuidada a segurança primeiro, se possivel com bom binário em baixas, não deve ser intempestivo, ter uma caixa bem escalonada para sair com força assim que necessário, convém ser confortável porque os rabiosques vão lá estar sentados umas horas; em termos de segurança nos ralis de regularidade histórica apenas é exigido extintor de 2Kg, por segurança o ideal seriam cintos de 4 pontos, um capacete, etc, mas andamos na via pública, logo isto não é normalmente exigido.

Relógio (Big Digit)- Se possivel com cronómetro. O Big digit não é mais que um relógio que conseguimos acertar com a hora do rali (UTC), e no qual lançamos o cronometro exactamente quando passa o segundo. Tem a vantagem de ter números grandes tem a desvantagem que é normal ter desvios de 1s em 12h.
Ver anexo 1145312
Big Digit

Exemplo do "miolo" de um Roadbook com explicações
Ver anexo 1145316

Roadbook - É o mapa que vamos seguir e é a peça mais importante que a organização nos dá, sem ele estamos perdidos de imediato.
Carta de Controlo - Indica-nos os tempos de saída de cada secção e de cada PECR, é nos entregue antes de cada secção e temos de entregar no final de cada secção. Nunca apanhamos cartas de controlo para o dia todo. A falta de carta de controlo pode originar penalização ou mesmo a desqualificação.
  • CHP - Controlo Horário de Partida, é onde nos dão a carta de controlo, ou onde rubricam a mesma no inicio de cada secção. temos horário pré definido para partir. Se arrancarmos com mais de 10 minutos de atraso podemos ser penalizados (normalmente 60 ou 600 pontos) ou mesmo desqualificados.
  • CHC - Controlo Horário de Chegada, é onde entregamos a carta de controlo quando finalizamos a secção. Podemos chegar antes da hora indicada ou com um atraso até 10 minutos, nunca vi ninguém penalizado por chegar mais tarde mas podemos ser penalizados por isso.
Imagem Terratrip - Recente
Ver anexo 1145318

Terratrip Clássico mas não dinossauro
Ver anexo 1145317
Terratrip - Custo (200,00€ a 400,00€) - Equipamento para contabilizar metros, existem vários modelos dos mais simples ao mais complexos. Este equipamentos são aferidos antes de cada prova para estar no km padrão da prova. Um exemplo 1000 metros são 1000 metros certo? Errado. Já fiz provas em que 1000 metros no terratrip eram 1150 metros na estrada (15%) de erro, o que significa isto que estamos a contar 1000 metros mas na na realidade estamos a percorrer 1150 metros, e que o terratrip marca 50km/h mas na realidade vamos a 57,5 km/h. Os terra trip normalmente medem de 10 em 10 metros (nos ralis normais a precisão ao metro não é necessária), podem ter sondas colocadas num eixo seja ele motriz ou não, na caixa de velocidades ou até por GPS, podem utilizar mais do que uma sonda. Eu prefiro sempre a utilização de sondas nos eixos não motrizes. Dependendo dos modelos podem permitir acrescentar ou tirar metros para acertar o odómetro do terratrip, pode ou não mostrar a velocidade a que vamos com a aferição que efectuamos. Podem ter zerador á parte, podem ter odómetro apenas com totalizador ou com totalizador e parcial.

Katya - Existem dois modelos, o simples é um aplicação que efectua após colocação da velocidade média para cada percurso o cálculo de em que metro deveríamos estar naquele segundo, só funciona de segundo a segundo e 10 em 10 metros, custo (50,00€) e deve ser comparado com o terratrip, a versão mais avançada utiliza sondas e já mede ao metro, consume muito mais bateria ao tablet, mas é muito mais preciso pois faz medição ao metro, basicamente faz a primeira função de cálculo e junta um terratrip mais preciso na aplicação, pode ser usado com uma ou duas sondas e podem acrescentar replicadores para verificarem o vosso avanço ou atraso num telemóvel, só funciona com Android, custo com duas sondas e o replicador +- 300,00€. O calor faz com que por vezes não funcione bem falhando a comunicação bluetooth e consuma muita bateria.

Blunik I
Ver anexo 1145315
Blunik II
Ver anexo 1145313

Blunik - é o equipamento de topo, basicamente faz tudo o que já indiquei, mas não faz calculo automático de médias nem tem um visor como um tablet, logo é mais complexo de colocar as médias, tem imensos acessórios, tem o custo mais elevado de todos, mas também é considerado como o mais fiável, nunca utilizamos. As comunicações são físicas (por cabo).

Instalação com Blunik e Big Digit
Ver anexo 1145314

Tipos de Regularidade
Cada percurso de regularidade é denominado uma PECR - Prova Especial de Classificação de Regularidade, as PECR que existem normalmente são:
  • Hectométrica - Prova realizada aos mecos hectométricos (100 metros) que estão na estrada. Podem ter médias fixas, ou variação de média o que complica a vida principalmente ao piloto. Exemplos a 50km/h demoramos 7,2s a cada 100 metros, se formos a 30 km/h demoramos 12s. Parece fácil mas não é, aqui a aferição dos equipamentos não serve para nada. As medições podem estar a cada 100 metros ou mais, os hectómetros podem aumentar ou diminuir (se aumentam estão á nossa direita se diminuem á nossa esquerda). Os controlos podem estar em mecos que não se veem. ;)
  • Figura - Prova realizada à figura, os tempos aparecem em cada figura, tendo a equipa que passar nesse ponto no tempo indicado, este tipo de PECR obriga a grandes alterações de média e as equipas tem de ter em atenção, porque podemos ter em 100 metros 3 ou 4 figuras e não vamos conseguir dar os tempos de todas elas pois entre essas 4 figuras distam apenas 7 a 10 segundos normalmente.
  • Absoluta - É indicada a média para a PECR toda, ou todas as alterações de média que existem nessa PECR, nestas PECR temos de seguir naquela duração do percurso á média indicada, normalmente médias mais baixas são utilizadas em cruzamentos com percas de prioridade ou passagens em pequenas povoações, ou seja por razões de segurança.
  • Sectores (podem ser em Rampa ou Circuito) - Podem ter duas variações
    • Em linha - Sector AB; CD; EF; São utilizadas distancias iguais e depois temos de igualar os tempos do 1º sector, normalmente é indicado um tempo mínimo e máximo, regra geral os últimos sectores são mais complexos de fazer nos tempos mínimos; podemos ter de diminuir em 10s os tempos do 2º sector e 20 s o tempo do último sector; podemos ter de fazer tempos iguais entre cada sector com distâncias diferentes.
    • Em circuito ou rampa - Fazemos uma primeira passagem (normalmente existe apenas um tempo mínimo) e depois temos de igualar o tempo da primeira passagem, as mais rápidas são malandras e obrigam a melhorar sucessivamente (mais raro).
  • CHSP - Controlos Horários sem Paragem - são indicados locais em distância dentro da PECR com um tempo exacto de passagem, passamos sem parar, basicamente a diferença é que sabemos onde está o controlo em termos de distância, em ralis do CPRH normalmente tem 2 possibilidades, o 1º é fácil de fazer e os outros são seguidos e em zonas de condução, o 1º é logo praticamente impossível e depois sequencialmente estragamos tudo:)
  • CHCP - Controlos Horários com Paragem - Igual ao anterior com a diferença que temos de parar, normalmente entre 4 pinos onde o controlador vai "rubricar" a carta de controlo e eventualmente colocar o tempo, se a média for de 50km/h um exemplo e o controlador verificar que estão quase a parar antes do local de controlo, o controlador pode informar quem está a controlar por GPS e posteriormente penalizarem, pois não podemos ir a menos de metade da velocidade indicada no roadbook.

Melhor que palavras são imagens pelo que o filme já anteriormente disponibilizado por um Portalista é imprescindível, entretanto outro portalista enviou-me só mesmo o que queremos ver :)
Explicação Ralis Regularidade

Os conceitos que aqui pretendi demonstrar e explicar dizem respeito aos ralis de Regularidade (FIVA e Histórica), no entanto existem mais como:

Existem vários tipos de Regularidade
FIVA
Histórica
Sport
Sport +
Todo Terreno
Moto

Ainda em construção...
Outra vez António... andei eu aqui a gastar o meu latim e tu em duas penadas reduzes à insignificância toda a minha ignorância?
:mad::mad:
Assim não brinco, nem saio de casa
 

António José Costa

Regularidade=Navegação, condução e cálculo?
Portalista
Então António, agora desvenda os segredos, tipo os organizadores faralharem as distâncias, tipos de ralis e outras coisas que tu sabes para ganhar ralis (não te preocupes comigo e com o @Rafael Isento que nós nuca te conseguiremos ganhar :xD::xD: (já o @Edgar.Guerra...)
O tempo essa variável, tramada. Em Setembro aumento o portefólio de informação, antes será difícil. Obrigado pela vossa compreensão.
 
Topo