Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Emissões de Co2 na IPO?

Tópico em 'Legislação' iniciado por Rui Guedes, 27 Out 2011.

Tópico em 'Legislação' iniciado por Rui Guedes, 27 Out 2011.

  1. Olá a todos os aficionados!

    Estou com um problema com o meu clássico...

    Aparentemente desde do ano passado o meu Porsche de 86 tem acusado um certo excesso de "gases" nas emissões de Co2. Eu levei o carro à Porsche (Centro Porsche Lisboa) para fazer uma "afinação" (seja ela qual for) e lá fui informado do seguinte:

    -O carro tem de levar uma afinação especial para passar na inspecção.
    -E tem de ser "desafinado" após a inspecção para ser "guiável".

    Dado que todos os anos tenho de o levar à inspecção, esta situação não é lá muito práctica (e é dispendiosa). Assim, dada a minha ignorância sobre o assunto, gostava de saber o que o pessoal mais experiente do forum pensa sobre esse assunto, porque isto não me parece normal...

    Eu tenho algumas teorias:

    a) Os valores de referência da IPO são uma treta e é preciso explicar aqueles bacocos que se tratam de emissões utópicas para o ano/modelo. Se calhar uma declaração da marca e devida rectificação do livrete?

    b) O carro está efectivamente com algum problema e o pessoal da porsche não topou.

    c) Alguém me está a cantar a cantiga do bandido com esta coisa do afina/desafina para se extorquir mais uns euros.

    Alguém já passou por algum problema destes? Como resolveram isto?

    Grato pela ajuda e cumprimentos a todos!
     
  2. Rui, não é incomum, nós nos carros termos que apertar o parafusinho da gasolina do carburador, para ele passar na IPO, no 850 não preciso, mas no Mini ja tem que ser!
    Causas? Motivos? Nao faço ideia, mas nao tarda estaram aí a aparecer respostas! ;)
     
  3. Esta coisa dos gases de escape nos classicos é mais um grande exemplo dos muitos que existem neste país, de pessoas erradas nos sitios errados. Qualquer pessoa com responsabilidades na legislação das IPO deveria saber que na altura que os nossos classicos foram construidos, tanto os sistemas de alimentação como de ignição, escape (já não falando da ausência de catalizador) entre outras, não tinham a sofisticação dos carros de hoje.
    Por isso acho um absurdo os clássicos estarem sujeitos nas IPO a obedecer a limites de Co dentro dos valores de automoveis muito mais recentes.
    No caso do seu Porshe caro amigo, não digo que não precisa-se de uma pequena afinação mas, quase de certeza não é nenhuma avaria mas sim uma caracteristica de automoveis mais antigos que são mais poluentes.
    E quando apanhamos inspetores excessivamente zelosos, a nossa unica alternativa é, antes de nos apresentarmos para inspeção, cortarmos um pouco a mistura gasosa (ar/gasolina) afim de os valores de CO baixarem.
    Claro que depois lá temos que voltar ao mecanico compor a coisa senão os pobres carros não andam.....arrastam-se.
    Clássicos Cumprimentos
    João Carlos Tomé
    Toyota Carina ST de 1981
     
  4. Não percebo o que é que a Porche designa por "guiável", na minha opinião deve afinar o seu carro e verificar se fica "guiável" ou não.
     
  5. Obrigado a todos pela ajuda prestada até agora!

    Eu também não lhe sei responder completamente a essa questão Rafael, mas a ajuizar pela conversa, creio que será pelos motivos indicados no post do João carlos Tomé, o carro deve ficar completamente "sufocado" (não sei se será o termo certo).

    Continua a ser uma situação que não faz grande sentido para mim, se é preciso dar este tratamento aos clássicos para eles "passarem", se calhar os valores de referência não são adequados...
     
  6. Creio que a partir de 1976 há um valor imposto, que julgo ser de 5% para todos os veiculos construidos a partir dessa data.
    Os anteriores, nao sao abrangidos.
    Creio que se deve ler a legislaçao sobre isso.
     


  7. Caro Rui,

    No sábado passei pelo mesmo problema com um MG de 1962. O que se passa é normal. Pelo que consegui apurar um carro antigo da época da Gasolina Super pode ir até os 5.5.
    A razão para os carros acusarem mais mesmo não usando aditivos é mais simples do que se imagina, mas difícil de resolver. Isto é, na câmara de combustão onde anteriormente foi queimada gasolina super (ou seja com chumbo) acumulam-se resíduos nomeadamente Chumbo, que se vai libertando à medida dos anos... Esse processo pode demorar muito tempo e daí acusar nas inspecções niveis de CO2 elevados.

    Como pode resolver:

    Utilização de aditivo de octanas, melhora a combustão e acelera a libertação de resíduos. Além de dar um melhor rendimento ao motor.

    Cuidados a ter na utilização deste aditivo é de alternar depósito a depósito com o aditivo do chumbo. Mas um tempo antes da inspecção usar só este aditivo.
    [​IMG]

    A solução mais "artesanal" é desafinar a carburação para ir à inspecção e posteriormente voltar a afinar... Mas, num Porsche é pouco aconselhável porque depois só o mecânico da velha guarda o consegue afinar... e não há muitos com ouvido para afinar um Porsche.

    Mas também estou de acordo consigo, estes inspectores ou melhor as regras pelas quais se regem ainda não perceberam que é impensável carros antigos conseguirem os valores que eles pretendem... é como por o Manoel de Oliveira a correr contra o Francis Obikwelo...

    Espero ter ajudado!
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página