Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Companhia de Seguros que não querem pagar reparação de carros antigos

Tópico em 'Legislação' iniciado por Dias Gonçalves, 15 Dez 2007.

Tópico em 'Legislação' iniciado por Dias Gonçalves, 15 Dez 2007.

  1. A notícia que a seguir se digitalizou, veio no jornal Público de hoje, 15 de Dezembro.

    Trata do habitual conflito entre as Companhias de Seguros e os carros mais antigos envolvidos em acidentes, mais concretamente:

    O João viu-se envolvido num acidente de que não foi culpado. O valor do arranjo do carro era de 5843,50 € mas a companhia atribuía ao carro o valor de 1200 € menos os 200 € de valor dos salvados; pretendia assim indemnizar o João em 1000 €.
    O João foi para tribunal e, em primeira instância foi dada razão à Companhia de Seguros; mas o Tribunal da Relação e depois o Supremo Tribunal de Justiça acabaram por dar razão ao João pois a Companhia de Seguros não pode provar que o montante da reparação era excessivamente oneroso (e não apenas oneroso).

    Vale a pena ler a notícia completa

    Este despacho do Supremo Tribunal de Justiça pode ter muito interesse em futuros envolvidos em Acidentes de Viação com as mesmas características.
     

    Ficheiros Anexados:

    Joaquim Bastos_24131 gostou disto.
  2. As companhias de seguros são umas tremendas máquinas de fazer dinheiro!!!
    Mas infelizmente os seguros são obrigatórios...por vezes é bem melhor resolver-mos os problemas nós próprios..
     
  3. Isto para quem tenha um carro já com alguns anos é um pesadelo..

    pensar que se anda a estimar o carro.. depois vai-se a circular pacatamente, vem um gajo qualquer e parte-nos o carro todo.. o_O

    pelo que sei, por lei as companhias de seguros são obrigadas a restituir o carro ao seu estado inicial.. mas mandam-nos areia para os olhos, com um valor irrisório pelo carro e quem fica "a arder" somos nós..:wacko:
     
  4. É por estas e por outras que eu não gosto de seguros:wacko: :wacko: :wacko: :wacko: ...
     
  5. Pois, nem tu nem a esmagadora maioria dos portugueses:D:Deu incluido...

    acho que os unicos que gostam dos seguros são os assalariados das companhias;)

    concordo em tudo com a decisão do Supremo, e aliás foi o que sempre ouvi dizer em relação a casos destes. caso a reparação seja muuuiito superior ao valor do carro podemos sempre exigir que a companhia encontre e compre um carro idêntico (tanto o modelo como o estado do carro em si) para nos ressarcir do prejuìzo causado.
    é bom que estes casos sejam do conhecimento público, tornam-se balizas para casos idênticos
     
  6. Seguradoras e a morte ao largo com elas...
     
  7. A objectivo deste tópico não é falar mal das Companhias de Seguros (iria ter o apoio de todos os membros do Forum) mas sim chamar a atenção que há hipótese de conseguir a reparação dum carro antigo mesmo que esta seja 6 vezes superior ao valor atribuido pela Companhia de Seguros

    Vale a penar guardar este artigo para uma necessidade futura
     

  8. Muito bom mesmo!!!!

    Obrigado pela partilha.
     
  9. Mas podemos falar mal delas :p, porque na realidade elas não olham para os interesses dos seus assegurados mas sim para o interesse das suas "carteiras"
     
  10. Só hoje vi o tópico. Parabéns Dias Gonçalves!Aqule abraço.J.S.
     
  11. Acho que não se deve dizer (falar) mal das companhias de seguros.
    Agora quem me pode impedir de dizer a verdade??
     
  12. Carissimos,

    As seguradoras são necessárias, e obrigatórias em alguns casos. A análise do problema começa em conhecelo, ou seja, a maioria dos seguros existentes são os contra 3ºs (normais) que seguram os danos que a nossa viatura provoca em outros. E convenhamos que as seguradoras são um negócio, logo, se é a outra seguradora a tratar da indminização, tentará sempre pagar o minimo possivel, o que também é normal (todos fazemos isso). Cabe ao lesado reenvindicar os seus direitos e interesses junto da seguradora do culpado do sinistro, e ou solicitar o apoio júridico da sua seguradora (que muitos não sabem). Isto para dizer que, podemos e devemos, dar a nossa opinião, mas também temos de ser um pouco conhecedores... Quantos de nós fazem um seguro e nem se quer lê as coberturas da apólice??? Uma coisa Eu sei... muito se resolve sem tribunais (e advogados) com a correcta argumentação, não sendo para tal necessário recorrer a advogados (que possuem o seu negócio) e incrementar custos a todos. Uma simples pesquisa na internet pode servir para justificar um valor injusto. De certeza absoluta que o Sr. da noticia colocou o seu carro de 1992 num concessionário, e exigiu tudo e mais alguma coisa. Num clio de 1992 o valor orçamentado é um "restauro" completo da viatura (até parece um clássico), em minha opinião, se o Sr. da noticia justificasse à seguradora que para adquirir uma viatura nas condições em que se encontrava o dele necessitava de 2500€ (um modelo mais recente), a seguradora acederia.
    Não podemos esperar que façam tudo por nós... segundo entendi o sr. da noticia é advogado (não tenho nada contra eles), e usou todos os caminhos da lei para que a companhia lhe desse dinheiro para um carro 15 anos mais recente!!!!

    É a minha opinião.
     
  13. Muitas vezes procura-se a companhia que faz o melhor preço..... e depois há dissabores.

    Antes de se fazer a apólice é preciso procurar bem, depois é importante saber quanto custa um carro igual ao nosso (se houver) no mercado. Se custar 1000 euros, como é obvio a companhia não vai fazer um reembolso de 5 000 euros em caso de sinistro.

    No entanto há opções bastante em conta, nomeadamente o ACP clássicos e o CPAA, tem o senão da obrigatoriedade de ser sócio, mas mesmo assim fica barato.
     
  14. Até podia ter ganho dinheiro para comprar um carro a sair da fábrica!!
    A companhia só tem é que pagar! O acidentado (neste caso) se não contribui em nada para a situação, só tem é que ver os seus direitos garantidos com justiça!
    A questão da justiça prende-se com os danos causados, mas também com os "danos" causados à sua rotina diária! Ou agora (como se refere na noticia) tem que se levar os miudos à escola, ir trabalhar ou ir de férias com carros emprestados, alugados ou à boleia, só porque o carro teve um acidente e a companhia "decide" o valor a atribuir?!
    Por essa óptica o lesado pelo acidente, tem que ter a sua vida suspensa até que a companhia de seguros se decida a pagar justamente o que tem que pagar!
    E nesses 20 dias de reparação como era com as deslocações? Fica-se em casa?Quem paga?!
    Felizmente que nunca estive nesta situação, mas por experiência profissional, já assisti a casos de bradar aos céus!! Apenas porque a companhia "entendeu" que tinha que abrir muito os cordões à bolsa para "repor" a legalidade com justiça!
     
  15. Cada um de nós conta o que sabe e o que viveu nesta temática. Tive dois carros batidos em menos de 15 dias. Foi sempre atribuida a culpa aos outros envolvidos. Uma companhia não quiz reparar o carro, pois alegava ser mais caro que o valor do carro, e deu-me uma indemenização. No outro caso, apesar de se passar o mesmo a companhia deu ordem de conserto, mesmo sem eu dizer nada. Eu tinha mais interesse em ser ao contrário, mas pronto ficou assim. Portanto, acho que não há uniformidade de critérios, e tem a haver com outra coisa que não sei explicar.
     
  16. Como funcionário ao serviço do "DEMO", aconselho a todos que logo que adquiram uma viatura, lhe tirem várias fotografias.
    Deverão guardar as facturas de todas as despesas de manutenção que efectuem. Isto é muito importante na negociação em caso de acidente.
    .
     
  17. Carissimos
    Totalmente de acordo com o António Fonseca.
    Por outro lado há casos e casos que sentido faz gastar 5000€ num veículo a reparar quando se pode gastar 3000€ e comprar um identico? Melhor? Pior ? Isso é outra questão mas há sempre forma de saber. Suponhamos que no caso do Adv do Renault a Cia se propunha adquirir em Stand com garantia uma viatura identica, de certeza que não ganhava a causa, só que a seguradora certamente não o fez e limitou-se a atirar para o ar o valor sem o consubstanciar na realidade. Obviamente que as Seguradoras são as grandes culpadas deste estado de coisas (aproveitaram-se da falta de legislação adaptada à matéria, de um sistema judicial muito moroso e de um mercado muito pouco honesto) que inclusivé levou à aprovação do DL291/07 que veio finalmente definir as regras do jogo. Claro que tudo varia de seguradora para seguradora. Finalmente uma coisa são carros velho que se vendem à beira da estrada e ao ponta pé sem qualquer valor significativo (não pretendo e outra muito difernte são os clássicos que todos estimamos e cuidamnos.
     
  18. Carissimos
    Totalmente de acordo com o António Fonseca.
    Por outro lado há casos e casos que sentido faz gastar 5000€ num veículo a reparar quando se pode gastar 3000€ e comprar um identico? Melhor? Pior ? Isso é outra questão mas há sempre forma de saber. Suponhamos que no caso do Adv do Renault a Cia se propunha adquirir em Stand com garantia uma viatura identica, de certeza que o lesado não ganhava a causa, só que a seguradora certamente não o fez e limitou-se a atirar para o ar o valor sem o consubstanciar na realidade. Obviamente que as Seguradoras são as grandes culpadas deste estado de coisas (aproveitaram-se da falta de legislação adaptada à matéria, de um sistema judicial muito moroso e de um mercado muito pouco honesto) que inclusivé levou à aprovação do DL291/07 que veio finalmente definir as regras do jogo. Claro que tudo varia de seguradora para seguradora. Finalmente uma coisa são carros velhos que se vendem à beira da estrada e ao ponta pé sem qualquer valor significativo (não pretendo menosprezar as pessoas que com dificldades mantêm viaturas "velhas" porque infelizmente a vida não lhes deu outra alternativa) e outra muito diferente são os clássicos que todos estimamos e cuidamos. E sobre os clássicos posso garantir que há seguradoras que os consideram para efitos de indemnização. Dois exemplos recentes Citroen Dyane carrinha julgo que o modelo seja denominado Arande ou similar muito rara, avaliada em cerca de 5000€ pelo gabinete de peritagens , estimativa cerca de 8000€ , até o especialista (talvez o nº1 em Portugal sobre 2CVs e Dyanes) onde estava a viatura teve duvidas que nos transmitiu sobre reparar a viatura, mas o cliente naturalmente queria reparar e assim foi e a reparação ficou por cerca de 7000/8000€. Fiat Uno 45 de 83 bom estado dos primeiros, valeria cerca de 2000€ foi reparado por quase 4000€. Mas destes casos não ouço nem um comentário. Se alguém precisar de ajuda nesta matéria estou ao dispor. Claro que sou um assalariado de uma dessas máquinas de fazer dinheiro que são as seguradoras.
     
  19. Só mais uma história engraçada de um caso em que o veículo era para ir para a sucata (Hyundai Accent gasolina) e para evitar isso e o cliente queria reparar propusemos reparar noutra oficina mas multimarca (atenção que o veiculo estava hámuito fora da garantia e ao que parece nem era cliente habitual do concessionário) indicada pela seguradora. O cliente aceitou. No fim depois de reparado desatou a reclamar de pequenos aspectos sem significado e que nada tinham a ver com os danos do sinistro tal como escovas de limpa vidros e calculem... a àgua do limpa-vidros não era da marca "hyundai" chiça vai lá vai...
     
  20. É um tema muito comlicado, felizmente nunca tive nenhum problema que me obrigassem a "ripostar" com Companhias de Seguro. Vocês falam em arranjar no mercado um carro semelhante, mas imaginem que o carro era de um familiar vosso que vos deixou o carro, ou algo do género ... eu não queria um semelhante, queria aquele ! Acho que se a gente paga, temos deteminados direitos sobre o veiculo em questão. É por isso que é, extremamente, importante a escolha de uma boa seguradora, evitam-se algumas surpresas.

    Cumps
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página