Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Postalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Lancia Stratos

Tópico em 'História e Cultura' iniciado por Carlos Alberto Macedo, 11 Jun 2010.

Tópico em 'História e Cultura' iniciado por Carlos Alberto Macedo, 11 Jun 2010.



  1. Ver anexo 173818





    A inspiração original do Stratos surgiu em 1970 no Salão Automóvel de Turin produzido pela Bertone para a Lancia.

    Ver anexo 173812

    O estilo futurista e radical foi resultado de um estudo intensivo no túnel de vento para atingir o mínimo possível de resistência ao vento, e produziram um veiculo que parecia ter saído de um filme de ficção cientifica em vez de um super carro. De facto o nome Stratos vem pelo facto de um dos designers ter dito que o carro parecia ter saído da estratosfera. (stratosphere).

    Ver anexo 173811


    Como o desenho acima demonstra o condutor estava posicionado na frente do carro numa posição inclinada, similar a um F1. O acesso ao carro era por uma porta que também era o pára-brisas, este subia na frente do carro e articulada com o tejadilho do carro. O condutor e passageiro tinham que entrar por esta abertura, para ajudar à entrada a coluna de direcção retraia-se quando a “porta” era aberta. Uma vez sentado o condutor puxava a coluna de direcção e um sistema hidráulico fechava automaticamente a porta/ pára-brisas.

    O motor 1.6 era montado em posição central mesmo em frente ao eixo traseiro, com espaço suficiente para o condutor, motor, radiador, entradas de ar e uma roda suplente.


    Ver anexo 173819


    O carro de exposição era tinha um chassis de monocoque e tubular, construído a partir de uma chapa de aço para a secção central e reforçada com fibra de vidro para as portas, escotilhas frontal e traseira e na carroçaria. O motor e a suspensão traseira era montado numa subestrutura de aço.
    A resistência ao vento muito baixa era conseguida graças por um exterior muito suave, com uma frente em bico e com o uso de ópticas retrateis.

    O chefe de equipa da Lancia na altura era Cesaro Fiorio. A sua equipa de Lancia’s Fulvias era usada com grande sucesso desde 1966, mas estavam a entrar numa fase de grande pressão pela Porsche e pela Alpine-Renault.

    O desenho do protótipo do Stratos captou a atenção de Cesare. Ele visualizou o novo Stratos a ser desenvolvido para um novo carro de competição para a Lancia, o Stratos. É improvável que tenha pensado o quanto dramático e o impacto do seu sonho que teria no desporto automóvel.

    Ver anexo 173817


    Até aí o rally tinha sido dominado por carros desportivos, mas a produção de carros desportivos era pensada em primeiro lugar para a produção e venda ao publico. Nunca ninguém tinha pensado em construir um carro que fosse usado unicamente para competição.
    As regras de rally decretavam que um mínimo de 500 carros fossem produzidos para permitir a homologação para serem usados no Rally internacional, (contudo durante a produção do Stratos o volume seria reduzido para 400 unidades). A FIA, o órgão que regulava o desporto, pensava que o numero era tão alto que desencorajava os construtores a produzirem um carro unicamente para Rally.

    O Stratos tornou-se o primeiro homologation special. Um conceito que conduziria ao inapropriado Grupo B que seria banido por ser muito rápido e perigoso.

    Com a visualização de um carro de motor central e uma folha de papel branca e ser terem o constrangimento de terem de vender o carro ao publico, Fiorio podia redesenhar o protótipo num verdadeiro carro de competição, claramente precisava de um motor potente.


    Ver anexo 173820


    Até aqui a Lancia estava a usar um 1.6 V4 e a Abarth tinha produzido uma versão de 2.0. mas a Lancia era da Fiat, que tinha acabado de adquirir a Ferrari e homem escolhido para liderar a Lancia como uma nova divisão da Fiat era Pierre Ugo Gobalto, que tinha sido representante da Fiat na administração da Ferrari e sabia que o Ferrari Dino 246 estava prestes a ser descontinuado e que devia haver um grande numero de motores em stock.
    Se o Dino não estivesse para ser descontinuado, Enzo Ferrari talvez pensa-se que o Stratos seria uma ameaça para o Dino e o Stratos teria nascido com um motor pouco potente e sem nunca se tornar uma lenda do Rally nos anos 70.

    Gianpaolo Dallara, o ex director técnico da Lamborghini, que tinha criado os modelos Miura e Espada, e Marcello Gandini, o chefe de desenho da Bertone, trabalharam com Fiorio para moldar o protótipo num carro de competição viável. O primeiro protótipo estava pronto para aparecer no salão de Turim em 1971, mas ainda incompleto e só em 1972 é que o carro estaria completo para se iniciar os testes.


    Ver anexo 173813


    No salão de Turim de 1972 o Stratos, mostrado acima estava pronto com um motor Ferrari V6 2.4 de 12 valvulas e com uma caixa de 5 velocidades. Durante o ano seguinte as especificações mencionadas seriam refinadas.

    Durante este período tinha entrado em Rallies que tinham uma classe para protótipos e isto proporcionada ainda mais feedback para ajudar ao desenvolvimento das especificações finais.
    Em Outono de 1972, Sandro Munari e Mario Mannucci começaram o Tour de Corse no segundo Stratos alguma vez construído. O carro abandonaria com problemas na suspensão traseira, e o mesmo problema voltaria a aparecer um mês mais tarde no Costa Del Sol Rally.
    Em Abril de 1973, Sandro Munari ganhou o Firestone Rally em Espanha para dar ao carro a sua primeira vitoria. Apenas um mês depois tendo como companheiro Jean-Claude Andruet, Munari levou o Stratos a um excelente 2º lugar na Targa Florio e em Setembro de 1973 o carro ganhou outro evento. Desta vez seria o Tour de France e mais uma vez estava Munari que tinha levado o Stratos à vitoria.
    A produção a serio começaria durante 1973 que duraria até meio de 1974. A carroçaria era produzida na fábrica da Bertone nos subúrbios de Turim e a montagem final era feita numa fábrica da Lancia perto.
    Tem havia muita discussão ao longo dos anos para se saber exactamente quantos carros foram construídos. Muitos especialista dizem que foi entre 450 e 490 unidades, mas a Bertone diz que foram construídas por si 502 carros.

    Ver anexo 173816


    No inicio do desenvolvimento, as regras de Grupo 4 requeriam que fossem construídas 500 unidades mas quando o carro foi finalmente homologado em Outubro de 1974 as regras tinham mudado e o numero desceria para as 400 unidades para homologação. A versão final de produção, mostrada acima, tinha mudado em algumas áreas. Reparem nas aberturas no capot na horizontal em vez de estarem na vertical.

    Durante 1974 as vitorias apareciam rapidamente. Antes da homologação, o Stratos tinha ganho a Tour de Sicily e a Targa Florio, correndo na classe protótipo e a dias da conclusão da homologação. Munari tinha dado ao carro a vitoria em San Remo, este foi seguido pelas vitorias no Giro de Itália, Rideau Lakes e do Tour de Corse e um 3º lugar no RAC no reino unido. Isto foi suficiente para a Lancia ganhar o campeonato de construtores em 1974 que seguia conquistado de novo em 1975 e 1976.


    Ver anexo 173821


    Em Janeiro de 1975, Munari pontuou a primeira de 3 vitorias consecutivas no Rally de Monte Carlo. Durante o ano, Bjorn Waldergaard ganhou o Rally da Suécia e San Remo, e no Safari, Munari ficou em 2º lugar e Waldergaard em 3º.
    Mais uma vez o Stratos não conseguia ganhar o RAC. Contudo conduzido por Waldergaard, tinha deixado a uma impressão duradoura nos fãs do RAC durante a prova.
    Após um bom começo o carro partiu o veio de transmissão, e os mecânicos tiveram que remover a secção traseira da carroçaria para acederem e fazerem assistência ao motor na parte traseira, continuou a prova e Waldergaard seria o mais rápido em 40 de 70 classificativas, mas foi excluído no final da prova por andar na via publica sem luzes traseiras e numero de matricula.

    Ver anexo 173815


    1976 seria o ano de mais sucesso para o Stratos, ganhou o campeonato mundial de construtores para a Lancia pela 3º vez consecutiva, e continuando o sucesso ficou em 1º e 2º lugar no rally de Monte Carlo, um notável 1º, 2º, 3º e 4º lugar no rally de Portugal, 1º na Corsega, 1º no Giro de Italia, 1º na Sicília e 4º na Inglaterra.
    Não só aqui a Lancia estava a ganhar, o Stratos tinha chegado às mãos dos privados. Uma das mais bem sucedidas equipas privadas era a Chardonnet of France. O seu piloto maravilha, Bernard Darniche que continuaria a ganhar muito depois da equipa de fabrica ter deixado de correr com o Stratos. De facto Darniche devia ser considerado o melhor piloto do Stratos de todos os tempos, com 33 vitorias comparadas com as 13 pelo piloto oficial Sandro Munari.


    Ver anexo 173822


    Em 1977, a equipa de fabrica da Lancia seria incluída na da Fiat e o grupo de Marketing da Fiat queria que todos os esforços se concentrassem no Fiat 131 e não no Stratos e em 1978 o 131 estava a ser usado quase exclusivamente, contudo o Stratos conseguiu ganhar pouco mais do que 13 rallies nesse ano.
    Em 1979, era unicamente as equipas privadas que corriam com o Stratos e Darniche conseguiu ganhar o rally de Monte Carlo pela equipa Chardonnet. Isto deu ao Stratos a 4º vitoria consecutiva no Rally de Monte Carlo.


    Ver anexo 173814


    Os únicos trabalhos da equipa oficial ocorreram quando Marku Alen convenceu a equipa a deixa-lo usar o Stratos no RAC Rally nos anos seguintes e durante 3 anos. Tristemente Alen levou o carro ao seu limite e não conseguiu dar ao Stratos a vitoria no RAC com que sempre sonhou durante a sua carreira.
    Em 1981 a Lancia revelava o Lancia Rally 037, o seu novo carro para o Grupo B e o Stratos foi confinado aos livros, mesmo quando equipas privadas conseguiam vitorias notáveis em vários campeonatos europeus de rallies até a sua homologação expirar em 1982.


    Ver anexo 173823

    Contudo a produção do Stratos foi muito curta, o seu impacto no rally foi imenso. Foi o primeiro carro a ser construído de raiz para rally e claramente um dos mais bonitos e que levou ao desenvolvimento do super poderoso Grupo B tendo renascido como Grupo S e nos dias de hoje WRC.

    Nas palavras de Cesare Fiorio, cujo sonhou se tornou realidade: “ com o Stratos, fizemos um carro tremendo, assustando os outros construtores até que alguns desistiram”.


     

    Ficheiros Anexados:

  2. ES-PE-TA-CU-LAR!!!!!!

    Adorei mesmo!!!
     
  3. Se na história automóvel falarmos de 10 carros, um deles é o Stratos.
     
  4. O melhor carro de Rally de sempre
    Só o som a ecoar na cabreira era fantástico
     
  5. Infelizmente não vivi esta era... Mas ainda assim o stratos é um carro que me arrepia. Sou um LANCistA sem sombra de dúvidas. A minha idade leva me a sempre ter associado a palavra victória À marca Lancia, uma vez que os ralis eram a minha vida. Tudo o que sonhava em pequeno era ser um piloto como o Carlos Bica e andar a voar com um delta. Sonhava com isto e babava me a olhar para o Fulvia 2C do meu pai. Ali parado na garagem. Deste carro lembro me de andar uma vez em toda a minha vida. deveria ter 3 ou 4 anos de idade... Mas acreditem que ainda me lembro. Aquele V4 tem uma melodia INESQUECÍVEL! Hoje, com 23 anos continuo a ver aquele Fulvia na mesma garagem... Mas o sonho de ser piloto e poder voar ao volante de um Delta está a aumentar. Neste momento tenho 3 Delta's HF Turbo e sou já administrador de um fórum (www.forumhf.com) dedicado a estes bólides. Um dos meus deltas está a ser preparado com muito sacrifício para track days e rally's de regularidade. Está já numa fase final de preparação e embora não estando perfeito já é suficiente para me levar as lágrimas à cara uma vez que no tumulto que tem sido a minha vida, aquele, com tudo o que passei e de que me privei, é o único sonho de menino que ainda é possível ser real.
     
  6. A minha avó trouxe-me estas fotos a uns tempos.
    Tiradas em Sintra. Possivelmente pelo meu tio.

    Que inveja...
     

    Ficheiros Anexados:

  7. Um dos carros que obrigatoriamente teria de estar na minha garagem de sonho...

    Parabéns pelo excelente e bastante cuidado histórico do modelo, amigo Carlos!

    Mais algumas curiosidades:

    1ª - O protótipo original tinha um aspecto tão radical que todos pensavam tratar-se apenas de uma maquete e que não fosse funcional. Quando Bertone foi chamado a mostrar o carro à fábrica da Lancia depois da estreia no Salão, ele fez questão de demonstrar o contrário conduzindo-o até lá. O carro era tão baixo que passou por baixo da cancela à entrada sem ter de esperar que lha subissem...

    2ª - A Bertone esqueceu-se por completo que os seus direitos sobre o nome "stratos" estava a findar há uns anos atrás, e um entusiasta ardente do modelo, Christian Hrabalek, que também é consultor da indústria automóvel e tem um gabinete de design apresentou um novo protótipo que seria a reinterpretação do conceito do Stratos no século XXI. Perfeitamente funcional, com mecânica do Ferrari 360 Modena a servir de base, foi um concept-car muito bem conseguido:

    [​IMG]

    3ª - Na foto de cima com o Stratos Zero à frente, o protótipo por trás é o Chevrolet Corvette Rondine by Pininfarina... uma das inspirações principais para a linha do 124 Spider ;)

    Um abraço!
     
  8. muito bom obrigado
     
  9. Vens pra casa mais cedo pra vir fazer um tópico... :huh::huh::huh:

    :huh::huh: Brincadeira... :huh:
     
  10. Vá... Ao menos foste pra casa por uma boa razao...

    :huh::huh::huh:
     
  11. Mais um dos carros miticos!!!:D

    Obrigado Carlos pela partilha...;)
     
  12. Muito bom!

    Só uma correcção/dúvida: Tenho ideia que o concept de 1970 não é conhecido como "Stratos Zero" mas somente como "Zero". A Bertone e a Lancia não o reconhecem como a génese do Stratos mas sim como uma base de partida do formato aerodinâmico que surgiu mais "civilizado" no Stratos...

    Um abraço!
     
  13. Ficheiros Anexados:

  14. Vão ser feitos 25 Stratos.
     
  15. a top gear ontem, falou neste carro emblematico, ate chegaram ao ponto de meter uma replica deste modelo na pista (claro nada igual), nao sou muito fa da lancia por causa da sua fiabilidade, mas pela historia disperta interesse.
     
  16. Olha que a fiabilidade é discutível.

    Então nos dias que correm.

    O motor usado pela Lancia nos Rallies não partia de maneira nenhuma.

    2 litros bialbero de guerra, desenhado por Lampredi pois claro.
     
  17. A cabreira nao é para os lados de Pte de Lima?


    Está agora a dar esse mesmo episodio na Discovery, já é a 3 ou 4 vez que o vejo, vale bem a pena!B)
     
  18. Sandro Munari em 1976 pilotando o Lancia Stratos, o mais fantástico carro de Rallies de sempre:

    1976%20Munari.JPG


    Sandro Munari em 1976 pilotando o Lancia Stratos no troço do Marão do Rallie de Portugal:

    1976%20Marao.jpg
     

    Ficheiros Anexados:

  19. Sempre gostei do Lancia Stratos e continuo a gostar. Mas fiquei algo “desiludido” ao ver o Top Gear ainda há pouco.. :(- pensei que fosse um carro “intocável”.
     
  20. Lancia-Stratos%20(101).jpg

    Lancia-Stratos%20(102).jpg

    Lancia-Stratos%20(103).jpg

    Lancia-Stratos%20(104).jpg

    Lancia-Stratos%20(105).jpg

    Lancia-Stratos%20(106).jpg

    Lancia-Stratos%20(107).jpg

    Lancia-Stratos%20(108).jpg

    Lancia-Stratos%20(109).jpg

    Lancia-Stratos%20(110).jpg

    Lancia-Stratos%20(111).jpg

    Lancia-Stratos%20(112).jpg

    Lancia-Stratos%20(113).jpg

    Lancia-Stratos%20(114).jpg

    Lancia-Stratos%20(115).jpg

    Lancia-Stratos%20(116).jpg
     

    Ficheiros Anexados:

Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página