diferencial

Jose Carreira

Clássico
Caro Fernando,
Dos parcos conhecimentos que tenho, doldar o diferencial é uma forma bastante artesanal de ter um bloqueio (autoblocante) a 100%.
Nos carros sem autoblocante, quando por alguma razão uma roda perde tracção (lama, água, etc) a tendencia é que a potencia vá toda para essa roda, provocando atascansos e perdas de tracção importantes.
Nos carros de competição é normal usarem-se autoblocantes com várias percentagens de bloqueio.
Um autoblocante (ou soldar o diferencial) a 100% provoca que as rodas de tracção rodem sempre á mesma velocidade.
Resultado...em estrada aberta normal de alcatrão o carro fica quase inguiável. (imagine um gancho apertado em que a roda de dentro teria que percorrer muito menos distancia do que a roda exterior. Com o bloqueio para fazer esse gancho a tendencia é para essa roda interior patinar e consequentemente a estabilidade da viatura diminuir bastante).
Por outro lado, soldar o diferencial usa-se por vezes em carros que se usam só para competção em terra batida e com muito pouco aderencia, do género das provas de autocrosse.
Com um carro impecável como tem, fazer isso seria estragá-lo bastante...na minha modesta opinião.
um abraço e parabéns pela máquina
 

Francisco Costa

Portalista
Portalista
O diferencial é o componente mecânico que distribui a potência vindo da caixa de velocidades pelos dois veios de transmissão (um ligado a cada roda).
Contudo, o seu funcionamento só é perfeito se a aderência das rodas motrizes for ideal. Se uma das rodas patinar, o diferencial interpreta esse patinar como se a roda estivesse a percorrer uma distância ainda maior e logo fornece a essa roda ainda mais potência.
O resultado final é que quando uma das rodas perde aderência, o diferencial funcionará ao contrário do que desejado, levando a que essa roda patine ainda mais.

O autoblocante é um componente mecânico incorporado no diferencial que diminui a possibilidade de uma das rodas começar a patinar. Ou seja, se uma das rodas motrizes começa a patinar, o autoblocante contraria o funcionamento normal de um diferencial, levando a que a potência disponível seja retirada dessa roda e fornecida à roda com boa aderência. São exemplos de diferenciais autoblocantes os diferenciais Torsen e viscosos.

Espero ter ajudado ;)
 

Jose Carreira

Clássico
Francisco,
Obrigado pelas explicações de quem sabe.
O video não funciona.
Já agora um ultimo esclarecimento. A idéia que eu tenho é que normalmente os aiutoblocantes Torsen nunca são a 100% e que soldar o diferencial provocaria que as rodas rodassem sempre á mesma velocidade, o que não é aconselhável numa utilização normal da viatura, correcto?
 

Francisco Costa

Portalista
Portalista
Jose Carreira disse:
Francisco,
Obrigado pelas explicações de quem sabe.
O video não funciona.
Já agora um ultimo esclarecimento. A idéia que eu tenho é que normalmente os aiutoblocantes Torsen nunca são a 100% e que soldar o diferencial provocaria que as rodas rodassem sempre á mesma velocidade, o que não é aconselhável numa utilização normal da viatura, correcto?
Exactamente José

Soldando o diferencial as duas rodas rodam sempre exactamente o mesmo independentemente de estar a virar ou não, o que para um carro de uso normal, não é o mais aconselhado.
Penso que usam esta técnica nas provas de perícia.

Normalmente um autoblocante de competição costuma ter bloqueio de 50%-75%.
 
Topo