Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Postalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

Auto Union Type C e Auto Union Type D

Tópico em 'O nosso hobby: Clássicos' iniciado por Francisco Lemos Ferreira, 18 Jan 2009.

Tópico em 'O nosso hobby: Clássicos' iniciado por Francisco Lemos Ferreira, 18 Jan 2009.

  1. Auto Union Type C e Auto Union Type D
    1935acerbo.jpg
    800px-Auto_Union.jpg
    SL552429.JPG
    1937StromlinieAvus084.jpg
    A Auto Union foi uma fábrica alemã de automóveis fundada em 1932, durante a Grande Depressão, com a união de quatro fábricas: a Audi, a DKW, a Horch e a Wanderer.
    FA1.jpg
    A empresa passou pelas mãos de diferentes grupos depois da Segunda Grande Guerra e desde 1965, quando foi adquirida pela Volkswagen, evoluiu à empresa Audi actual.
    [​IMG]
    O símbolo da Auto Union. Das quatro argolas, da esquerda para a direita. O símbolo da Auto Union consiste em quatro anéis entrelaçados em uma linha horizontal, cada um deles representando uma das quatro empresas originais. As quatro argolas em uma linha reta, para evitar confusão com as cinco argolas do símbolo associado ao Comité Olímpico e às Olimpíadas.
    [​IMG]
    As quatro empresas continuaram autónomas logo após a fusão, inclusive utilizando suas próprias marcas comerciais. O símbolo com as quatro argolas era inicialmente utilizado apenas para as pistas de corrida. Actualmente, as quatro argolas compõem o símbolo da Audi.
    [​IMG]
    A Horch surgiu no início da indústria automobilística, no início do século XX, especializada em automóveis luxuosos de alto desempenho. Os seus automóveis eram considerados melhores que os oferecidos pela Mercedes e pela Benz, quando estes ainda actuavam independentemente. Seu fundador, expulso pelos acionistas, participou da fundação da Audi em 1910.
    [​IMG]
    A Wanderer actuou entre 1911 e 1939, tendo se especializado em carros com forte apelo desportivo.
    SL552417.JPG
    Com o advento da Segunda Grande Guerra, a Auto Union tornou-se um dos maiores fornecedores de automóveis para as forças armadas da Alemanha, encerrando suas atividades civis em 1940 e retornando apenas no final da década.
    SL552418.JPG
    Após a Segunda Grande Guerra, a Alemanha empobrecida oferecia mercado apenas para os simples e robustos carros da DKW, que foi a única a permanecer ativa. Sempre produzindo automóveis com motores de dois tempos com tração dianteira.
    donington.jpg
    Com a aquisição pela Volkswagen, a DKW e os motores de dois tempos foram engavetados, abrindo espaço para o ressurgimento da Audi. O último modelo da DKW, o F102, recebeu um novo motor de quatro tempos, com quatro cilindros, que serviu de ponto de partida para os actuais modelos da companhia.
    SL552426.JPG
    A equipa de corridas da Auto Union foi a maior oponente da Mercedes-Benz nos Grandes Prêmios dos anos 30. As "Flechas de Prata" dessas duas equipas não apenas dominaram os Grandes Prémios mas também estabeleceram recordes que perduraram por muitas décadas. Por exemplo, as potências dos modelos de 1937 foram batidas apenas pelos carros com motores turbinados da Fórmula Um do final da década de 1980.
    SL552425.JPG
    SL552422.JPG
    [​IMG]
    [​IMG]
    0a10.jpg
    acerbo.jpg
    AU38TDStreamlinerReims.jpg
    1935italy.jpg
    As flechas de prata
    1937StromlinieAvus084.jpg
    O mito começou na década de 30, quando a MERCEDES-BENZ e Auto-Union (atual AUDI) criaram carros imbatíveis que disputavam entre si o domínio das pistas. Com carrocerias de alumínio sem pintura, eles entraram para a história como as FLECHAS DE PRATA. O primeiro deste mitos, chamado W125, tinha chassis de liga de aço com cromo, níquel e molibdênio e carroceria de alumínio, que pesava menos graças a um truque descoberto em 1934 no modelo W25. Até aquele ano os Mercedes de corrida eram pintados de branco, a cor da Alemanha para as competições. Como o carro estava com peso acima do permitido pelo regulamento, os engenheiros não tiveram dúvida: rasparam toda a tinta, deixando os carros com o alumínio da carroceria reluzindo. As “flechas de prata” ganharam sete das onze provas que disputou, com a primeira vitória em Tripoli, na Itália.
    AU.jpg
    Depois, veio a Segunda Guerra Mundial e as Flechas de Prata só voltaram a correr em 1954, graças ao esforço da MERCEDES-BENZ, que retornou às pistas com o modelo W196. Construídos com a mais alta tecnologia da época, os W196 deixaram todos os outros carros obsoletos.
    spaceball.gif
    Image19.gif
    spaceball.gif
    A MERCEDES-BENZ não economizou dinheiro na construção de seus novos modelos. Havia duas carrocerias: uma tradicional e outra, usada somente em circuitos de alta velocidade, que cobria as rodas. Os modelos W196 dominaram as temporadas de 1954 e 1955 dirigidos pelos pilotos Juan Manuel Fangio, Stirling Moss, Karl Kling. Com oito cilindros, 2982 cm3 de cilindrada, potência de até 310 cv e uma velocidade máxima acima dos 300 Km/h, este “Flecha de Prata” conquistou em 1955 os primeiros lugares nas mais consagradas provas automobilísticas: Mille Miglia, Targa Florio, Tourist Trophy, Eifelrennen, bem como no Grande Prémio da Suécia. Teriam feito ainda mais, mas a MERCEDES-BENZ resolveu abandonar as competições depois do acidente nas 24 Horas de Le Mans de 1955, em que morreram o piloto Pierre Levegh e 81 espectadores.
     

    Ficheiros Anexados:

  2. Tu não páras de injectar cultura aqui no Portal!

    Boa! ;)
     
  3. Exelente tópico amigo lemos, muito interessante mesmo.
     
  4. Espectacular Francisco.,transmissão de pensamentos ,:feliz:tinha ideia de pedir para ser aqui colocada para a rapaziada conhecer a historia da Auto Union (dkw) nas competições.
    Muito se deve á marca e aos seus cérebros.:D

    .
     
  5. Bom tópico para o qual posso contribuir, são dois modelos que conheço bem a sua historia, não fosse eu um seguidor da marca dos aneis.
    Dois modelos míticos da Auto Union, dois ícones de uma era desportiva onde a inovação surgia todos os dias. Os famosos Silver Arrows.
    Mas não só de bons episódios vivem este modelos.
    Rosemeyer faleceu em em Janeiro de 1938 quando tentava bater o recorde de velocidade.
    Nesse mesmo dia Rudolf Caracciola, piloto da Mercedes, havia batido o recorde de 432 km/h, sendo que Rosemeyer iria tentar bater o colega piloto com o Auto Union Streamliner, apesar das informações de ventos fortes. Depois de 2 corridas de teste, a terceira o automóvel perdeu o controlo, sendo que ainda hoje se apontam as falhas aerodinâmicas e o vento forte desse dia como causas prováveis. Apesar das tentativas do piloto para controlar o Auto Union, balbuciando de um lado para o outro da pista, o inevitável aconteceu. Rosemeyer faleceu a beira de estrada depois de ser projectado.

    Bundesarchiv_Bild_183-2007-1205-500%2C_Bernd_Rosemeyer%2C_Elly_Beinhorn%2C_Ferdinand_Porsche.jpg
    Bernd Rosemeyer (esquerda) com Elly Beinhorn e Ferdinand Porsche

    Bundesarchiv_Bild_146-1989-015-35A%2C_N%C3%BCrburgring%2C_Bernd_Rosemeyer_in_Rennwagen.jpg
    Bernd Rosemeyer 1937 Nürburgring

    Bernd-Rosemeyer-Denkmal-1.JPG
    Memorial no local do seu falecimento

    005__scaled_600-1.jpg

    004__scaled_600_002.jpg

    [​IMG]



    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]
     
  6. Belo complemento Eduardo ;)
     
  7. Já conhecia este modelo! Segundo sei só há dois sobreviventes....
    Eu calculo uma coisa destas em leilão! Deve atingir valores astronómicos!
     
  8. Há um D type que acho que já foi a leilão pela Christie's. O leilão foi atrasado porque se pensava-se que era o mítico carro com chassis nº21 e motor nº 37 conduzido por Hermann Muller em 1939 e que ganhou o grande prémio francês. No entanto penso que o chassis era o nº 19. A Christie's com a colaboração da Audi Tradition iriam tentar explorar a história de corridas deste carro e a sua identidade.

    Penso que isto dos números dos chassis em carros de competição naquela altura era irrelevante pois os carros eram montados e desmontados com combinações de chassis e motores diferentes...

    Assim sendo, acho que não deixa de ser ser um carro muito valioso, qualquer que seja o número do chassis

    O carro antes do leilão pertencia a Abba Kogan e desconheço se o leilão alguma vez se chegou a realizar.
     

    Ficheiros Anexados:

  9. Impressionante, as velocidades atingidas há 70 anos atrás.
     
  10. E os cavalos... realmente astronómicos para as condições... Penso que no C type a água quente que ia para o radiador passava por dentro do cockpit levando a que os pilotos por vezes se quimassem...:p
     
  11. Mais uma foto com as duas "Silver Arrows"
     

    Ficheiros Anexados:

  12. Ficheiros Anexados:

  13. Ficheiros Anexados:

  14. Ficheiros Anexados:

  15. Ficheiros Anexados:

Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página