Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Postalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Batalha "portuguesa" da II Guerra Mundial foi há 62 anos em Aljezur

Tópico em 'Também são Classicos' iniciado por Marco Pestana, 15 Mar 2008.

Tópico em 'Também são Classicos' iniciado por Marco Pestana, 15 Mar 2008.

  1. Batalha "portuguesa" da II Guerra Mundial foi há 62 anos em Aljezur

    Por Marta Duarte (texto) e Luís Forra (fotos), da Agência Lusa Faro, 08 Jul (Lusa) - Era ainda adolescente mas lembra-se como se fosse hoje do dia em que, há mais de sessenta anos, viu um avião em chamas a cair a pique junto a Aljezur, na costa do Sudoeste algarvio, matando sete aviadores alemães. Passam sábado 62 anos.

    Para José Emídio, agora com 75 anos, o dia 09 de Julho de 1943 começou calmo, como tantos outros, mas rapidamente o pânico tomou conta do povo que assistia, perplexo, a uma batalha aérea travada entre aviões alemães e ingleses.

    "Ouvimos um grande estrondo e logo a seguir vimos um avião a arder no ar, que ia deixando um rasto de fumo negro", conta, acrescentando que as pessoas, apesar de muito assustadas, "queriam era ir lá ver o que é que se passava".

    O mundo estava em plena II Grande Guerra e, apesar da neutralidade declarada pelo Governo português, o espaço aéreo do País era utilizado por ambas as facções - forças do Eixo e Aliados -, e não foram raros os casos de aviões abatidos ao longo da costa algarvia.

    Contudo, nessa manhã, teria lugar a maior batalha aérea travada em território português durante a II Guerra, provocando a morte aos sete tripulantes do bombardeiro alemão - todos eles na casa dos 20 anos -, abatido pelos ingleses.

    Segundo José Marreiros, da Associação de Defesa do Património Histórico e arqueológico de Aljezur, a batalha começou quando quatro caças alemães tentavam interceptar um "comboio" de 25 navios aliados, que navegava ao longo da costa vicentina em direcção ao Norte de África, escoltado por dois aviões "spitfire" ingleses.

    Um dos caças alemães (os outros conseguiram escapar) acabaria por ser atingido, incendiando-se e explodindo no ar, antes de se despenhar sobre uma falésia no sítio da Parede, próximo da Ponta da Atalaia e junto à praia da Arrifana, onde se ergue um memorial em homenagem às vítimas.

    De acordo com José Emídio, logo a seguir começou a "romaria" ao local do acidente, do qual apenas restaram intactas quatro grandes bombas de cerca de 250 quilos cada uma, detonadas artificialmente por especialistas.

    "Houve muita gente que foi lá buscar peças do avião para as vender na sucata", recorda, acrescentando haver também quem usasse balas retiradas do local nos cintos, como recordação.

    Os sete soldados que tripulavam o avião foram sepultados com honras de Estado no cemitério de Aljezur - onde as campas ainda se mantêm impecavelmente arranjadas -, num funeral a que assistiram quase todos os cerca de 6.000 habitantes da vila.

    Adolf Hitler viria mesmo a condecorar quatro personalidades portuguesas - entretanto já falecidas -, com a cruz de mérito da águia alemã, num acto de reconhecimento do auxílio prestado na recolha e enterro dos aviadores.

    Apesar de noticiada na imprensa da época, a batalha de Aljezur foi "completamente abafada" pelas autoridades, conforme conta José Marreiros, que realça ainda a existência de um faroleiro que serviria alegadamente os alemães sem o conhecimento da Marinha Portuguesa.

    "Havia um faroleiro que informava via rádio a legação germânica em Lisboa de todas as movimentações dos aliados ao longo da costa algarvia", afirma, o que pode explicar a rapidez no ataque ao comboio aliado, já que os alemães tinham uma base no Sul de França.

    O certo é que até hoje a batalha de Aljezur persiste na memória daquele povo, que velou os corpos dos sete tripulantes mortos como se de conterrâneos seus se tratasse.

    MAD Lusa/Fim

    Agência LUSA
     

    Ficheiros Anexados:

  2. Amigo Francisco;

    Como te dizia era sobre estes aviões alemães em Aljezur...
     
  3. A " febre" sobre os aviões da segunda Guerra Mundial e ainda antes da Guerra Civil Espanhola...Começou!

    ;))
     
  4. Sem me ter apercebido deste tópico, comentei sobre este acontecimento, no tópico do avião que aterrou em Alcains. Aliás, a minha fonte de conhecimento sobre este assunto é precisamente este texto.
     
  5. Sobre o B 24 que se despenhou aqui na praia de Faro, o pessoal do clube de mergulho local, à cerca de uns anos (não muitos), chegou à fala com o piloto. O coitado do homem marterizou-se para o resto da vida pelo sentimento de culpa de uma parte da tripulação não ter sobrevivido. Tinha 24 anos e era o mais velho da tripulação.
     
  6. Lamento discordar, mas eu tenho casa no Vale da Telha, que quem conhece a zonna sabe que fica na área em causa.
    A história da batalha de Aljezur sempre mexeu comigo, ao ponto de ter praticamente invadido o cemitério apenas para procurar as sepulturas e as fotografar...
    Mais tarde postarei as fotos das 7 sepulturas para verem o que eu quero dizer...
     
  7. 301d9jk.jpg
    2wdpv94.jpg
    rlmijq.jpg
    213eqd.jpg
    35nd8uv.jpg
    2s6x3x0.jpg
    55ldfo.jpg
    105rwye.jpg
    98wvoy.jpg

    Como tiveram oportunidade de observar, não é má vontade...
     

    Ficheiros Anexados:

    jose siva pinto gostou disto.
  8. Muito interessante!
     
  9. Gostei muito de ler e ter a oportunidade de ver as sepulturas dos militares...
     
  10. Pois Miguel, nao estão assim tao impecáveis :(- Obrigado pela partilha de fotos, é pena as mortes , mas são danos colaterais das guerras :(-
     
  11. x2, muito interessante o tópico, e 'ver' os túmulos.

    Eu estou a ler nestes dias acerca de a participação das tropas portuguesas na Primeira Guerra Mundial
     
  12. Ola Miguel, fantásticas fotos e bom trabalho na deslocação ao local.
    Pelas suas fotos é facilmente visível que pedra dos túmulos foi desnazificada,(reparar na diferença do tipo de pedra)durante o pós guerra, como todas as outras espalhadas pelo mundo.
    Cumprimentos
    António Fragoeiro
     

    Ficheiros Anexados:

  13. Obrigado pelo enriquecimento " documental " do tópico.

    Na altura, como é referido no texto, a " fonte " foi um texto da LUSA...

    Saudações Clássicas.

    MP


     

    Ficheiros Anexados:

  14. Só admira os alemães não trasladarem os corpos dos seus militares...! Afinal não acontece só aos militares de Portugal.
     
  15. De nada Marco, é um prazer contribuir com dados históricos, a história alemã da segunda grande guerra é a minha especialidade. Podem contar comigo sempre que precisarem. Ainda hoje restam algumas dúvidas sobre os aviões que abateram este bombardeiro. Podem não ter sido "spitfires", mas sim "seafires"(versão utilizada pela marinha), lançados de uma catapulta a partir de um destroyer ou battleship de escolta. A resposta apenas pode ser encontrada em arquivos da royal navy.

    Miguel, espero que isto o possa fazer sentir bem, quanto a militares alemães desaparecidos durante a guerra, ainda existem muitas centenas de milhares que nunca foram encontrados, durante o mês passado foram encontrados 19 na Estónia, e 37 na Rússia. Aos poucos vão sendo encontrados, graças a entusiastas do detector de metais.( Estes são os que tenho conhecimento) Quando encontrados, é comunicado ás entidades militares do país de origem, que financiam o transporte das ossadas.
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página