Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Maxi Puch - Ajuda Afinação

Tópico em 'Motos e Motorizadas' iniciado por Andre. Santos, 1 Mai 2009.

Tópico em 'Motos e Motorizadas' iniciado por Andre. Santos, 1 Mai 2009.

  1. Bom Dia,

    Recentemente restaurei uma Maxi Puch de 1980 e desde que tentei mexer no motor nunca mais consegui obter uma afinação correcta.

    Além de não ter força nenhuma (em comparação com o "estado" anterior") a vela encharca frequentemente.

    A minha dúvida é relativa ao condensador pois gostava de saber se para o trocar, o novo terá que ter valores inscritos iguais aos de "origem" (ou pelo menos os que já vinham com a mota).

    Brevemente acrescento algumas fotos. ;)

    Muito obrigado,

    Cumprimentos
     
  2. Cá está ela!

    [​IMG]

    [​IMG]
     
  3. Boa tarde,

    Para além da dúvida anterior, alguém me saberá dizer qual a mistura de combustível ideal a usar nesta mota?

    Obrigado :feliz:
     
  4. Se levou segmentos, a mistura será de 4% ou um pouco mais até 6%, e basta fazer 100 km para os rodar. Se não, 2% basta (óleo sintético de boa qualidade).

    As Maxipuch sempre tiveram problemas de isolamento de vela...

    PM
     
  5. O carburador parece um Bing 16. Se fôr, é rodar para dentro o parafuso(mais pequeno) da gasolina até prender(sem forçar) e dar volta e meia (desatarrachar) e pôr a trabalhar.Afinar depois o ralenti com ela já bem quente, no parafuso maior(mais saído, com a mola).

    O condensador não tem nada se dá faísca na vela.
    Parece-me que o problema é gasolina e muito óleo....e se calhar a vela errada.
    Boas voltas.

    PM
     
  6. Caro Paulo Mota,

    Muito obrigado pela ajuda, foi bastante útil. :feliz:

    Ainda falando da mistura de combustível, o manual de proprietário indica uma utilização de 4%, ainda assim acha aconselhável usar apenas os 2% que me tinha indicado?

    Entretanto surgiu outra dúvida, eu já consegui colocar ou "afinar" o motor a trabalhar a ralenti de forma a não libertar óleo pelo tubo de escape e sem "sujar" a vela, mas assim que se acelera além de não ter força volta a pingar bastante óleo pelo tubo de escape. Assim, qual acha a abertura de vela e platinados mais indicada?

    Se ajudar, no manual refere 0,30 - 0,35 para os platinados no ponto morto superior e 0,40 a 0,45 na vela.

    Peço desculpa por fazer tanta pergunta mas realmente está a revelar-se difícil acertar com as afinações correctas.

    Muito obrigado,

    Cumprimentos
     
  7. Caro amigo

    Também restaurei totalmente uma puch maxi e deparei-me com alguns dos problemas que mencionou: pingar de óleo e muito pouca potência.
    Quanto à percentagem de óleo utilizei 2% porque não a utilizo assim tão frequentemente que precise de lhe aumentar a quantidade do óleo, mesmo assim pinga bastante...
    Agora quanto à muito fraca potência, pergunto-lhe se a sua puch maxi vem equipada com o descompressor? Não me consegui perceber pela foto. Se tiver o dito descompressor é melhor anulá-lo, desligando, inclusivé o respectivo cabo e verificar que veda perfeitamente, porque se não terá perdas significativas de potência, num motorzinho já de si bastante fraquinho. O descompressor serve exclusivamente para parar o motor, nada que não se possa fazer com um rudimentar interruptor. Eu fiz-lhe essa operação e minimizou alguma coisa a falha de potência...
    Um abraço
     
  8. Luís Nunes,

    As dores de cabeça que esta mota me dá! :wacko: :feliz:

    O modelo tem descompressor sim! Nunca tinha pensado nisso, mas na sua opinião como é que o mesmo influencia na perda de potência? É que retira sempre alguma originalidade e algum "Elan" à mota...

    Posso-lhe dizer que já não pinga óleo e que já puxa bastante melhor, já tenho ido dar umas voltas de 10 ou 15km e raramente tenho de ajudar com os pedais. No entanto ainda não está perfeita, não está como estava antes de a restaurar.

    Penso que seja uma questão de afinação de platinados, avanço do motor ou assim e como não tenho muitos conhecimentos nesse campo quando mexo acabo por piorar.

    Um abraço e obrigado pela ajuda,

    André S.
     
  9. Ja viste se os platinados estao ok?E o carburador?
     
  10. Caro G. Marinho,

    Quanto aos platinados estão ok.

    No caso do carburador por acaso tenho uma dúvida... Precisava de arranjar uma agulha nova pois "desconfio" desta, um difusor e um gigler (é assim que se escreve?) pois acho que estes elementos poderão não estar no melhor estado.

    Cumprimentos
     
  11. Caro Luís Nunes,

    Visto que restaurou, como eu, uma Puch, por acaso saberá dizer-me qual o gigler e o difusor indicado para um carburador Bing 14?

    Obrigado.

    Cumprimentos
     
  12. Tb gostava de saber, pois não percebo nada disso.
     
  13. Boas,

    Mais um problema. Alguém me sabe indicar onde se encontra o numero de quadro na Puch? E nas restantes motas onde costuma ser?

    Acontece que fui chamado para ir à inspecção para confirmação de dados de registos e a minha mota não tem nr de quadro, pelo menos que eu encontre, e o numero de motor não corresponde.

    Pior é que já tenho a mota há mais de 10 anos e nunca troquei motor nenhum nem fazia ideia que isso era ilegal, sempre ouvi dizer (malta do todo terreno) que se podiam trocar motores à vontade.

    :wacko:

    Obrigado

    André S.
     
  14. o nºde quadro nao está na coluna de direcção??
    quanto ao nº de motor, se nao passar assim, eu axo que á uma opção
    se o nº for gravado no bloco, é passar uma lixa, até os nº´s desaparecerem, e depois, arranjar quem lhe empreste um kit de ponções de numeros e letras para gravar o que está igual ao do livrete.
     
  15. Caro André Santos

    Na sequência das suas necessidades para o restauro da sua Puch, posso informá-lo que possuo alguma literatura (dados técnicos) que o poderão ajudar na afinação da sua máquina. Contudo, toda essa informação encontra-se em austríaco, que é o país de origem das Puch, como deve saber. Eu também possuo uma Puch do modelo DS 50 R que espero poder entregar para restauro, uma vez que não possuo meios para poder ser eu a restaurá-la. É uma máquina minha propriedade desde 1965, altura em que foi adquirida completamente nova a estrear. Tem portanto 44 anos, sendo sempre eu o seu único proprietário. O valor estimativo é o que me prende mais a ela por ter sido uma oferta do meu falecido pai.
    Se achar necessidade, poderá contactar-me telefónicamente para 966023291, José Ferreira
     
  16. Boas. Em muitos casos (a maioria deles) a falta de força num motor a dois tempos, deve-se ao ponto do motor não estar correcto. Cumps.
     
  17. Peço desculpa pois só li este post hoje, não tenho vindo cá.

    Muito obrigado pela disponibilidade. O problema é que em Austríaco é difícil decifrar. Mas guardei o contacto para se entretanto com o novo motor não resultar, contacta-lo.

    Obrigado.

    Cumpts
     
  18. Boas André,
    Acabei de recuperar a minha Maxi Puch de quando era jovem... Depois de 20 anos sem trabalhar, lá a consegui por a trabalhar depois de uma limpeza de carburador e de uma vela nova. Só isso!
    Assim, passei à 2ª fase: recuperação integral da máquina. Depois de toda desmontada, pintada, cromados recuperados, cilindro, pistão, segmentos e culassa novos, ela pegou com facilidade. Só que tem o mesmo problema que o André relata: falta de potência!... Conseguiu resolver o seu problema? Será que é um problema de ponto do motor?
    Cump.
    Aires Camões
     
  19. Pouco depois do meu último post que o meu pai (e eu) deixou de se preocupar com a mota pois o problema persistia, muito fumo, muito oleo pelo escape e nenhuma força.

    Assim, ela está na garagem e bem mantida mas raramente anda porque lá está, pouco mais dá para fazer do que ir ao fundo da rua e vir.

    Respondendo à sua pergunta: Não, não resolvemos o problema mas também há muito tempo que voltamos à carga. ;)

    Se tiver alguma questão é só perguntar, se eu souber respondo.

    Cumpts
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página