CUBA " A Arca de Noé Viva dos Clássicos"

Conde Nelas

Antes Francisco Lemos Ferreira
Cuba é a Arca de Noé Viva. Quem lá tiver estado ou tenha fotos coloque aqui!
 

Anexos

Sim ... já lá estive!!!
Simplesmente delicioso é de estoirar com os cartões da maquina!
No entanto ao longe parecem sempre impecáveis, depois ao pormenor ....
 

Luis Silveira

Clássico
Há algum tempo houve um documentário no Discovery sobre eles.Quase todos têm a mecânica alterada.A falta de peças e a impossibilidade de importação dos EUA, levou à utilização de mecânicas de carros Russos,que era o que havia para o gasto.De qualquer maneira,algumas peças e principalmente painéis são fabricados ,quase de modo artesanal por mecânicos,chapeiros e torneiros com resultados muito bons.
 
E esses que estão aí são os que ninguém quer. Porque nos anos 80 a ilha foi palco de uma autentica caça ao clássico. Havia maquinas muito mais exóticas que essas, mas já estão todas na Europa ou nos EUA.

Alguns que me lembro...

2 Jaguar XKSS, Mercedes 300 SL roadster (com motor V8), BMW 507
 

Hugo Ferreira

Veterano
Eu tambem vi esse documentario. e impressionante a quantidade de classicos que por la andam e cada vez mais os cubanos se esforçam para os manter originais e em bom estado. sao cada vez mais as familias que nas traseiras de casa, em alguma garagem ou ate na rua montam pequenas oficinas privadas so com o objectivo de restaurar os seus classicos que sao os unicos carros que têm. la ninguem os xatei-a por andarem com eles no dia-a-dia ao contrario de alguns paises;) ;) :D :D
 
De facto, Cuba tem carros classicos lindos, espero algum dia poder ir visitá-lo só por causa desta maravilha!! :feliz:
 
O embargo a todas as trocas comerciais com Cuba obrigou os proprietários de automóveis a inventarem mil e uma formas de manterem os seus carros a trabalhar.
A grande maioria dos carros que vemos são americanos e já muito antigos, verdadeiros clássicos.
Carros europeus já são muito poucos.
A abertura do país ao turismo levou a que uma relativa grande parte de clássicos fosse vendida para o estrangeiro.

Provavelmente, dentro de pouco tempo tudo vai alterar-se.
 

daniel ventura

danidatsun
essa anfibio foi utilizado por uma familia para chegar aá america deu no noticiario ha uns anitos....ficou bem documentado que esse carro era um autintico projecto de engenharia realizado por artesãos....mas msm assim foram caçados...lolol:D
 

Diogo Lisboa

Veterano
Nogueira da Silva disse:
O embargo a todas as trocas comerciais com Cuba obrigou os proprietários de automóveis a inventarem mil e uma formas de manterem os seus carros a trabalhar.
A grande maioria dos carros que vemos são americanos e já muito antigos, verdadeiros clássicos.
Carros europeus já são muito poucos.
A abertura do país ao turismo levou a que uma relativa grande parte de clássicos fosse vendida para o estrangeiro.

Provavelmente, dentro de pouco tempo tudo vai alterar-se.
Alterar-se em que sentido?
 
eu quando lá estive andei numa especie de limusine, a parte da frente e a parte de traz era de um carocha e no meio tinha o que eu suponho fosse de um lindoln ou algo similar.

e o mais espantoso é que vi por lá carros movidos a cana de açucar, pois graças ao embargo eles não conseguem importar petroleo, então têm que se amanhar com o que têm :feliz:

aquele povo é sem dúvida fora de serie, extremamente criativos e simpaticos
 

Manuel Ferreira Dinis

Dinis Vila Real
Há efectivamente um grande número de carros americanos a circular, principalmente como táxis, mas também avariam com muita frequência e são arranjados pelos motoristas que improvisam muito. Um alicate e uma lima eram os instrumentos necessários para reparar uma viatura dos anos 50, dizia há poucos dias em tom de brincadeira um mecânico, num encontro de automóveis antigos.
Com o decorrer dos tempos os carros americanos passaram a ser um importante património nacional e um orgulho para os seus proprietários.
Para tudo isto contribuiu o embargo, a extrema pobreza e a enorme vigilância exercida sobre os seus habitantes nas suas relações aos turistas.
 
Topo