Óleos a usar nos clássicos ??? Quais os mais adequados??

Marco Pestana

MarcoSprint MarcoVW61
Caros amigos;

Esta questão, acho, que surge sempre em determinada "fase" da nossa vida com um "clássico":

- Qual será o melhor óleo a usar?

Tendo em conta os anos de " serviço" do motor, as possíveis fugas, o "queimar" algum óleo, etc etc

--- Qual seria na vossa opinião a viscosidade(s) mais adequadas?

--- Marca(s)

--- Adicionam os " anti-fumo" que existem no mercado?

--- Com que periodicidade mudam-nos? 5000km? 10000km ?

Aguardámos opiniões ...

Saudações clássicas

Marco Pestana
 
Saudações!
A minha experiência reporta apenas aos clássicos dos anos 70 e 80. Normalmente, as indicações do fabricante devem ser seguidas, tendo em linha de conta o clima onde o veículo funciona. Moro no Norte e normalmente uso óleo mineral 15W40 de marca insuspeita (Mobil, Shell) e troco-o todos os anos (óleo e filtro) ou cada 4000 Km (o que ocorrer primeiro). Nos climas mais quentes não é de excluir a utilização de 20W40 ou 20W50, que penso que deve ser trocado com maior frequência.
Utilizei uma vez um aditivo antifumo da STP, mas o resultado foi catastrófico. Aumentou de tal forma a pressão de óleo, que o rebentou com o filtro.

Cumps!
 

Vitor Dinis Reis

Pre-War
Membro do staff
Premium
Portalista
Jorge Joaquim Santos disse:
Saudações!
A minha experiência reporta apenas aos clássicos dos anos 70 e 80. Normalmente, as indicações do fabricante devem ser seguidas, tendo em linha de conta o clima onde o veículo funciona. Moro no Norte e normalmente uso óleo mineral 15W40 de marca insuspeita (Mobil, Shell) e troco-o todos os anos (óleo e filtro) ou cada 4000 Km (o que ocorrer primeiro). Nos climas mais quentes não é de excluir a utilização de 20W40 ou 20W50, que penso que deve ser trocado com maior frequência.
Utilizei uma vez um aditivo antifumo da STP, mas o resultado foi catastrófico. Aumentou de tal forma a pressão de óleo, que o rebentou com o filtro.

Cumps!
Uauu... essa história dá que pensar! Com utilização regular imagino o que fará nos segmentos o_O

Cada vez me convenço mais que é utilizar as especificações do fabricante e que a marca é indiferente, desde que tenha as famosas normas...
O mais importante ainda é fazer as mudanças nos tempos certinhos... digo eu:cool:
 

Jorge Ribeiro

Hackosuka GTR
Boas.

Esse aditivo anti-fumo da STP é a melhor maneira de dar cabo de um motor, ou de esconder bielas a bater, etc....no sentido de vender o carro de seguida ( truque utilizado por alguns vendedores de automóveis menos honestos...:( )

O dito aditivo parece caramelo liquido e já ví um motor de um VW carocha ter de ser aberto pois entupiu as varetas do óleo....

Passando as respectivas publicidades, eu normalmente faço o seguinte quando adquiro um novo classico e nunca tive qq problema :

1º Antes de trocar o que quer que seja, adiciono ao óleo usado um aditivo de limpeza interna do motor chamado Motor Cleaner da Wynn's. Coloca-se o motor a trabalhar ao ralentí cerca de 15 minutos e deixa-se arrefecer durante cerca de 30minutos.
Este aditivo retira de dentro do motor todo o óleo usado, impurezas, lamas tóxicas e carvão ( já ví sair pedras de carvão de dentro do motor com este aditivo...).

2º Dreno o óleo antigo e troco o filtro de óleo por um novo.

3º Adiciono um aditivo da marca Slick50 ou Wynn's Gold ao motor e completo até ficar a nível com Castrol GTX 20W50 ( era o óleo recomendado por ex. pela Datsun em 1971 ) e por vezes Tb uso o Castrol GTX3.
O Slick50 proporciona protecção adicional ao motor durante 80.000km's e o Wynn's por 40.000Km's. Eu noto bastante a diferença com estes aditivos, após cerca de 1.000km's o aditivo já rodou em todo o motor, e a frio o motor parece estar quente, pois reduzem a fricção em cerca de 40% devido á camada de teflon que fica aderida internamente ás paredes dos cilindros. Fica um pouco mais caro este tipo de revisão ( O Slick50 é cerca de 45Euros ), mas os benefícios para o motor são na minha opinião significativos.

4º A cada 4 a 5.000km's troco o óleo do motor, sempre por um 20w50 ou 15w40, nunca uso nada acima destas específicações, pois os sintéticos não são adequados para veiculos antigos ( isto segundo o que tenho lido em várias revistas clássicas ).

5º Na cx de velocidades e diferencial traseiros tb troco sempre a valvolina e adiciono redutores de atrito da Slick50 ou da Wynn's.

Espero ter sido útil.

Cumps

Jorge











Jorge Joaquim Santos disse:
Saudações!
A minha experiência reporta apenas aos clássicos dos anos 70 e 80. Normalmente, as indicações do fabricante devem ser seguidas, tendo em linha de conta o clima onde o veículo funciona. Moro no Norte e normalmente uso óleo mineral 15W40 de marca insuspeita (Mobil, Shell) e troco-o todos os anos (óleo e filtro) ou cada 4000 Km (o que ocorrer primeiro). Nos climas mais quentes não é de excluir a utilização de 20W40 ou 20W50, que penso que deve ser trocado com maior frequência.
Utilizei uma vez um aditivo antifumo da STP, mas o resultado foi catastrófico. Aumentou de tal forma a pressão de óleo, que o rebentou com o filtro.

Cumps!
 

Carlos Antunes

Fordmaníaco
Portalista
Boas, tenho um Capri mk1 1600 XL (Aut.) de 1971, e só coloco nele o Castrol GTX3, tendo como é lógico e consoante o andamento e os Km percorridos, apenas o cuidado de verificar o nível do mesmo. As mudas faço-as a cada 5.000 km e o filtro a cada 10.000. Para os clássicos não vejo a necessidade de usar síntecticos a 100%. Cumps.
 

Vitor Dinis Reis

Pre-War
Membro do staff
Premium
Portalista
Jorge Ribeiro disse:
1º Antes de trocar o que quer que seja, adiciono ao óleo usado um aditivo de limpeza interna do motor chamado Motor Cleaner da Wynn's. Coloca-se o motor a trabalhar ao ralentí cerca de 15 minutos e deixa-se arrefecer durante cerca de 30minutos.
Este aditivo retira de dentro do motor todo o óleo usado, impurezas, lamas tóxicas e carvão ( já ví sair pedras de carvão de dentro do motor com este aditivo...).
Jorge, tenho reservas em aconselhar este passo sem abrir o motor. Isto vai provocar uma limpeza total do motor e retirar uma camada vedante que se vai acumulando ao longo dos anos em tudo o que é juntas.
 

Rui Rego

bmw2002t
Tb tenho muitas reservas na utilização desses aditivos para limpeza interior dos motores mais antigos, nos motores novos ou reparados recentemente deve resultar bem como manutenção, nos mais antigos tenho muitas duvidas, pq as juntas podem ceder ou o aditivo limpar algum deposito que está a vedar a junta ou limpar os depositos nos segmentos, e depois o motor ficar a perder ou a gastar oleo, mas isto é como tudo cada caso é um caso_O slick 50 recomendo é um dos aditivos que já testei em tempos e deu provas de funcionamento, temos é de ter atenção ao modo de utilização.
 

Jorge Ribeiro

Hackosuka GTR
Olá Rui.

Tenho experimentado este aditivo em vários carros sem problemas, concordo ctg que o Cleaner limpe os depósitos das juntas, mas depois como adiciono o Slick50, essas pequenas micro-fissuras nas juntas são compensadas pelo Teflon do Slick50.

Em alguns casos ( como no meu 2002 de 71 ) existiam pequenas fugas antes do tratamento, que depois de efectuada esta operação desapareceram por completo ;)

Bem mas é como dizes, cada caso é um caso, se o motor estiver desde a origem sem nunca ser aberto e apresentar várias fugas de óleo e falta de compressão, se calhar o melhor será reparar e só depois realizar esta operação :feliz:

Saudações Clássicas

Jorge Ribeiro




Rui Rego disse:
Tb tenho muitas reservas na utilização desses aditivos para limpeza interior dos motores mais antigos, nos motores novos ou reparados recentemente deve resultar bem como manutenção, nos mais antigos tenho muitas duvidas, pq as juntas podem ceder ou o aditivo limpar algum deposito que está a vedar a junta ou limpar os depositos nos segmentos, e depois o motor ficar a perder ou a gastar oleo, mas isto é como tudo cada caso é um caso_O slick 50 recomendo é um dos aditivos que já testei em tempos e deu provas de funcionamento, temos é de ter atenção ao modo de utilização.
 
Vitor Dinis Reis disse:
Jorge, tenho reservas em aconselhar este passo sem abrir o motor. Isto vai provocar uma limpeza total do motor e retirar uma camada vedante que se vai acumulando ao longo dos anos em tudo o que é juntas.
Por acaso estava a ler a mensagem e a pensar nisso, é que a "limpeza" por vezes tem o problema que referes. Eu também acho arriscado.

Aliás esse problema verifica-se muito quando se coloca um motor com alguns km a funcionar a gpl.
 
Vitor Dinis Reis disse:
Jorge, tenho reservas em aconselhar este passo sem abrir o motor. Isto vai provocar uma limpeza total do motor e retirar uma camada vedante que se vai acumulando ao longo dos anos em tudo o que é juntas.
Por acaso estava a ler a mensagem e a pensar nisso, é que a "limpeza" por vezes tem o problema que referes. Eu também acho arriscado.

Aliás esse problema verifica-se muito quando se coloca um motor com alguns km a funcionar a gpl.
 
Vitor Dinis Reis disse:
Jorge, tenho reservas em aconselhar este passo sem abrir o motor. Isto vai provocar uma limpeza total do motor e retirar uma camada vedante que se vai acumulando ao longo dos anos em tudo o que é juntas.
Por acaso estava a ler a mensagem e a pensar nisso, é que a "limpeza" por vezes tem o problema que referes. Eu também acho arriscado.

Aliás esse problema verifica-se muito quando se coloca um motor com alguns km a funcionar a gpl.
 
Vitor Dinis Reis disse:
Jorge, tenho reservas em aconselhar este passo sem abrir o motor. Isto vai provocar uma limpeza total do motor e retirar uma camada vedante que se vai acumulando ao longo dos anos em tudo o que é juntas.
Por acaso estava a ler a mensagem e a pensar nisso, é que a "limpeza" por vezes tem o problema que referes. Eu também acho arriscado.

Aliás esse problema verifica-se muito quando se coloca um motor com alguns km a funcionar a gpl.
 
Topo