Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Postalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Fiat 128 - regresso ao asfalto

Tópico em 'Fiat' iniciado por Joao Cunha Carvalho, 15 Jan 2009.

Tópico em 'Fiat' iniciado por Joao Cunha Carvalho, 15 Jan 2009.

  1. Ola a todos! B)


    Como disse na apresentação, venho aqui postar a história do meu clássico, um Fiat 128 de 2 portas, de 1972, amarelo (o que não está enferrujado, está comido pelo sol) de uma edição limitada que trazia de série as jantes do 128 Rally, um autocolante "Fiat" na embaladeira junto à roda da frente, e uma optimização qualquer no motor (que ainda não descobri qual...) que deixava o carro ligeiramente mais nervoso.
    O carro foi comprado novo em 1972 por um tio do meu Pai. Esse tio morreu em 1985, e o carro ficou um ano parado nas instalaçoes da Manutenção Militar, na Foz, no Porto (esse tio era militar). Em 86 o meu Pai comprou o carro à tia dele, e foi com ele que o meu pai "perseguiu" a ambulancia em que a minha Mae foi quando me teve (uma perseguição Vila Real - Porto, na altura pela N15... a velha estrada da serra do Marão) hehehe ganda maquina B) . Em 1993 as necessidades familiares exigiam um carro maior e com outras condições de segurança, pelo que o 128 teve de ser vendido... Grande desgosto para mim...:( Eu desde puto adorava o carro, ia para dentro dele fingir que conduzia... essas brincadeiras que todos os miudos gostam...:huh: Mas nao havia espaço para 3 carros, e na rua, parado, rapido se iria estragar... por 120 contos lá se vendeu a um senhor daqui da terra (foi a minha sorte :D) cada vez que tinha um tempinho livre, pegava na bicicleta, e lá ia até à oficina do dono (o dono é chapeiro) para ver o carro... Isto passou-se durante 11 anos... Durante estes 11 anos, todas as poupanças que fiz eram pa voltar a comprar o carro e restaurá-lo. Ia acartar lenha, pinhas, ajudar o dono nos terrenos, só para andar de 128.
    Nos ultimos 3 anos o carro andava so 2 ou 3 vezes por ano, era usado para ir para os terrenos, acartar estrume, alfaias... e o resto do tempo ficava na rua parado...
    O tempo encarregou-se de dar cabo dele... Ja depois de eu ter feito 18 anos, um dia quando fui à oficina do dono, ele disse-me.. "João, ja não preciso do carro, custa-me vê-lo parado, e nao tenho sitio onde o guardar... Quando quiseres vem busca-lo"

    Nao cabia em mim de contente :D:D
     
  2. Parabens pelo espirito de sacrificio que tens pelo carro.

    O sentimento deve andar sempre ligado a estas coisas.
     
  3. História apaixonante!

    Aliás, como qualquer Fiat!

    Conte mais...
     
  4. Fotos!!!!

    Para eu matar saudades do meu que também era de 72(GA-97-42)...
     
  5. (comecei outro post, pois o outro ja estava mt longo)

    O meu Pai é que ficou pior que estragado.. Nao queria o carro ca em casa... Frisou bem que o carro vinha, mas desfazia-se para peças, e comprava um outro em melhor estado. Mas rapidamente mudou de ideias (quando o carro chegou, ele mesmo pegou numa escova de aço e começou a limpar umas ferrujens ;)) Depois de uma tarde de limpezas e lavagem, o resultado foi um saco de adubo, cheio de lixo, desde revistas, a bocados de madeira, canetas, fertilizantes... :oo Mas nao interessa, já era meu outra vez, e ja estava em casa :D
    Durante os 4 anos em que fiz a universidade ficou na garagem de familiares, e punha-o a trabalhar de vez em quando (as vezes ficava parado 3 meses, ligava a bateria, dava a chave e a maquina acordava com o ronco característico :p )

    Há um ano e meio foi altura de ele ir para o bloco operatório para uma exigente operação plástica.
    Neste momento está desmontado. A parte mecânica está pronta, mas o resto ainda falta. A carroçaria vai ser começada a trabalhar brevemente, e assim que tiver tempo vou-me dedicar aos interiores (bancos, cartelas, tablier..) que, fruto do muito calor, estão todos minados..:))

    Deixo-vos aqui as fotos, e espero as vossas opiniões, e conselhos, pois vou precisar deles ;)

    Um abraço

    No dia em que o maquinao voltou a casa :)
     

    Ficheiros Anexados:



  6. Essa grelha é dele?
    O meu era de 72, mas a grelha ainda era como os favos de uma colmeia, essa é mais recente.
     
  7. Sempre lindo
    Esperamos fotos do arranjo
    Força nisso
    Miguel
     
  8. Obrigado pelos comentários :) Efectivamente, os clássicos só valem a pena pelos sentimentos que despertam... são mesmo únicos :D

    O símbolo do volante, e vista do tablier. O carro foi tao mal-tratado que o próprio aro de ferro do volante está partido :oo
     
  9. Parabéns pelo regresso da máquina! Está um pouco em baixo de forma, mas não tão mau como isso! Já mexi em coisas bem piores!
    Avançe com esse restauro que vale a pena...
    Abraço...
     
  10. Fotos (desculpem... ainda nao estou mt por dentro de como se coloca fotos, embora ja tenha notado que é simples...)

    Paulo Baião, de facto esta grelha nao é a original, esqueci-me de mencionar isso... a grelha original tenho-a guardada e é a dos favos (os 128`s desta série são ainda mais raros, e teem uma beleza especial hehehe)

    A consola que vêm ao centro nao é original, era um "extra" da época, se quisessem ter radio sem estragar a madeira do tablier...
     

    Ficheiros Anexados:

  11. João, coragem para esse desafio. O carro merece. A cor é linda. Qual é a edição especial a q te referes?
     
  12. Assim é que dá gosto reave-los, João.Um irmão meu sempre teve uma paixão por uma Nogueira velhinha que os meus pais tinham no quintal, e sempre disse á minha mãe que quando a nogueira morresse queria fazer uma guitarra com aquela madeira.Nós gozávamos todos com aquela mania.Mais tarde foi estudar guitarra para Áustria e paris, e quando telefonava para casa perguntava sempre á minha mãe pela nogueira.Entretanto com a construção das nossas casas a nogueira não resistiu e morreu.Minha mãe lá andou a pedir a uns e a outros para cortar a nogueira, até que finalmente conseguiu "cravar" alguém que a cortou e arrumou durante alguns anos.
    Finalmente o meu irmão regressou e retomou uma das suas grandes paixões, construção de instrumentos musicais.
    Numa bela noite de natal eis se não quando, aparece com um embrulho, e quando o desembrulha , sai uma bela guitarra feita por ele com a madeira da velhinha nogueira !!!
    Naquela noite, um concerto de guitarra clássica inesquecível !!!!!

    Se pedirem ponho fotos
     
  13. Esse volante é lindo!!
     
  14. Obrigado luis paulo, o velhote está mesmo em baixo de forma, pode crer, e depois de se começar a desmontar é que realmente se viu o k nos espera... mas nada que nao se resolva com alguma paci€ncia :p

    Como podem ver, as fotos nao mentem, e o facto de ter estado parado 11 anos aos Invernos e Verões Transmontanos, salta bem à vista: estofos e cartelas ressequidas, tablier estalado, chapeleira torta de tão seca...
     

    Ficheiros Anexados:



  15. Bem me parecia essa grelha.....

    E o acelerador de mão??
    Espectáculo!!
     
  16. Olá Pedro! História espectacular, obrigado por partilhar connosco. Foi uma bela forma de imortalizar a Nogueira :) Venham de la essas fotos do concerto e da guitarra. Já agora, aposto que está a falar do seu irmão Paulo, nao é verdade? ;)

    David Silva, obrigado pela força. Inicialmente pensei que fosse o 128 "Special", mas investiguei, e vi que o Special nao tem nada a ver com este, e saiu em 1977 ou 78 (agora nao tenho o ano bem presente). A Fiat ainda hoje no Grande Punto faz versões mais equipadas sem lhes dar nome, portanto, penso que que o meu 128 seja um desses casos.

    João Luis Soares, o volante é de facto espectacular, mas ate agora nao consegui arranjar quem mo componha, pois é preciso soldá-lo, o que vai derreter a baquelite, e, depois, cobri-lo com este material. Por isso, enquanto nao arranjar quem mo componha, vou por-lhe um volante de madeira... Se, ja agora, alguem conhecer alguma casa que faça este trabalho, agradecia o contacto...

    Paulo Baião, esse acelerador de mão é um "cruise control" de luxo ;)

    Entretanto, mais alguns pormenores da ferrujem...
     

    Ficheiros Anexados:

  17. No 128 havia partes de apodrecimento crónicas: cantos dos vidros, cantos dos guarda-lamas e embaladeiras. o meu nao fugiu à regra :huh:
     

    Ficheiros Anexados:

  18. Infelizmente, não conheço quem repare volantes. Esse é totalmente diferente dos outros volantes dos Fiat 128?
    Se for, é complicado. Se não for, pode sempre adaptar esse centro num volante de outro 128, se for coincidente.

    Quanto ao acelerador de mão é engraçado! O meu Fiat 1500 também tem!
     
  19. Este centro so saíu de 1969 a 1973, se eu conseguisse arranjar um volante de um 1a série, era o ideal, mas é missao quase impossivel...

    Bom... a hora já é avançada.. amanha coloco mais fotos...
    Nao pode ser tudo de uma vez, há k deixar na expectativa para depois as fotos saberem melhor :) hehehe

    Até amanha ;)
     
  20. Eu lembro-me de quando dizia que tinha um acelerador de mão, toda a gente se ria e dizia que era o botão do ar, mas quando viam que realmente era somente para acelerar, ficavam muito espantados.

    Uma história com esse botão:

    -No 1º dia que tirei a carta fui à Costa da Caparica com dois amigos completamente malucos e com a carta tirada já há alguns anos, e na descida da via-rápida da Costa, aproveitaram a minha "grande concentração", ou seja, com o medo nem conseguia olhar para o lado e de cada vez que precisava de engrenar uma mudança, tinha de olhar para baixo para ver se a manete das mudanças ainda lá estava:D, mas voltando à história, nessa descida, o maluco que ia ao meu lado começou a puxar o acelerador muito devagarinho e eu comecei a sentir o carro a andar mais do que os 60km/h que era a velocidade alucinante que eu ia, comecei a entrar em pânico, eles que estavam combinados começaram aos gritos e para mim foi realmente um momento assustador até à altura em que consegui desviar um pouco os olhos da estrada para ver o que o Russo estava a fazer....infelizmente este meu amigo morreu num acidente de mota.

    Histórias na altura de quem nunca tinha pegado num carro sem ser com o instrutor e daqueles com dois volantes ainda.
    Muitas memórias e histórias com o 128.;)
     
    PolskiFiat gostou disto.
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página