A Fantástica História da Citroën

André Santos

Clássico
Que coisa tão maravilhosa.
Sou fã de uma marca rival, mas nisto de carros antigos não há rivalidade nenhuma: que coisa mais fixe!

Pelo que me lembro o que sentenciou os Birotor teria sido a crise petrolífera dos 70, mas o que mais me deixa abismado nisto era a opção que deram ao cliente, de poder trocar o carro.

Os sobreviventes tornaram-se, logo naqueles dias, clássicos automaticamente.
 

Renato Martinho

Portalista
Portalista
Mais que uma marca, um ícone mundial do esquesitismo vanguardista Francês! FB_IMG_1595536502009.jpg

Desígnio que aos dias de hoje a marca não transpira e André Citröen certamente não aprovaria.

Saudosos anos 80, infância a idolatrar carros de séries americanas, aquele design dos super carros dessa década e tudo mais o que era o colorido futurismo de então, moldou-me. FB_IMG_1592571565538.jpg FB_IMG_1587127421284.jpg

A Break GS lá de casa resgatou-me da maternidade e nesses primeiros anos de vida era fascinante aquele carro para mim. (Primeira picada) FB_IMG_1585136361739.jpg

A marca era protagonista na altura e sempre que apanhava na Cidade Neve um certo CX série 2, escuro, estore traseiro, coladinho ao chão e com aquele ar de nave espacial em repouso prestes a voar, contava os dias infindáveis para tornar o sonho realidade, o futuro estava ali! IMG_20170210_103932.jpg
 
Última edição:
Topo