Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

João Vale

Tópico em 'Os Entusiastas do Portal' iniciado por João Pedro Vale, 25 Set 2009.

Tópico em 'Os Entusiastas do Portal' iniciado por João Pedro Vale, 25 Set 2009.

  1. Olá a todos,

    Algumas pessoas neste fórum já são conhecidas de outras andanças e outros fóruns mas como muitos outros ainda são desconhecidos deixo aqui a minha apresentação.

    O meu nome é João Vale e sou um aficcionado por carros desde os meus 15 anos. Embora aprecie muito as máquinas modernas, os antigos têm um lugar especial na minha vida pois foi neles que passei a infancia pois os meus pais só compram carros em segunda mão de baixo valor. Ora bem, como nasci em 1979, durante os anos 80 andava com carros do fim dos anos 60 e inícios dos anos 70! LOL

    Fica aqui uma lista dos carros que me lembro de andar quando era miúdo até aos actuais:

    Rover 2000TC (não sei o ano de fabrico)
    Primeira série, com a grelha de "taliscas" horizontais cinza. Branco com interiores vermelhos em pele e volante em madeira de época.
    Comprado quando o meu pai voltou do Ultramar, deu alguns problemas devido À idade e às características problemáticas inerentes aos carros ingleses. A minha mãe chegou a empurra-lo algumas vezes, até gravida de mim! LOL
    Mesmo assim, foi o carro que levou os meus pais e uns amigos em 1976 numa roadtrip incrível até à Ex-Jugoslávia. Problemas? ficou sme motor de arranque e sem embraiagem durante a viagem. Só foi reparado em Portugal por isso imaginem a maluqueira que era as sessões de transito e entradas nas rotundas e cruzamentos...
    O carro parou não devido a podres nem a motor estragado mas foi devido a um bombito do travão traseiro encravado! Tentaram de tudo: força, pancadas a jeito, calor com maçarico e o sacana não saía! Conclusão, o meu pai andou com o carro até ficar sem calços e acabou por o para em casa dos meus avós.
    Por essa altura eu já tinha idade para andar a pé e lembrar-me de algumas coisas e recordo perfeitamente de ir para o carro brincar ao volante. Entretanto o meu pai compra um Fiat 128 1100 azul escuro ao irmão. Não tinha tempo para o Rover e os meus avós pressionaram-no para se livrar do carro. Foi o fim do Rover...

    Fiat 128 1100cc de 1974

    Veio substituir o Rover. Tracção À frente veio dar grande jeito pois na altura o meu pai trabalhava numa fábrica para os lados de Bragança e o inverno rigoroso exigia muito da estabilidade do carro devido às estradas geladas.
    Azul escuro, duas portas com cerca de 100 mil km foi o nosso carro de dia a dia durante cerca de 8 anos.
    Entretanto a minha mãe tira a carta e passa a ser o carro dela. Em 1987 eramos 4 irmãos e eramos distribuidos pelas escolas e colégios no 128. Os meus irmãos gémeos de 18 meses viajavam no banco traseiro em duas cadeiras de bebé com a minha irmã de 4 anos entalada no meio e eu no banco da frente.
    O 128 acabou por ser vendido com mais de 300 mil km (sem abrir motor) pois a compressão estava muito fraca. Os problemas de arranque durante as manhas frias eram imensos e já não tinha força para subir a rua da minha casa na altura... O carro que o veio substituir foi uma Renault 12C break de 1979.

    Eu e o Fiat 128

    Fiat 132 GLS de 1974 matrícula

    Quando a minha mãe tirou a carta e começou a usar o 128 foi necessário arranjar outro transporte para o meu pai. O 132 ocupou o lugar de daily driver e portou-se impecavelmente durante os 10 anos que rolou na nossa mão.
    Topo de Gama da Fiat em 1974, este carro pertenceu ao Sr. Anhas, o dono da cadeia de stands que detinha a concessão da FIAT no distrito de Braga.
    Vermelho escuro a fugir para o tijolo, era um carro fantástico.
    Tinha estado uns tempos parado e quando o adquirimos um dos pneus traseiros estava quadrado. O baloiçar do carro embalava-nos a dormir durante as viagens!
    Confortável e espaçoso, o potente motor Twin Cam 1.8 de 107cv DIN era super fiável embora gastasse óleo. Não era nada de preocupante, sempre que atestava o depósito repunha-se o nível.
    Este carro foi uns dos carros que me marcou profundamente devido ao motor exótico às bonitas e elegantes linhas que tinha.
    A sua fiabilidade foi comprovada pois nunca deixou o meu pai mal nos cerca de 300 mil km que cumpriu (sem abrir motor) à excepção de um furo pois tinha o suplente furado também!
    O carro parou em 1994 apesar de várias tentativas minhas de fazer o meu pai mudar de ideias. Já tinha algumas ferrugens sérias e não valia o dinheiro de reparação. O carro foi parado num terreno em Famalicão da família da minha mãe e apodreceu até ao fim dos seus dias. Ia ver o carro todos os anos na esperança da mudança de ideias do meu pai que nunca veio a acontecer.
    O 132 foi substituido por um Renault 25 TX de 1987.

    Ficam aqui umas fotos do 132 na sua última paragem.



    Renault 12C Break de 1979 matrícula

    Uma das piores compras que fizemos. Pode-se dizer que este carro andou mais em cima de reboques do que na estrada enquanto esteve na nossa mão. Problemas de motor e infindáveis problemas electricos que eram solucionados com a eliminação de acessórios electricos para evitar a descarga da bateria acabaram por ditar um fim permaturo da história da R12 na nossa mão e foi prontamente subsituida por um Renault Clio 1.2 RN de 1990 em 1992.
    Adivinhem qual era o carro que ia desenpanar o R12 e levar a minha mãe ao destino? O FIAT 132 está claro! Carro fantástico!

    Renault 25 TX de 1987 matrícula

    Comprado em 1994 era um carro muito moderno face ao que estavamos habituados. Motor 2.0 com injecção de combustível, tinha 120cv mortiços como é tradicional nos motores Renault. Não se portou mal mas tinha problemas estranhos: se abrissemos as 4 portas e entrassem 4 adultos no carro a carroçaria flectia e as portas já não fechavam bem... Ai a rigidez da carroçaria do topo de gama da Renault!!
    O fim do 25 ocorreu na estrada para Esposende quando um Opel Astra cruzou a faixa onde circulavamos. A frente do carro ficou destruída e ninguém se magoou felizmente.
    Foi substituido por um BMW 316 E30 de 1986.


    Renault Clio 1.2 Rn de 1990

    Carro mal comprado. Tinha poucos kms mas sofreu mais tratos durante esses kms. Uma batidela séria de frente empenou o chassis e o carro sofria graves problemas de aderencia em piso molhado. Um horror! rodas a patinar a 100km/h eram experiencias frequentes... Além disso travava mal e porcamente. Cocktail explosivo... Mal o pudemos vender despachamo-lo.
    Por acaso do destino encontrei o carro ainda a circular o ano passado na posse de uma colega de trabalho! Está como novo!

    BMW 316 E30 de 1986

    comprado em 1997 após o acidente com o R25. Este BMW era fantástico! Da primeira série com os parachoques cromados, verde escuro com interiores creme e duas portas!
    Tinha 17 anos quando o compramos e eu adorava desmontar e corrigir os defeitos que tinha. A minha mãe andava com ele , embora conduza muito bem, detestava o comportamento traiçoeiro que o carro apresentava (característico dos e30).
    Quando eu tirei a carta o meu pai ofereceu-me o carro e comprou-se um Mazda Mx-5 de 1991 para a minha mãe.
    Eu fiquei feliz pois tinha um carro que adorava. Andava pouco mas já era potencia demais para as minhas mãos! Tanta de facto que num dia chuvoso despistei-me com o carro a caminho da universidade e saí pela estrada fora destruindo o carro. Fiquei desolado...

    Ford Fiesta de 1996

    Este carro acompanhou a história do R25 e do BMW 316. Era o carro de empresa que tinha sido entregue ao meu pai e permitiu a minha mãe livrar-se do Clio e passar andar no R25 e, após o acidente, o BMW.
    Foi onde eu aprendi a conduzir e ainda o temos. Compramos o carro à empresa quando chegou ao fim da vida útil como carro de empresa. Neste momento é o daily driver da minha irmã e tem cerca de 350 mil km "and counting". Nunca abrimos o motor.

    Mazda Mx5 Miata de 1991

    É o carro da minha mãe e suspeito que ela nunca o vai querer largar! Comportamento imecável e motor potente são os predicados principais do carro. A minha mãe adora-o!
    Comprado em 1999 quando eu comecei a precisar de carro para me deslocar para a unviersidade em Guimarães, tinha 90 mil km e desde então tem desempenhado a sua função de carro dia-a-dia sem se queixar. Tem cerca de 220 mil km "and counting"!...

    Renault Clio RT 1.4 de 1991

    Na sequencia da tragédia com o e30 o meu pai viu-se obrigado a arranjar outro meio de transporte para mim. Foi um Clio RT 1.4 que tomou o lugar do BMW e foi a desilusão total, tal como o outro Clio que tivemos este não travava, só abrandava. Esta caracteristica aliada ao meu pé pesado deu em capots amassados e mais alguns estragos na carroçaria. Foi o carro da minha juventude ao volante e fiz muitas asneiras nele. Ainda anda, na mão dos meus irmãos e tem cerca de 270 mil km muito gastos...

    BMW 316i e36 de 1991

    Muita gente com carta exige carros para nos deslocarmos. O e36 veio ajudar nisso. Carro impecável, comprado com 100 mil km, já cumpriu mais 160 mil km sem se queixar. Muito durável. Promete aguentar mais 10 anos na nossa mão!

    E agora perguntam vocês. E os clássicos?!!??!

    São alguns. Após a desventura com o BMW e30 fiquei desolado pois deixei de ter o meu "brinquedo" em que eu desmontava e montava para aprender a mexer na mecânica. Após 2 anos a falar em comprar outra coisa do género para praticar este hobby (o Clio era revoltante demais para ocupar o lugar do BMW) o meu pai cedeu quando encontrou um Alfa Bertone 2000 GTV de 1972 para venda em Viana do Castelo. Era o ano de 2001.

    Ora bem, eu sou apixonado por Alfas dos anos 60 desde os meus 14 anos! O meu tio tinha uma Giulia Super desde os anos 70 e eu recordava-me de a ver parada em Famalicão guardada num canto pois os consumos não permitiam o meu tio usa-la diariamente. Além disso, pela mesma altura, tive um encontro imediato com um coupé Bertone em Braga que me deixou perdidamente apaixonado por estes carros!

    Foi com o GTV 2000 que comecei a desenvolver os meus conhecimentos de mecânica. O carro já tinha sido restaurado mas tinha muitos defeitos para resolver.
    2 anos após o GTV 2000, o bicho dos clássicos tinha ferrado a mim e ao meu pai de tal maneira que sentimos a necessidade de comprar outro projecto: O Porsche 924.


    Levou uma recuperação geral, nova pintura, recuperação dos interiores e revisão à mecânica.
    2 anos após o Porsche, estavamos de volta virados aos Alfas pois eu queria modificar o nosso GTV. Era uma asneira pois o carro estava bem conservado em estado original.
    Assim, compramos um GT Junior Scalino que actualmente é bem conhecido nestes meandros como uma réplica GTA.

    O vírus Alfa pegou de tal maneira que quando encontramos um Alfa Junior Zagato a necessitar de restauro completo para venda no ebay alemão nem pensamos duas vezes! Compramos e trouxemo-lo para Braga!

    Entrentanto, o JZ sofreu atrasos e apareceu outra oportunidade que não resistimos. Um R8S. O restauro deste está quase finalizado mas o JZ ainda está muito atrasado.

    Foto do R8 no início do restauro a par do BMW 316i

    Além destes carros que pertencem ao meu pai, eu comecei a trabalhar e comprei alguns clássicos para mim: um fiat 125 de 1969(projecto a meias com amigos), uma Ford Transit mk1 Diesel de 1977 (para campismo) e actualmente estou a meio do restauro da Giulia Super do meu tio que referi atrás. Esta Giulia foi me entregue pois o meu tio não tinha tempo para dedicar a ela.

    Como vêm sou um entusiasta irremediávelmente perdido dos clássicos. Espero que tenham gostado da minha apresentação, os meus dedos já doem de tanto escrever! LOL

    Abraços!
    João Vale
     
    #1 João Pedro Vale, 25 Set 2009
    Última edição: 19 Out 2016
  2. Muito bem vindo
     
  3. Bem-Vindo!


    Ainda tem esses carros todos?
     
  4. Finalmente João!!!!!!! Sê muito bem-vindo ao Portal!!!

    Já o disse noutro tópico mas nunca é demais relembra-lo. O João é apenas um dos culpados da minha paixão por clássicos e o principal responsável por hoje ter o meu 914. Foi ele que em 2006 viu o anuncio aqui no Portal, e sabendo do meu sonho, apressou-se imediatamente a dar-me conta do anuncio. Além disso teve um papel fundamental no seu processo de restauro.

    É um prazer ver a dinâmica e entrega que ele e o pai têm com os seus clássicos. Só não fazem em casa trabalhos de chapa... Lida com as máquinas com um à vontade que é fruto da sua já vasta experiencia e do estudo constante das caractristicas de cada uma delas... Se é fantástico ver clássicos excepcionalmente bem restaurados e com um bom gosto incontestável, é ainda mais entusiasmante saber as histórias e o percurso deles nas suas mãos... É demonstrativo não só da formação do João (engenheiro mecânico) como também da sua paixão e entrega a este mundo.

    De todas as máquinas a mais brutal sem dúvida é o Scalino que, não estando original, assume uma condição de clássico de pista/estrada tão bom que é dificil igualar...

    Espero que agora que te decidiste apresentar o bichinho do Portal te tenha mordido de vez e por cá fiques a espalhar a tua sabedoria e experiencia!!!

    Não me fica bem a mim divulgar o teu site mas acho que o deverias fazer. É uma delícia!!!

    Abração amigo!!!
     
  5. Quais? os que usamos durante os anos 80 e 90? não.

    Lá em casa estão os mais ou menos actuais (Fiesta, BMW, Mx5 e Clio) e os clássicos (Alfa GTV2000, GT Junior, R8S e Porsche 924). Os outros estão numa outra garagem que partilho com amigos e a Giulia e JZ estão em oficinas na reparação de chapa.

    Eu elaborei um site sobre estes projectos mas está muito desactualizado. Quando estiver de volta à forma eu publico aqui o link.

    No meio da frota toda esqueci-me de falar no meu daily driver: um Peugeot 106 Rallye de 1995. É um futuro clássico obviamente devido às marcas que deixou nos jovens condutores contemporâneos como eu.
    Fica aqui uma foto.


    Abraços!
     
    #6 João Pedro Vale, 26 Set 2009
    Última edição: 19 Out 2016
  6. Epá, grande apresentação, bem vindo e parabéns pelas máquinas.
     
  7. Bem vindo ao Portal.
     
  8. Bem-vindo ao Portal dos Clássicos!

    O Fiat 125 ainda mora aí?
     
  9. João parabéns pela apresentação, sinto-me quase como se fizesse parte da família... eh eh

    Seja muito bem-vindo ao nosso espaço, espero que um dia possamos todos ouvir as historias que certamente tem para contar, mas pessoalmente... ;)

    cumprimentos.
     
  10. bemvindo caro amigo alfisti :D
     
  11. Este 106 Rallye é um espectáculo!
     

    Ficheiros Anexados:

  12. Seja muito bem vindo ao Portal João;)
    Excelente gosto e belas máquinas;)
     
  13. FÓNIX!!!
    Com uma apresentação destas... MUITO BEM VINDO!
     
  14. Bem vindo!

    :wacko::wacko::huh:, tem que se tratar deles com carinho, festinhas e beijinhos (como um certo Marina aqui do Portal :D), que eles portam-se bem. Foi realmente uma pena, esse Rover.

    De resto, belas maquinas.
     
  15. Obrigado a todos pela recepção!

    Sim, o motor necessita de reparação e planeio apimenta-lo um pouco. O projecto a meias evoluiu do restauro para provas de regularidade e agora pista dentro do anexo K.

    Ou seja, pretendemos restaurar a carroçaria toda, manter vidros e interiores quase de origem (tem de ter rollbar), vitaminar o motor e modificar a suspensão para a nova tarefa.

    Queremos que fique no espirito de época que estes carros tinham nos ralis e nas provas de circuito em que participaram. Vai ficar giro.

    Sim, partilho esse sentimento. O Rover foi uma pena.
    Sempre que vejo um vou observar de perto e tirar os pormenores. Adorava ter outro novamente. Mas já são carros a mais...

    Carro de sonho dos meus 18 anos. Sempre gostei deles devido à filosofia "light is right" que seguem e quando surgiu a oportunidade de comprar um de confiança, não consegui dizer que não!
    Tem sido um daily driver fantástico, a fiabilidade deixa um pouco a desejar (Estes carros eram baratos demais para durarem mais de 15 anos sem dar problemas) mas os consumos são riduculamente baixos (6,5 a 7 l/100km a andar normalmente com aceleradelas no meio) e peças de substituição baratas!

    Abraços!
     
  16. Bem vindo ao portal dos clássicos

    excelente apresentação


    ps-como é que te esqueceste de apresentar o melhor carro no primeiro post :p super rallye
     
  17. João, agora que ja nos conhecemos pessoalmente, posso-te dizer:

    Poem umas fotos das maquinas!!!!

    :D:D:D

    cumprimentos.
     
  18. Bem Vindo!;)

    Parabéns!! Tens aí belos clássicos!:D
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página