Fiat Punto 55s 1994 - DB

Olá
Há já vários anos que sigo o Portal dos Clássicos e tenho-me deliciado sobretudo com os Diários de Bordo. De tal maneira que me decidi a fazer o diário de bordo de um dos meus "chaços", visto ainda não terem idade para serem apelidados de clássicos.
Apresento então o Fiat Punto 55s de Junho de 1994 que tem sido o carro do dia a dia da minha esposa.
DSC00032.JPG

DSC00036.JPG

DSC00035.JPG

Tem o motor Fire de 1108cc de 55 cavalos e conta actualmente com 244.000 Km

DSC00031.JPG

DSC00038.JPG

Como carro de senhora nunca foi escafiado pelo que o motor continua a puxar bem sem consumo de óleo. Com isto não quer dizer que não tenha problemas.
A luz da injeção anda a acender e o radiador está cheio de ferrugem, mas durante este ano vamos tratar disso.
A pintura já não é original, como encarnado que é com o sol já estava laranja pelo que há três anos dei-lhe um banho já com as novas tintas à base de água e verniz bi-componente. Foi a minha primeira experiência com compressores e pistolas de pintura e não ficou muito mal. Claro que foi um banho sem tratamento de ferrugem pelo que estão novamente a aparecer, mas lá mais para o verão iremos tratar disso.

Ferrugem na lateral traseira
DSC00034.JPG

e também junto ao parabrisas

DSC00037.JPG

Uma mossa no capot

DSC00033.JPG
 
Amigo Carlos Vaz é bom observador. O conta rotações só vinha nos equipados como SX, os S traziam um relogio e uma luz vermelha que só acendia quando o motor estava todo esturrado, daí eu ter optado por trocar o quadrante original (que ainda conservo guardado) por um do SX que indica a temperatura do liquido de refrigeração e já me evitou a troca de algumas juntas de cabeça quando as relas começam a abrir furos.
 
Ano de 2017 - Banho de tinta

O antes:

traeira.jpg


e o depois:

Punto vermelho nova tinta traseira.jpg

DSC04485.JPG

O ano pass
ado levamo-lo para férias e no último dia, estávamos de regresso, na descida da autoestrada do sul
a caminho das portagens da ponte 25 de Abril a temperatura começa a subir rapidamente. Ponho em ponto morto e
saio em direção ao centro sul parando num parque de estacionamento onde era o campo do cova da piedade. Espero que arrefeça, abro o radiador e tem liquido de refrigeração. Estranho. Chamo a assistência em viagem e lá vem de reboque para casa. Chegado a casa ponho a trabalhar e verifico que não pinga liquido pelo que relas não é, abro o radiador e não há bolhas, pelo que junta da cabeça também não será. mas a temperatura
sobe rapidamente.
Ponho o meu ar de inteligente e chego à conclusão que é o termostato que pifou fechado. Vou à arrecadação buscar um termostato novo e monto, encho de líquido (G12) e ponho a trabalhar. A temperatura continua a subir rapidamente.
Ponho o meu ar de superinteligente e chego à conclusão que se não é o termostato só pode ser a bomba de água. Volto á arrecadação para ir
bus
car uma bomba de água nova e começo a desmontar a bomba de água e ouço cair uma peça de metal no chão. Não dava para acreditar, nunca tinha visto uma destas

IMG_20190901_203147.jpg

Então percebi a razão de o radiador andar cheio de uma pasta castanha que não é mais do que ferrugem resultante do metal do rotor da bomba
que des
apareceu. Claro que depois da nova bomba montada a temperatura voltou ao normal.
 
Última edição:
É muito positivo, quem tem estes modelos, dedicarem-se á sua preservação, apesar de ainda não ser um clássico e ainda aparecem alguns a circular diariamente. Em 1994 comprei novo um 55 que esteve comigo 6 anos e 150000 km. Teve uns problemas elétricos, mas de motor sem problemas. Inclusive deu-me uma lição, que foi eu ter adiado a revisão de mudança da correia, e na A1 a chegar a Lisboa, acendeu a luz do motor e parou. Para espanto meu, quando o mecânico me liga no dia seguinte, a informar que tinha partido a correia de distribuição, e este motor está preparado para este problema que não danifica as válvulas. Revisão feita com a respectiva correia e foi seguir viagem até o trocar. Bom trabalho.
 
Topo