Abaixo as rainhas de garagem!

Sabes Eduardo... como já pudeste ler em alguns comentários meus, sou totalmente de acordo com isso.. não vejo as modificações (dentro daquilo que do meu ponto de vista é admissível, que já varia de pessoa para pessoa!) como um monstro devorador de carros "d'órige", uns faróis suplementares, um motor com uns pózinhos ou até uns pedregulhos para andar mais qualquer coisinha. jantes, travões etcetcetc...

Ainda hoje fui fazer a inspecção ao meu fiat 600, e tive de andar a manhã toda na brasa com ele, de um lado para o outro... ó meu amigos, aquele menino quando chegou a casa até mandou a famosa cuspidela de água saudável do fiat 600 do calor que levou.. e tá ali para as curvas e vá eu daqui a 1 hora, 1 dia, 1 semana, 1 mês... ele há-de pegar sempre, se não pegar é porque algo estava mal e tem que ser arranjado e ponto final!!! Acho que não há qualquer duvida aqui! Então eles resistiram aos nossos avôzinhos "janados" e não resistem agora á chavalada?:D

Quem me via passar...:D
 
Tudo que têm dito é com razao... acho que tambem depende da capacidade de cada um ter o carro como gostaria! em relaçao à originalidade tento manter o carro como "veio à vida" mas por vezes é mesmo impossivel...pq peças à venda iguais as originais por vezes é dificil adquirir!
Eu quando comprei o meu, nao estava podre nem pouco mais ou menos, pq nem me podia dar a esse luxo de mandar restaurá-lo e tb infelizmente nao tenho capacidade:(para ser eu a fazê-lo, que julgo ser a melhor coisa q se possa fazer! assim sabe-se o que se fez e como se fez, sem enganos!
Ainda ontem foi para UM mecanico, gente honesta que até tem vergonha de levar caro..:oo para ajustar coisas necessarias...
Coisas que sejam por "luxo"...para já nao pode ser, entao vai andando com as suas rugas da idade, mas anda LINDO!!
 
Tambem vi esse programa do jay kay, grande espirito.
Eu tambem concordo com tudo o que disse eduardo, pois o classico e para ter prazer, eu nos meus carros o que mais adoro e andar neles nao e trabalhar ... sou um bocado rigoroso com certos pormenores,porem se fosse ao pormenor do restauro, acabava por nao desfrutar do mais importante que e andar ...
Por outro lado tambem dou valor a quem tem paciencia para andar dois anos e mais a restaurar um carro.
 

Sérgio Carriço

YoungTimer
"Ainda agora no encontro nacional ouvi várias pessoas dizer que só era pena o meu carro não ter os estofos arranjadinhos, estavam a destoar e davam mau aspecto, etc. etc. Chamem-me esquisito se quiserem, mas eu prefiro que o carro vá e venha de Aveiro na boa, a concorrer com os modernos, do que ter estofos "muitalindos" para ficar confortavelmente sentado à espera do reboque! O aspecto não é tudo! Ainda digo mais, se não fosse ter o compromisso de levar a minha cunhada à igreja um mês depois de ele ter chegado a Portugal, ainda tinha andado bastante com ele antes de o pintar. Com pintura estalada e tudo!"




Olá Eduardo, tive oportunidade de te conhecer e felicitar pelo teu carrinho, para mim era um dos 5 mais que se apresentaram! mais alto não o posiciono para não tirar valor a outros bem bonitos e conservados; quanto aos bancos são os originais (!!???) a mim não me pareceram nada mal... queres melhora-los (??) força então !! o mérito continua a ser teu e o prazer tambem.
Pelo pouco que conheço de ti dá para ver o aficionado ferranho que és, tens galões e sabes do que falas, e penso ainda que com as tuas contribuições e as de outros como tu vamos continuando a melhorar ainda mais os nossos classicos.
 

Valter Esteves

Clássico
Boas a todos,
Concordo plenamente com o que se tem dito, é preferivel recuperar um clássico e pôr alguns pormenores a nosso gosto(dentro de certos limtes para não fugir ao conceito), doque deixá-los a apodrecer ou irem para Centros de Abate para entrarem para a reciclagem.
Eu pessoalmente, nos meus Datsun´s, no modelo de duas portas estou a restaurá-lo ao pormenor com algumas alterações desportivas.
No meu Coupe e como é um modelo mais raro, quando o restaurar só irei fazer umas alterações ao nível de altura da suspensão e umas jantes especiais da época e pouco mais.
Abraço e bons restauros/passeios.
 

Simao Reis

Prego a fundo...
quem fala assim nao é gago:D :D concordo com o que foi dito!! primeiro esta o prazer de conduzir um classico depois o resto:p saudações
 

Daniel Melo

Azimute
Meus Amigos;
Eu concordo com tudo o que acabada de ser dito. Eu recuperei o meu 2 CV, e tentei po-lo ao maximo de origem, mas por exemplo de origem nao vinha com radio. Criticaram-me já por ter posto um radio com MP3 e um isqueiro e por ter adicionado mais uma cor aos guarda lamas que apesar de ser com codigo de origem, nao vinha neste Modelo e ano! Senao vejamos: Iria por um radio da epoca para que? Para ouvir emissoras de radio AM e Ondas curtas? Quantas emissoras ainda emitem nestas frequencias em Portugal? Onde vivo existe apenas uma, com um ruido estrondoso e diversas harmonicas que teria de parar o carro para ouvir musica. E com MP3, nao ando com a GNR atras de mim por causa dos direitos de autor ou ter de usar no carro os CD´s Originais para nao ser vitima duma coima que é uma autentica aberraçao. O isqueiro nao é de origem! Pois não, mas é util. Se perder ar num pneu, posso ligar o mini compressor e não quero ir a pé a rolar o pneu até a proxima bomba para enche-lo, ou ainda ter de carregar um telemovel ou ligar um GPS. É uma comodidade da evoluçao dos tempos e temos de ser razoaveis nestas coisas, desperdiçar o avanço tecnico que nos é oferecido, é uma burrice.
Quanto as 2 cores no meu 2 CV, foi uma decisao pessoal em escolher 2 cores de origem, mas por favor nao sejam mais papistas que o Papa. Quem vir e gostar, gosta. Quem nao gostar e quizer continuar a ser (AZELHA), esta no seu direito de o ser.
 

Paulo Baião

Clássico
É lógico que o Eduardo tem mais do que razão!

Eu sou defensor da "originalidade", dentro das possibilidades de cada um.

Eu já me insurgi noutro "local" contra os "Velhos do Restelo", que por acaso foi a expressão que eu também utilizei. A mim custa-me acima de tudo é as pessoas que pela 1ª vez restauram um carro, por vezes sem noções nenhumas de como se faz, mas que a vontade e o gosto pelos clássicos fazem com que se superem todos os obstáculos, e quando finalmente o teem pronto, são positivamente "apedrejados" pela "brigada do parafuso".
Ainda por cima, quem normalmente " atira" a 1ª pedra, por norma são pessoas que se calhar nunca sujaram as mãos nos seus próprios carros.

Tudo na vida tem um princípio, o 1º não fica tão original, o próximo irá ficar melhor, até pode não ficar, mas o importante é os carros não ficarem parados.

Se toda a gente tivesse muito dinheiro, o mais certo era quase já não haver, carochas, minis, 600 e por aí fora, pois toda a "gente" se iria jogar para Ferraris, Maseratis, etc..

Ter o clássico que vale muito dinheiro conservado em perfeito estado sem nunca ser utilizado, só me faz ter na ideia "aqueles" velhos cheios "da gaita" que casam com uma mulher muito mais nova do que eles...
...Alguém vai gozar aquilo...:huh::p:D
 

Daniel Melo

Azimute
Paulo, Gozar vai, vai...Mas a "gaita" continua a ser do velho, mas o gozo virá doutro lado (Obscuro) que o velho nao pode descobrir...:) :)

Ter o clássico que vale muito dinheiro conservado em perfeito estado sem nunca ser utilizado, só me faz ter na ideia "aqueles" velhos cheios "da gaita" que casam com uma mulher muito mais nova do que eles...
...Alguém vai gozar aquilo...
 
Viva Eduardo

Apoio, subscrevo e pratico o que escreveu.
Nós portugueses sofremos de novo riquismo. Deitamos fora o que pode ser recuperado. Muitas vezes recuperamos só porque parece bonito aos olhos dos outros. Usem e abusem dos vossos clássicos, mais ou menos originais, nã interessa. No fundo o que interessa, como aqui já foi dito, é passar a mensagem aos mais novos e para isso é preciso andar nas ruas, e no dia a dia com eles. Os clássicos de agora vão ser os clássicos do futuro, pois destes novos que agora circulam muito poucos chegarão a clássicos - as electrónicas (ou a falta delas) acabarão com eles precocemente.
Cumprimentos
 
Era miúdo e ouvi a minha avó contar que alguém lá da terra comprou umas botas na feira e trazia-as penduradas às costas feliz por ter conseguido finalmente comprar umas botas. O regresso a casa foi feito descalço e a pé como de costume.
Curiosamente a dada altura deu um "chuto" numa pedra e ficou a deitar sangue, a sua reacção foi: "olha se tinha as botas calçadas? Tinha-as estragado..."
Isto visto 80 anos depois parece anedota mas revela bem a mentalidade de uma época difícil, muito difícil mesmo.
Estas coisas marcam um povo e demoram décadas a mudar.
Hoje, ainda na penúria mas um bom bocado melhor que há 80 anos, temos os que tal como dantes ostentam porque podem, os que ostentam a superficialidade para fingir que podem e os que não podem estando sempre com medo de gastar uns tostões, mas também querem...
Fora tudo isso há aqueles que não se conseguem libertar da ideia que um veiculo clássico é um carro velho que se aguenta precariamente em cima das rodas e como tal, não convém mexer com esse equilíbrio.
deixemos a malta viver feliz com as suas mentalidades e vamos mas é gozar os nossos clássicos o mais possível.
Nada como uns bons passeios e umas boas brincadeiras para usufruir, que se lixe o banco em pior estado ou o friso com uma amolgadela, quando houver euro logo se vê, entretanto está tudo a postos para uma viagem sem problemas.
Rainhas de garagem são como as miniaturas :huh: não podemos andar nelas :DD:D

Já sei que me vão bater por causa disto :D eu também tenho miniaturas :huh: mas viva a escala 1:1
 
Amigo Relvas concordo plenamente com tudo o q disse.
No passado dia 30 tive q ir com o meu pai ao IPO ao porto para uma consulta de rotina, e para mais rapido chegar ao porto, troquei a 4L com que ando todos os dias, com alguns podres, remendos de plastico autoculante para tapar alguns furos, mas com uma embraiagem nova 4 amortecedores novos em folha e todos os casquilhos e braços acabadinhos de trocar, pela ford focus do meu pai.
Pois fiz 6 km com ela e começou me a trabalhar em 3 cilindros volta pa traz e pega na 4L fui como costumo ir de 4L e sem problemas nenhuns, como ela ja me habituou.
tou á espera de ter uns euros a mais para poder restaurar á minha maneira a minha bichinha, depois eu posto umas fotos pra mostrar como ela está.
Fikam já a saber q nao vai fikar de "orige", já a modifiquei em alguns pontos como vao poder verificar nas fotos q irei postar.
:cool:
 

Rúben Farinha

Clássico
Com uns itens a destoar do conjunto, com uns parafusos da concorrência, com os estofos gastos, com plasticos (ou madeiras) a acusarem a idade que tem....etc, etc.... devemos sempre tirar partido do nosso automovel que tantas alegrias nos dá!!! [independentemente do estado dos materiais].

No dia em que tiver um clássico só andará de reboque se tiver uma avaria que me impossibilite de continuar viagem, caso contrário.... vai andar na estrada sempre com 4 'sapatilhas' bem assentes no asfalto!


Abraço
 
Completamente de acordo no que respeita à utilização dos clássicos como daily drive ou com alguma frequência.

Tambem concordo com as alterações, desde que não descaracterizem o clássico, bem como sou contra o exagero do " parafuso de origem ".

Assim como sou adepto da utilização, frequente, mesmo sem os estofos de origem, eliminação de algumas ferrugens, etc...

Nunca me convenceram os amantes " de clássicos de garagem...que só saem em dias de sol...que não dispensam os CDI...TDI...DDI...

E não suporto os carochas e Minis, tipo avião, submarino, aporschalhados e bombados.
 
Amigo Eduardo,
Parabéns pelo seu artigo, gostei do seu dom da escrita e óbviamente das suas ideias sobre clássicos. Espero poder conhecê-lo pessoalmente num próximo encontro.
PS: O seu blog sobre Fiat 124 sport, em inglês está fantástico.
Cumps.
RS
 

Eduardo Relvas

fiat124sport
Jorge Faustino disse:
(...)
Rainhas de garagem são como as miniaturas :huh: não podemos andar nelas :DD:D
(...)
Podes crer! :D

Rogério Simões disse:
Amigo Eduardo,
Parabéns pelo seu artigo, gostei do seu dom da escrita e óbviamente das suas ideias sobre clássicos. Espero poder conhecê-lo pessoalmente num próximo encontro.
PS: O seu blog sobre Fiat 124 sport, em inglês está fantástico.
Cumps.
RS
Amigo Rogério,

Obrigado pelos comentários. Ainda bem que gostou, é sempre bom saber que alguém aprecia o nosso trabalho. Tenho pena de não ter uma versão portuguesa também, mas como tenho muito tráfego internacional por causa dos vários fóruns em que participo activamente, tinha mesmo de ser em inglês. De qualquer forma qualquer dia falo melhor inglês que português, por isso as probabilidades de sair alguma "calinada" são menores... :D

Também faço votos de o vir a conhecer pessoalmente quando tiver ocasião.

Já agora ponho ainda mais uma achega neste tópico, porque a minha opinião ainda vai um pouco mais longe:

Os clássicos mesmo com o aspecto menos cuidado não deixam de ser clássicos, se estiverem em plenas funções. Pensem neles como senhoras elegantes que envergam as suas rugas com orgulho em vez de as esconderem debaixo de 5 toneladas de maquilhagem.

Eu pessoalmente dispenso aditivos... :D Nunca me envergonharia de andar no meu Spider por ter a pintura toda estalada, seria apenas uma grandeza um pouco desvanecida, mas continuaria a ser grandeza o seu porte e a sua aura quando comparado com essas coisas de plástico que por aí povoam as ruas.

Aliás, vou ser ainda um pouco mais mauzinho... já alguém ouviu falar de rat rods? Pois eu acho o conceito engraçado, e um dia ainda hei-de construir um.

Para quem nunca ouviu falar nisso, um rat rod é um hot rod (clássico artilhado) cujo aspecto é deliberadamente deixado original sem qualquer restauro ou mesmo feito de propósito para ter um ar de quase abandono.

Faz algum tempo estive a ver um destes carros feito com uma carroçaria de Ford B de 32, cuja carroçaria estava tal e qual tinha sido tirada do descampado onde esteve durante anos ao relento. Até buracos de bala tinha nas portas! E digo-vos que fiquei fascinado com o carro. O chassis não devia nada ao Ford que se via por fora, mas o aspecto era delicioso. Pelo menos não usou um carro restaurável, o carro tem carisma a sair pelos tubos de escape e muito mais encanto (pelo menos para mim) do que muitas daquelas coisas que se vêem nos concursos de elegância com os radiadores cheios de água com corante azul e cujos donos pagam a alguém até para catar a relva do rasto dos pneus.

Além disso, de certeza que o dono dum carro assim não fica doente de pensar que alguém respira mais perto do seu carro do que seria seguro. Nem tem medo de se enfiar nele e fazer uns km valentes mesmo que seja só por gozo.

Bem, fico-me por aqui não vá alguém da brigada do parafuso ler isto e ter um AVC, depois ainda tenho que acartar com algum processo... :D

Um abraço a todos!
 

Eduardo Relvas

fiat124sport
Já agora (tou numa de ser mauzinho, hihihi) aproveito para dizer que em algumas aplicações que faço (especialmente nos motores), prefiro trocar (deliberadamente, note-se bem!) os parafusos de cabeça hexagonal pelos tipo Allen (com hexagonal interior), até porque muitas vezes são mais fáceis de adquirir com as especificações que preciso do que os tradicionais.

A maior parte dos hexagonais nem sequer são graduados, mas a maioria dos Allen que se vende são pelo menos de grau 8, por isso são os que escolho...

Se se sentirem mal a ler isto, telefonem para o 112, e eu não disse nada... :D
 
:feliz:Outro dia passei por um estacionamento quando vi a sair de lá um magnifico fiat 1500 com um casal de idosos extremamente felizes.
não se tratava de um classico suberbamente recuoerado tinha pintura baça, ferrugem nos cromados e naperons a tapar buracos nos estofos.
admirei aquele carro não por ser um classico mas sim um resistente.
quase 50 anos de utilização não lhe tiraram o merito nem o desmereceram, antes pelo comtrario marcaram-no de forma orgulhosa e mantiveram-no na estrada a passar por varias gerações.
se estive-se na minha mão? claro que éra mais apaparicado mas duvido que consegui-se manter aquele orgulho...
quanto a utilizar diariamente os meus classicos? apenas razões economicas e de stress diario com horarios espatafurdios me inibem um pouco. mas o Alfa romeo tem uma utilização muito grande em relação aos outros.
 
Topo