Hillman Imp-o meu ex-carro de familia...

  • Thread starter Jorge Aguiar
  • Data de início
J

Jorge Aguiar

Guest
Este modelo era o carro da família (quer dizer do meu pai e por extensão...)
O meu pai adquiriu esta viatura no ano do meu nascimento, era verde escuro e o pessoal chamava-lhe o "tanque". O meu pai era caixeiro-viajante (hoje seria técnico de vendas) e esta maquina levou-o desde o sul ao norte do país, sem grandes surpresas e as que haviam resolviam-se logo ali na estrada. Uma vez lembro-me que a correia da ventoinha partiu e os collants da minha mãe resolveram logo o problema:D

Aqui fica um pequeno tributo a este pequeno, mas grande carro :

Hillman Imp

O Hillman IMP foi um carro compacto, uma berlina com motor traseiro.Um automóvel fabricado no âmbito da marca Hillman pelo Rootes Group (mais tarde Chrysler Europa) de 1963 a 1976. Uma versão conhecida como o Husky Hill foi produzido a partir de 1967.

Historia

Conhecido internamente dentro da Rootes Group como o "Apex", o Hillman IMP foi concebido como um rival para o Mini. o Hillman Imp tinha um braço semi-independente com sistema de suspensão traseira - bastante sofisticado para um carro pequeno na época. Ao longo da vida útil do automóvel, o Rootes Group (mais tarde Chrysler) produziram-se três estilos básicos de carroçaria. O original Saloon foi introduzido em 1963 com uma abertura traseira,em forma de escotilha e decorreu até ao fim da produção em 1976. Um coupe foi introduzido em 1965, em que havia uma janela da retaguarda que não abria, que foi mais acentuada do que a berlina raked portinhola, e um roofline 2 polegadas (51 mm) mais baixo.

O design arrojado do Hillman IMP também foi um pouco subdesenvolvido e alguns problemas mecânicos eram comuns no início dos carros. Apesar de o carro ter sido constantemente melhorado durante a sua vida ,não foram tão importantes como as mudanças que se realizaram em 1966. Apesar dos problemas iniciais, o carro em si foi relativamente popular, graças ao seu preço competitivo, ao seu estilo distintivo e as despesas de manutenção serem pouco dispendiosas. Foi, porém, ensombrado pela popularidade do Austin Mini na década de 1960.

Os enormes investimentos realizados e o seu fracasso comercial levaram a enormes prejuízos para a empresa baseada em Coventry. Em 1967 a empresa tinha caído nas mãos da Chrysler,para se tornar parte da Chrysler Europa, cujo mordomia levou à morte do Hillman IMP, em 1976, depois de 500.000 unidades terem sido construídos,todo o império ruiu dois anos mais tarde, quando se tornou parte da Peugeot.

A montagem na fábrica de Ryton continuou em funcionamento até 2006 a fabricar modelos Peugeot. A fábrica Linwood foi fechada em 1981.

O Hillman Imp no desporto motorizado

O Hillman IMP gozava de modesto sucesso nos clubes internacionais. O Rootes Group introduziu uma homologação especial no chamado Rally Hillman Imp em 1964. O Rally Imp foi caracterizado por muitas alterações ao longo do tempo do seu modelo padrão, sendo a mais importante alargada a um motor de 998 cc. Sucessos notáveis para este modelo incluem a Tulip Rally de 1965 em que os feitos do Hillman Imp de Rosemary Smith e "Tiny" Lewis terminou no primeiro e segundo lugar no geral.

Os Hillman Imp foram também bem sucedidos nas corridas de carros. A equipa de George Bevan dominou o Campeonato Britânico Salão Automóvel (mais tarde conhecido como o British Touring Car Championship), no início dos anos 1970.
 

Anexos

J

Jorge Aguiar

Guest
Vitor Dinis Reis disse:
Sabes que tenho um? Conta lá mais umas histórias do tanque...
Já sabia que tinhas um, aliás a tua assinatura não deixa margens para duvidas :DD
Epá, são algumas...o meu pai entretanto desfez-se do carro por volta de 1980 e troca o passo por 25 contos ou 125 € (pechincha, não foi??).

Nós éramos 6 e cabíamos lá todos, quer dizer até uma certa altura bem, mas depois era á vez para se ir encostado ao assento:huh:

Aquilo quando ia para o campo nunca atascava, era sempre a andar por isso a alcunha do "tanque". Como sabes aquilo tem o deposito da gasolina á frente, uma vez o tubo rompeu-se e o meu pai não foi de modas, vá de uma caneta "bic" para fazer a ligação e siga viagem:D

Nas descidas o meu pai costuma dizer:"agora vamos usar a gasolina do Salazar" e desligava a chave da ignição e lá ia o gajo...

Tive pena do carro, mas naquela altura nada podia fazer...mais tarde quando tirei a carta ainda tentei saber dio paradeiro dele, mas sem sucesso...
 

Manuel Ferreira Dinis

Dinis Vila Real
Portalista
O IMP concebido nos anos 50 por Tim Fry e Michael Parkes (engenheiro e piloto na Ferrari) para a Rootes e produzido desde 1963 numa fábrica em Linwood, na Escócia.

O Imp foi utilizado anos 70 por vários pilotos nacionais, entre os quais: Baptista dos Santos

E nos anos 80
Nolo Cordeiro
Orlando Conceição
Veloso Amaral

E ainda nos princípios do século XXI

Veloso Amaral, também ele um autêntico clássico, é o piloto que durante mais anos usou o Imp em competição.
 

Daniel Melo

Azimute
Por aqui existiram alguns IMP e recordo-me de um Stilleto tambem. O ultimo que me recordo a andar foi em 1985. Gostaria de ter um carro destes, alias sou um grande admirador de viaturas de baixa potencia (abaixo dos 1000cc).

Manuel Ferreira Dinis disse:
O IMP concebido nos anos 50 por Tim Fry e Michael Parkes (engenheiro e piloto na Ferrari) para a Rootes e produzido desde 1963 numa fábrica em Linwood, na Escócia.

O Imp foi utilizado anos 70 por vários pilotos nacionais, entre os quais: Baptista dos Santos

E nos anos 80
Nolo Cordeiro
Orlando Conceição
Veloso Amaral

E ainda nos princípios do século XXI

Veloso Amaral, também ele um autêntico clássico, é o piloto que durante mais anos usou o Imp em competição.
 

João Carlos

Clássico
Belo desenvolvimento que fez do hillman do seu pai, pena que não tenha ficado com ele, seria hoje um belo e lindo clássico que tinha.
 
J

Jorge Aguiar

Guest
João Carlos disse:
Belo desenvolvimento que fez do hillman do seu pai, pena que não tenha ficado com ele, seria hoje um belo e lindo clássico que tinha.
Sem dúvida...mas na altura tinha 13 ou 14 anitos:(
 

Guilherme Bugalho

BUGAS03
Portalista
ai ai
Oh jorge, desculpa lá.
O teu pai era caixeiro viajante e eram seis no carro??? Quer dizer cada vez que o "cota" ia a casa catrapimba. Coitada da senhora ainda usava colans????
Mas estas aqui para contar a estoria do carro ou da vida sexual dos teus pais?????
:)):):DD:D
 
J

Jorge Aguiar

Guest
Guilherme Bugalho disse:
ai ai
Oh jorge, desculpa lá.
O teu pai era caixeiro viajante e eram seis no carro??? Quer dizer cada vez que o "cota" ia a casa catrapimba. Coitada da senhora ainda usava colans????
Mas estas aqui para contar a estoria do carro ou da vida sexual dos teus pais?????
:)):):DD:D
Amigo Bugalho, 6 pessoas (incluindo o condutor) nos anos 70 e princípios dos 80 não era novidade nenhuma :p Estou a falar de 2 adultos (pai+mãe) e 4 crianças entre os 5 e 11 anos, cabíamos lá todos;) O conforto de facto não era lá muito, mas o pessoal também não reclamava :huh:

Bem, concernente à actividade sexual dos meus progenitores, com o devido respeito não é para aqui chamada:cool:
 
Sei quem tem um impzito :)

Carrinho curioso e raro por terras lusitanas :)

Em relação aos 6 no carro... era hábito antigamente.... "tuga" que é tuga, nos anos 60/70 eram todos "porta-chaves" e quando iam á terra eram os 6 mais a saca de batatas no tejadilho e o resto das malas, onde se conseguisse :)
 

Guilherme Bugalho

BUGAS03
Portalista
Jorge de Aguiar disse:
Amigo Bugalho, 6 pessoas (incluindo o condutor) nos anos 70 e princípios dos 80 não era novidade nenhuma :p Estou a falar de 2 adultos (pai+mãe) e 4 crianças entre os 5 e 11 anos, cabíamos lá todos;) O conforto de facto não era lá muito, mas o pessoal também não reclamava :huh:

Bem, concernente à actividade sexual dos meus progenitores, com o devido respeito não é para aqui chamada:cool:


Com todo o respeito por todos (incluindo os progenitores) tem toda a razão.
As minhas desculpas pelo off-topic.
 
Topo