Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Porque comprar um carro usado?...e não um novo

Tópico em 'Off-Road' iniciado por José Luís Serôdio Nunes, 23 Fev 2011.

Tópico em 'Off-Road' iniciado por José Luís Serôdio Nunes, 23 Fev 2011.

  1. No capítulo da satisfação pessoal a compra de um carro novo oferece um momento de prazer enorme, mas o valor a pagar por esse mesmo prazer pode chegar para comprar um carro usado de um segmento superior.

    Existem 9 razões para se pensar na opção de comprar um carro usado.

    1) Preço - Optar por um carro usado de um segmento superior poderá ser a alternativa a comprar um carro novo. Pois o carro de segmento superior em novo estaria fora do nosso alcance financeiro, mas que na vertente carro usado estará perfeitamente ao nosso alcance. Procurar com paciência...

    2) Retoma - Podemos sempre entregar o velho carro usado para troca com o novo carro usado. Na entrega do velho carro usado a um profissional, temos a garantia de que esse carro sai do nosso nome e é registado em nome do vendedor profissional. Para além disso, recebemos um termo de responsabilidade legal, emitido pelo vendedor licenciado, onde este fica responsável pelo velho carro usado a partir dessa data, ilibando assim problemas futuros

    3) Desvalorização - Os carros usados desvalorizam menos que os carros novos. Quando se compra um carro novo a desvalorização imediata à colocação da matrícula é de 20%. Os carros usados com mais de quatro anos desvalorizam muito lentamente, pois a maior desvalorização ocorreu nos primeiros três anos;

    4) Defeitos de fabrico - Os carros usados apresentam os defeitos de fabrico na sua grande maioria corrigidos pela mão dos fabricantes. Notem que os carros novos, em especial as primeiras séries fabricadas, apresentam defeitos de fabrico. Defeitos esses que os construtores vão corrigindo através do conhecidos "Recall". Quando esses carros chegam ao mercado dos usados (normalmente quatro anos depois) já não apresentam esses problemas;

    5) Entrega do carro - Na compra de um carro usado, não tem que se esperar pela encomenda à fábrica e de todo o processo de produção e transporte para ser entregue ao cliente. Tendo em conta o modelo encomendado, o carro novo pode levar até 6 meses a ser entregue. Um carro usado pode levar até 14 dias a entrega. Normalmente este processo leva entre dois a três dias;

    6) Carros importados - Comprar carros em segunda-mão pode ser uma vantagem, pois podemos adquirir um carro usado que não se encontra à venda nos stands de carros usados em Portugal. Embora o governo em 2009 tenha condicionado este segmento do mercado automóvel, as boas oportunidades de negócio recaem nos carros com idade até três anos de uso

    7) Comprar Carro Usado a Profissionais - São muitas as vantagens em utilizarmos a rede nacional de profissionais do ramo automóvel, entre elas o acesso ao crédito através de financeiras acreditadas e especializadas para o sector. Garantia é outro factor de importância. Responsabilidade pela recepção da retoma e o reacondicionamento total do carro usado, substituindo todas as peças que se encontrem danificadas;

    8) Variedade - No mercado dos carros a variedade é muito ampla. Neste segmento do mercado automóvel podemos encontrar carros que já não se fabricam, bem como carros que ainda não existem no mercado nacional e que entram pelo canal da importação paralela;

    9) Garantia - Este capítulo é talvez um dos mais importantes. Sempre que efectuarmos a compra do novo carro usado a um profissional, estamos a comprar um bem usado com garantia imposta por lei, nunca podendo ser inferior a um ano.
    Esta é a grande diferença que existe entre os vendedores profissionais e os vendedores particulares.

    Quanto aos vendedores particulares não estou a falar só daqueles que compraram o seu carro e que passados alguns anos o querem vender. Por vezes fazem-no a particulares com o objectivo de fazer um pouco mais de dinheiro. Estou também a falar dos falsos vendedores particulares. Estes não são mais do que comerciantes que não têm estabelecimento comercial e se servem das vias públicas para colocarem os carros à venda sobre a mascara de vendedores particulares para fugirem às responsabilidades, sejam elas relacionadas com a garantia e com o fisco.

    Mas a garantia que vos falo não é só a que está relacionada com o bom funcionamento do carro, estou a falar da garantia que um vendedor profissional dá às questões relacionadas com o IUC, com as penhoras e com os carros roubados. Sabem que os vendedores profissionais têm ferramentas que fornecem essas informações? Assim para além de uma garantia relacionada com a mecânica têm também uma garantia burocrática e que os vendedores particulares dificilmente poderiam dar;

    Devemos evitar comprar um carro usado a um vendedor particular que não tiver o Dua em seu nome, isto é, o nome que consta no bilhete de identidade deve constar no documento único automóvel (DUA).

    Lembrem-se que comprar um carro usado a vendedor particular é comprar algo que não tem qualquer tipo de garantia, seja ela sobre a mecânica ou burocrática. Saibam que as burlas ocorrem mais nesse nicho de mercado, sem que haja a possibilidade de recorrermos judicialmente.

    Saibam que ao entregar o velho carro usado a um particular e este não o registar em seu nome, podemos ter consequências futuras catastróficas, como o pagamento de multas, IUC, bem como termos de responder em tribunal por acidentes ou participação em assaltos onde tenha havido a intervenção do nosso velho carro usado.

    É recomendável então que se faça sempre a compra do novo carro usado a profissionais. É mais seguro. Se tivermos problemas poderemos sempre reclamar, utilizando todos os meios disponíveis na lei. Não se esqueçam que é muito mais seguro comprar um carro a um profissional e que muitas das vezes acaba por ser bem mais económico.

    Abraço
    Luís Nunes
     
  2. Eu já tive 7 carros e somente 1 foi comprado novo e de todos foi aquele em que perdi mais dinheiro.
    A mim só se me sair o Euromilhões é que torno a comprar um carro novo
     
  3. Bom post!

    Tenho uma opinião em relação ao assunto, primeiro porque não tenho um Banco, e depois porque não gosto de deitar dinheiro à rua...

    Eu compro carros usados.
    Por várias razões, incuindo as que disse o José!
    E também me custa compreender porque é que alguém compra novo um .... (podia dizer vários modelos, mas não quero ferir susceptibilidades), versões base a gasolina/gasóleo, por valores muito superiores ao que custa um usado, com garantia e mesmas caracteristicas ou gama superior (lugares, cilindrada, consumos, marca, etc) e por um valor acessivel!

    Ainda à pouco tempo uma pessoa conhecida não comprou um carro do grupo VAG, Tdi de 2002, poucos km's, bem assistido, com o argumento que era velho e foi comprar um xaruto novo a gasolina que custou o dobro do preço!

    E hoje, o usado que ele viu continua a custar o mesmo porque já desvalorizou quase tudo que tinha para desvalorizar, e o xaruto novo que comprou já vale tanto como o usado, desvalorizando muitos milhares de euros em muito pouco tempo!

    Agora o que eu penso é que à custa de vendedores menos transparentes, muitas pessoas podem ter perdido a confiança nos usados.

    Mas também sei que muita gente compra acima do que pode pagar, porque tem um estatuto a manter, uma imagem, o que lhe queiram chamar... e depois não se pagam leasings e vem o banco buscar as viaturas.

    Comprei à 2 anos atrás um Passat TDI de 2001/09, com 203 000 km na altura.
    Sempre bem mantido (e não é sinónimo de fazer todas as revisões na marca...), e não tive qualquer problema de comprar um carro que já tinha passado a barreira dos 200 000 km!
    Tenho maior probabilidade de ter uma avaria?
    Se calhar tenho, mas o custo do carro permite ter sempre vantagem em reparar qualquer que seja a avaria, porque se tivesse comprado um carro de 30000 euros, passados 2 anos já valia 20000.

    Há que pensar bem nas escolhas e opções, e perder o medo de comprar usados.
    Ahh!
    E mesmo que se compre a um particular (que foi o meu caso), penso que qualquer pessoa pode comprar uma garantia de motor e caixa à NSA, por exemplo!

    Actualmente o meu carro conta com 290 000 km, e em 2 anos tem sido mudar o óleo e meter gasóleo e pneus... já fez uma mudança de correia distribuição na minha mão, mas fora do normal, até agora nada!
    Tenho um rolamento a começar de fazer uma zoada... e fundiu-se um médio a semana passada!


    Pensem bem na compra do carro, são investimentos grandes, e isto não está para brincadeiras...
     
  4. ;););)
     
  5. Olá Miguel, boa tarde

    Eu também já perdi há muito tempo a mania de comprar carros novos, daí o motivo de ter criado este post.

    Para além do meu pré-clássico que posso dizer que, embora só saia com ele ao fim de semana, bebe bem mais do que eu, também tenho um carro para o meu dia a dia e, neste caso, tenho uma carrinha Mercedes C 220 CDI.

    Também o meu carro do dia a dia anterior era um Mercedes C 200 CDI. Ambos foram comprados em estado semi-novo, ou seja, a carrinha foi comprada com um ano e com 29.000 Km e o carro anterior foi comprado com um ano e dez meses e com 56.000 Km.

    Em qualquer um dos dois, poupei mais de 15.000 euros, quando comparado ao seu preço em novos e, sinceramente, em carros desta gama e quando comprados à própria marca, com estas idades e quilómetragem, estão novos.

    Posso dizer que ambos ainda cheiravam a novo, quando os comprei.

    E tudo começou quando, chegada a altura de trocar o meu antigo Honda Accord 1.8 a gasolina pelo modelo mais recente, o vendedor me informou que por mais 450 euros poderia optar pelo modelo a Diesel do novo Accord, em vez da sua versão a gasolina.

    Só que esta versão a Diesel ficava, na altura, por 35.000 euros e aí começei a pensar; por este preço, se calhar, sou capaz de comprar um semi-novo de gama superior. Procurei pelos semi-novos à venda nas 3 grandes marcas, Mercedes, BMW e Audi (sem qualquer desmérito para as outras marcas) e apareceu-me o meu primeiro Mercedes, um C 200 CDI, por 32.500 euros.

    Não hesitei em optar pelo semi-novo, em detrimento do carro novo, e desde então nunca me arrependi desta opção e nunca mais comprei carro novo.

    No entanto, quem mesmo assim preferir comprar novo, força, vá em frente, pois sem compradores de carros novos, não haverão carros usados e carros semi-novos para comprar...

    Abraço
    Luís Nunes
     
  6. Até agora só comprei um carro novo e devo ficar por ai, um 306 comercial, que ja conta 225.000 com 11 anitos e até agora nunca me deu qualquer problema.

    Comprei a pouco tempo um Fiesta de 2007 com 69.000 a gasolina, para poder levar o elemento mais novo da familia...

    ... ainda ponderei meter a cadeirinha na mala, mas na dava muito jeito :huh:

    Foi um bom preço, esta impecavel, teve so de levar 4 pneus novos e pronto é um carro.

    Quando pod€r irei comprar uma carrinha esta tambem em segunda mão, porque como o Miguel diz, isto na ta para brincadeiras.

    Enquanto nova a carrinha que gostaria de comprar custa quase 50.000€, com 10 anitos custa, dependendo do modelo, a volta de 12/13.000, por isso.

    Carros novos para mim e até o governo e as marcas pararem de nos aliviar os euros da conta, irão continuar no Stand a enfeitar as vitrines.
     
  7. Excelente escolha, e excelente opcçao, no que respeita à compra de novo/usado!B)
    Se mais pessoas pensassem como eu e o Luis, se calhar não havia tantas dívidas, penhoras, dificuldades e etc...

    Abraço
     
  8. Essa é exactamente a carrinha que gostaria de comprar, de 2001/2002 vamos ver :feliz:
     
  9. No meu caso, a resposta é simples... Os Rovers deixaram de ser fabricados em 2005 :rolleyes:D
     
  10. Há uma razão muito simples. Á partida ao comprar um carro novo paga milhares de euros em impostos que são simplesmente um "ROUBO".
    Ao comprar um carro usado, não sustenta ladrões, pois o dono inicial do carro já foi "assaltado".
    Comprei dois carros novos, fiz contas, e o que dou aos ladrões oficias permite-me quase comprar um carro usado e deitá-lo fora ao fim de 5 anos.
    Durante um ano ninguém devia comprar um carro novo, pois assim quando vissem o sector em crise estes pseude-inteligentes nacionais que nos governam, iam ter de cumprir as normas europeias pós 2010, e deixar de pagar multas para gamar os contribuintes.
     
  11. Então e os MGs??? Importa se de uk ;)
     
  12. Os meus rendimentos não permitem comprar carro novo, e mesmo que o pudesse fazer, não o fazia. Pois, não gosto de ser roubado á descarada. Porque estes impostos são um roubo legalizado.
    E num país onde se rouba á descarada, não há futuro para ninguém. População e país.
     
  13. Se comprasse carro, neste momento não poderia ser um TF. Gostava imenso, mas não dá.

    É esperar pelos finais deste ano pelo MG 6! :huh:
     
  14. se nimguem compra-se carros novos os carros usados deichavam de existir.Tem que ser novos antes de serem usados nao?
     
  15. Isto é algo que sempre acreditei e continuo a praticar.

    Ainda nunca comprei um carro novo, e é pouco provável que alguma vez o faça. Para quê sermos ludibriados a pagar uma fortuna imensa (e uma boa parte dela para os ladrões que alguém elegeu para serem os nossos gatunos preferenciais), e ficar sem ela de um dia para o outro, e com a agravante que ainda temos de andar a gramar com carros que não sabemos usar a 100%, concessionários que não os sabem arranjar, e tão complexos que começamos a ter medo até de meter ar nos pneus sem ter um computador?

    O meu electrodoméstico cá de casa é um BMW 525i de 2001. Comprei-o em 2006, sou o segundo proprietário, e dado o nível de equipamento opcional que o carro traz, o dono anterior deve ter pago pelo menos 5 vezes (!!!) aquilo que eu paguei por ele quando o levantou na Baviera. Tinha 150,000 km acabadinhos de fazer, a maioria dos quais em AE. O interior estava como novo, assim como basicamente tudo o resto. Foi sempre revisto a tempo e horas na Baviera, porque fazia parte do contrato já que o carro foi adquirido através da empresa do anterior dono. Como é a gasolina, ninguém neste país o queria a não ser eu, fiz um negócio espectacular... :D E ainda dei o meu outro série 5 anterior também a gasolina de retoma! B)

    Nos quase 5 anos desde que o comprei não tenho feito mais que alimentá-lo, dar-lhe manutenções, pneus, uma bateria (desconfio que a que ele trazia ainda era a de fábrica, e só a troquei há 2 semanas!) e, salvo erro, uma lâmpada de médio. Ah, e troquei o pára-brisas, mas isso foi culpa de uma pedra projectada e não do carro.

    Nunca tive um problema com ele, e trabalha como novo. É um carro potente, seguro, fiável, luxuoso, espaçoso, silencioso, e agradável de conduzir (para um electrodoméstico, claro). Os motores de 6 cilindros da BMW são excelentes, e este curiosamente até se revelou bastante económico (ok, tirando as voltas em cidade, mas isto é um estradista por excelência), consigo fazer 6 litros aos 100 em estradas nacionais e 7,2-7,4 em AE sem grandes precauções.

    Tem agora 214,000 km e espero que me chegue pelo menos aos 350,000 sem grandes chatices. As revisões não são nada caras (sei de quem pague bem mais por carros inferiores), e o que paguei a menos em relação a um charuto equivalente movido a diseasel dá para cobrir muita gasolina, tenho a certeza que ainda não ultrapassei essa margem nem estou perto disso.

    Para quê ser escravo de um mercado maluco se podemos fazer as regras jogar a nosso favor? Eu sei bem por que lado opto...

    Um abraço a todos!
     
  16. Da maneira que são agora os novos impostos, amigo, mais valia que não os houvesse... porque os que ainda são do tempo do selo, vão pagando cada vez menos, mas agora os novos vão pagando é cada vez mais!

    E de qualquer maneira há sempre os vidrados em carros novos, e temos um país cheio de stands de usados com carros ainda muitíssimo capazes de dar muitos km de bons serviços. Isso sim é reciclagem eficaz, usar os que já cá andam em vez de encomendar um novo a uma das indústrias mais poluentes do mundo!

    Um abraço!
     
  17. Passam-me BMs,Volvos,Mercedes Porsches e outras marcas de (high end) pelas maos todos os dias. A mercedes de hoje nao se pode comparar com a mercedes de a 10 anos E a BMW vai pelo mesmo caminho.A marca mais fiavel hoje na minha opiniao (falo por experiencia diaria) das que mencionei e sem duvidas a BMW dos 90 a 2005.A Volvo nem se fala e a Mercedes nao fica muito atras.A computarizacao da maior parte das funcoes da operacao de um Automovel esta a dezenvolver com uma rapidez que se torna dificil manter a fiabilidade dos sistemas a uma percentagem elevada.Para nao falar na falta de controlo nas pecas e sistemas com contratos de fabrico fora(china,India,Mexico...)aonde a mao de obra e mais barata.Ja e dificil comprar pecas de origem para reparacao fabricadas pela propria marca.Ja nao se nota aquele orgulho de outros tempos aonde a peca de origem era a unica consideracao na reparacao de automoveis de alto custo.Nao sei aonde isto vai dar?
     
  18. Amigo Rui,

    é exactamente por isso que muita gente está a retornar aos carros de há uns anos atrás. A própria Mercedes já reconheceu isso e criou um serviço especializado na venda, assistência e retoma de modelos mais antigos, especialmente os que os alemães chamam de "Youngtimers", que estão cada vez a ter mais procura. Há muito quem esteja a ir buscar os W123 ou W124 em bom estado ou recuperados e revistos pela marca em vez de comprar um modelo novo. Ficam melhor servidos...

    As pessoas começam a cansar-se da complexidade ridícula a que se chegou, e receio que a evoluirmos mais nesta direcção o automóvel como o conhecemos esteja a chegar ao risco bem real de extinção, para ser tornado num "white good" como um telemóvel ou um pc.

    As próprias marcas começam a ter dificuldades em manter o ritmo, e daí vermos o surgir de componentes e fornecedores cada vez mais duvidosos. Aquilo que constitui o carro em si cada vez tem uma qualidade perceptível mais reduzida, para se poder atafulhar de electrónicas de última geração. Mas é nisto que dá quando as marcas se agarram aos tótós viciados em gadgets....

    Um abraço!
     
  19. Olá José,

    Boa essa... eu sou Técnico Oficial de Contas e, consequentemente, tenho que lidar no meu dia a dia com questões de impostos, e nunca me tinha lembrado dessa forma de pressionar o governo a cumprir com as normas europeias.

    Boa malha.

    Abraço
    Luís Nunes
     

  20. Como se pode ver as teses podem ser contrariadas.... o que é verdade para alguns, para outros pode não ser bem assim.
    Não concordo nada com ideias pré concebidas relativamente a uma matéria que tem muitas variaveis e condicionalismos. Há muitas estorias, algumas delas muito tristes de quem comprou carros usados em detrimento de novos. Tive uma com um Mercedes, que infelizmente nunca irei esquecer...
     

Partilhar Página