Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

O telemóvel e a condução

Tópico em 'Off-Road' iniciado por José Luís Serôdio Nunes, 26 Jul 2011.

Tópico em 'Off-Road' iniciado por José Luís Serôdio Nunes, 26 Jul 2011.

  1. Estudos efectuados demonstram que telefonar e conduzir ao mesmo tempo implica uma "carga mental" que prejudica a realização segura da tarefa da condução. Concretamente, o nosso cérebro não pode prestar a atenção necessária a duas tarefas diferentes realizadas simultaneamente.

    Telefonar é uma actividade cognitiva que requer a atenção do condutor, que fica, em situação de condução, confrontado com uma dupla tarefa e quanto mais complexa for a situação de trânsito mais a comunicação telefónica interfere no bom desempenho do condutor.

    Consequências que essa duplicação de actividades pode originar.

    Diminuição da capacidade de vigilância do condutor e dispersão da atenção. A atenção inerente ao interesse que o condutor dirige ao seu interlocutor telefónico suscita problemas de comportamentos desajustados às várias situações de trânsito com que se vai confrontando, pondo em causa a segurança rodoviária.

    Aumento, em cerca de 50%, do tempo de reacção, levando assim o condutor mais tempo a actuar perante uma dada situação de trânsito, podendo incorrer em perigo em situações de risco potencial.

    Má avaliação do posicionamento do veículo na via.

    Dificuldade de descodificação dos sinais e da sua memorização, perdendo, assim, informação essencial para uma condução segura; Frequentemente a sinalização é mesmo ignorada.

    Desrespeito da regra de cedência de passagem nos cruzamentos e entroncamentos.

    Dificuldade em retomar a fila por onde deve circular após uma ultrapassagem.

    Não manutenção da distância de segurança em relação ao veículo da frente e incapacidade de ajustar esta distância quando o veículo da frente pára ou abranda, o que aumenta o risco de colisão.

    Não sinalização da manobra de mudança de direcção, não dando assim a conhecer aos restantes utentes da via a sua intenção de efectuar a manobra.

    Má avaliação da velocidade. A maior parte dos condutores julga que reduz a velocidade quando atende o telefone, quando na realidade a mantém inalterável.

    Redução do campo visual. A conversa telefónica afecta as capacidades de exploração visual do condutor. Há modificações significativas da direcção do olhar durante e após a comunicação telefónica, em que é privilegiado o olhar a direito para a via, prejudicando a visão periférica e a informação visual recolhida através dos retrovisores. Tudo se passa como se a via se transformasse num ecrã sobre o qual se misturam ou alternam imagens reduzidas do ambiente rodoviário, da face do interlocutor e do objecto da conversa. Existe uma fixação do olhar durante a comunicação.

    Tendência para não parar nas passagens de peões a fim de lhes permitir atravessar a faixa de rodagem com mais segurança. Cerca de ¾ dos condutores ao telefone não cumprem esta regra do Código da Estrada; Frequentemente os condutores nesta situação não se apercebem dos peões.

    Aumento do stress provocado pela situação de atendimento ou marcação de chamada telefónica, stress esse que pode ser acrescido pelo teor da conversa.

    Medidas de segurança recomendáveis e a adoptar.

    Pare para telefonar ou receber e use auriculares

    Se receber ou necessitar de fazer uma chamada telefónica o condutor deve parar em local apropriado e só então utilizar o telemóvel.

    Recomendação da Cruz Vermelha
    Os operadores das ambulâncias e emergência médica que prestam assistência aos acidentes da estrada, constatam que os sinistrados têm geralmente um telemóvel.

    No entanto, na hora de intervir, muitas vezes esses operadores não conseguem descobrir qual a pessoa a contactar na longa lista de telefones existentes nos telemóveis dos acidentados.

    Para tal, a Cruz Vermelha lança a ideia de que todas as pessoas acrescentem na sua lista de contactos o número de telefone da pessoa a contactar em caso de emergência.

    Para facilitar, tal deverá ser feito da seguinte forma:

    Inserir na memória do telemóvel a entrada "AA Emergência", seguida do nº de telefone para o qual deseja que seja feito o aviso. (As letras AA são para que este contacto apareça sempre em primeiro lugar na lista de contactos).

    É simples, não custa nada e pode ajudar muito quem nos prestar assistência.

    Se concordar com esta proposta, passe esta mensagem a todos os seus amigos, familiares e conhecidos.

    É tão-somente mais um dado que regista no seu telemóvel e que pode ser muito importante

    Abraço
    Luís Nunes
     
  2. Bom tópico, sim senhor. Gostei de ler. Quanto ao uso do telemóvel a conduzir, basta fazerem isto para exemplo: Tentem falar ao telemóvel e ver o fórum ao mesmo tempo... Acreditem que não conseguem ter atenção correcta numa coisa nem outra...
     
  3. 100% de acordo no que foi dito!

    Infelizmente vê-se muito por ai...apesar da multa ser pesada.

    O uso de telemóveis (sem auricular ou sistema de alta voz) e condução ao mesmo tempo, não são compatíveis.
     
  4. Concordo plenamente, por essa razão e porque as mulheres são umas tagarelas ofereci isto a minha esposa para colocar no Audi A2 e funciona muita bem.

    http://www.kabiloo.fr/images/fiches/ST_Light_French.pdf
     
  5. Boa partilha. Realmente vê-se por aí muita gente sobre-dotada, têm a capacidade de conseguir conduzir, falar ao telemóvel, e até alguns escreverem mensagens. Eu devo ser um "burro" do caraças, visto só conseguir fazer uma coisa de cada vez.

    Abraço
     
  6. Olá a todos

    Por mim tenho um kit de mãos livres e, mesmo assim, é dificil manter o mesmo nível de concentração enquanto conduzimos e falamos ao mesmo tempo.

    Por exemplo, mesmo com o kit, é complicado efectuar uma chamada através de um numero que não esteja na memoria do carro, pois a concentração que temos que ter para digitar o numero de telefone é o suficiente para nos distrairmos por completo do acto de conduzir.

    Hoje em dia os kit portáteis de mãos livres já estão tão baratos (por menos de 100 euros já se compra um kit razoável) que não se justifica o risco de se apanhar uma multa, para já não se falar do risco de se perder a vida num acidente.

    Assim sendo é uma questão de opção, daí eu não entender como tanta gente ainda insiste em arriscar o uso de telemóvel enquanto estão a conduzir.

    Abraço
    Luís Nunes
     
  7. A condução e o telemovel, não funcionam nem sem, nem com Kit mãos livres, pois o problema não é a condução com apenas uma mão, é mesmo a distracção na cenversa mantida no telemovel.

    Deste modo, não acho que os kit's mãos livres resolvam este problema, o unico problema que os mãos livres resolvem é a questão da multa.

    Acho que neste caso, e eu uso kit mãos livres no carro, as entidades reguladoras, deveriam ver o que fazer, pois não acho justo uns serem multados e outros não, pois os kits nada resolvem.

    Abraço
    José Paulo
     

Partilhar Página