Bem-vindo/a ao Portal Classicos

O Portal dos Clássicos é um sítio português dedicado aos veículos clássicos com interesse histórico. Temos como objectivos juntar a comunidade de entusiastas e prestar auxílio a todos os que pretendem adquirir, restaurar, conservar e manter veículos antigos. O que espera para se juntar à família?

Welcome to Portal Classicos, the biggest Portuguese community about historic vehicles! Change language here.

  1. Este site utiliza cookies. Ao continuar você estará de acordo com a nossa utilização de cookies. Saber Mais.
  2. Portalistas, o Portal dos Clássicos está no no Drivetribe, a rede social automotiva do trio May-Clarkson-Hammond! Junte-se à nossa Tribo
    Fechar Aviso

ajuda, urgente

Tópico em 'O nosso hobby: Clássicos' iniciado por Hugo Ferreira, 11 Set 2007.

Tópico em 'O nosso hobby: Clássicos' iniciado por Hugo Ferreira, 11 Set 2007.

  1. boas

    por causa de um problema com um dos dois carros dos meus pais que era o que eu utilizava desde que tirei a carta ha 2 anos provavelmente vao ter que comprar outro que em principio vai ser para mim.
    eles querem que seja um carro comercial usado do nivel de um seat ibiza devido ao preço. como a mim esses carros nao me dizem nada lembrei-me de tentar pedir um mini.
    por isso precisava da vossa ajuda e urgentemente para saber o maximo de coisas sobre minis. desde preços actuais, se sao fiaveis de mecanica, se ainda se adequam ao transito de hoje em dia nas cidades, consumos, se a manutençao e cara ou barata, a facilidade de encontrar peças, etç.
    agradecia toda a ajuda que me pudessem dar e tambem a vossa opiniao se seria uma opçao correcta

    nao se esqueçam que o carro e para ser usado todos os dias pois nem tenho outra hipotese caso compre mesmo um mini
     
  2. Na minha modesta opiniao, arranjam-se mtos minis, mas por vezes demasiado caros! geralmente pede-se mais por eles do que realmente vale, porque agora toda a gente quer! é um pouco a imagem do que se passa com as vespas! No entanto trata-se de um carro bom, um classico popular bastante fiavel e com prestaçoes bastantes razoaveis para a epoca. Arranjar peças pra ele tambem e facil pois e um carro ingles, ja o preço delas desconheço.
    Mas para começar a procurar, pode faze-lo atraves daqui do portal, na parte do mercado ou entao comprar uma revista do tipo "Topos e Classicos" ou "Motor Clássico".
    quando comprar um certifique-se em que condiçoes ele esta, pois os males dele podem estar disfarçados!
     

  3. Boas.
    Não sou grande conhecedor de minis, nem pouco mais ou menos, mas tenho alguns amigos que têm.
    Pelo que vejo, os preços estão bastante sobrevalorizados, as peças(novas) são bastante caras.
    Sempre tive a sensação que ter um mini significa andar uma semana com ele, e parar duas devido a uma avaria qualquer.
    Consumos, depende dos motores, mas geralmente consomem pouco.
    É lógico que um Ibiza TDI é mais rápido, confortável, menos consumo, etc, mas claro, não é um clássico!
    Atenção que isto é apenas a minha opinião, comcerteza haverá aqui pessoal que tem argumentos mais que suficientes para te ajudar numa possível compra.
    Cumprimentos
     
  4. Quando eu tinha 19 anos (em 1982) tive o meu primeiro mini, o FL-88-75 que era de 1970 e tinha só 30.000 quilómetros, nem sequer tinha a rodagem bem feita. Foi um carro que nunca me deixou encravado mas que tinha 2 pequenos defeitos: os vidros eram de correr (é dificil tirar os ticket nas portagens) e os bancos não reclinavam (não explico porque era defeito). Dois anos depois foi substituido pelo Metro 1.0 Ls, um carro mal amado mas que teve uma versão interessante: o MG Metro 1.3, um dos carros mais interessantes de conduzir que tive, mas que tinha uma caixa que era uma desgraça (partiu 2 vezes em 2 anos). Mas a saudade do mini ficou.

    Andei uns anos à procura de substituto para o Feira da Ladra (FL) mas ou eram excessivamente caros ou estavam tão mal que nem dados davam para arranjar. Finalmente há 4 anos arranjei um Clubman de 1970, curiosamente com a mesma cor do FL (segundo o vendedor, cor de mer**). O carro era dum senhor que tinha falecido, tinha 100.000 Km e tinha mudado o óleo há 3.000 km, i.e., há 7 anos !!! Ficou-me em 1500 euros, o que me pareceu um preço justo. Substitui uma cruzeta da caixa e os cardans, arranjei uma jantes minilite e pouco mais fiz, só tendo ficado uma vez encravado, por causa da embraiagem (mas foi apenas questão de afinação). Está à espera de ser arranjado de chapa e pintura, mas isso é outra história.

    É um carro que dá para andar todos os dias, com algumas limitações:
    não tem Ar Condicionado e no verão pode ser muito quente, apesar de não aquecer o motor desde que se tenha revisto o radiador;
    os travões são de tambor e têm alguma tendência para bloquear (é preciso respeitar bem as distâncias de segurança);
    a mala é pequena e por isso uma viagem com mais de 2 ou 3 pode ser dificil;
    para evitar ficar parado no Inverno é preciso verificar se o distribuidor não fica exposto e se os bornos da bateria não estão isolados.

    Algumas vantagens que às vezes são esquecidas:
    Cabe em quase qualquer lugar;
    As viagens são feitas quase sempre em 4ª e o volante quase não mexe;
    gasta pouca gasolina (cerca de 5 a 6 L/100 dependendo da condução, embora não seja diesel);
    Não paga imposto de circulação (se anterior a 1977);
    Tem uma excelente visibilidade para todas as direcções;
    O motor tem um cantar que se ouve e é completamente diferente dos carros actuais (antigamente conseguia distinguir as marcas apenas pelo som do motor, agora são todos iguais);
    Numa única manete tem os piscas, as luzes e até a buzina;
    O depósito de gasolina só tem 25 litros, pelo que nunca se gasta muito ao atestar;
    A mala pode ser ampliada deixando a tampa aberta (permite transportar volumes maiores, desde que não sejam pesados)

    A utilização dum clássico como carro de uso diário pode ser dificil caso se façam muitos quilómetros por dia, tendo sempre o risco de transformar um clássico num carro velho, o que não deve ser o nosso objectivo
     
  5. Olá Hugo!

    Acertaste em cheio nos carros que eu tenho :D

    Tenho um Ibiza TDI Sport, e claro nao é e nunca será um clássico, mas para carro do dia a dia é do melhor! Faço médias de 4.9 (mais auto estrada) anda que se farta e dá muito gosto de conduzir!
    Também tenho um mini, que é um carro muito porreiro, mas que sinceramente, e é minha opinião, não será o carro ideal para o dia a dia. Pois apesar de nao consumir muito, o motor tem um desgaste muito superior a um diesel! Terás gastos muito mais elevados!
    Tens que pensar, mas se queres mesmo um mini, compra-o e depois compras um diesel mais barato.
     
  6. olá Hugo

    vi a tua mensagem, o mini é de facto um grande carro, poderá ser usavel no dia a dia, foi o meu 1º carro ( era da minha mãe) nunca deu chatiçes, mas a parte de chapa era um problema, a suspençao é dura e as nossas estradas não ajudam,se permites um concelho de um tipo que já teve 50 carros antigos e que os usa no dia a dia, pensa num carocha de 1974 das ultimas séries, esse podes usar no dia a dia sem problemas, gasta um pouco mais, mas em contrapartida gastas muitissimo menos em manutenção, havendo um enorme mercado de peças novas a preços que são uma surpresa pela positiva

    forte abraço

    Nuno Cuto
     
  7. Hugo, o Mini é um carro de "guerra", desde que bem conservado, as revisões feitas periódicamente e sempre bem guardado em garagem, dura até o seu dono querer. Mas também lhe digo que se adquirir um Mini deve colocá-lo sempre como o 2º carro (um clássico) para dar as sua voltinhas ao fim-de-semana e ir a concentrações. Agora como carro do dia a dia como sujere, acho melhor comprar outra modelo mais actual. Eu pessoalmente tenho um Mini, é o meu clássico de eleição e está preparado para competição, mas não é o meu carro do dia a dia, para isso, tenho uma Peugeot 406 HDI. Quanto a peças e seus preços, para fazer uma pequena ideia, vou-lhe deixar aqui uns "sites" para consultar:
    http://www.minicompetition.com/
    http://www.minishop-portugal.com/
    http://www.all4mini.com/

    Há mais mas estes chegam. E já agora há um tópico que eu lancei no portal que penso ilustrar a "garra" deste pequeno carro, como exemplo de força e tenacidade, quando um pequeno grupo de Minis se deslocaram à Dinamarca:
    http://www.portalclassicos.com/forum/showthread.php?t=4556&highlight=Rumo+Dinamarca
     
  8. muito obrigado a todos pelas sugestoes e por toda a ajuda, mas o problema e que so ha € pra um. infelizmente nao posso ter os 2. e e tambem uma opurtunidade unica de ter um classico pois daqui ate que eu tenha um ordenado ainda vao alguns anos
     
  9. isto ta la muito bem. uns dizem que sao motores de guerra, outros dizem que os minis nao saem da oficina e que sao so para dar umas voltas.
    entendidos na materia digam la de sua justiça que por acaso tambem e um carro de que sempre gostei muito e gostava de os conhecer melhor
     
  10. infelizmente ja nao vai haver mini nenhum ca pra casa, os meus pais decidiram meter outro motor ao carro, um motor usado. eu pessoalmente acho uma grande asneira mas tambem nao percebo nada de mecanica. o outro motor rebentou e vao comprar um motor usado. mas podem continuar a falar dos pros e dos contras dos minis porque de certeza que e um topico que interessa a muita gente. e gostava que me disse-sem tambem a vossa opiniao se os meu pai tomou a decisao certa ou errada em meter outro motor e ficar com o carro.
    obrigado a todas as pessoas que me ajudaram
     
  11. Olá Hugo,

    Em primeiro lugar, montar um motor usado é um risco. Nunca se sabe o historial dele, porque ou veio de um carro acidentado (salvado) ou de outro que foi prá sucata por algum motivo, seja como for é um jogo com poucas hipóteses de sucesso a longo prazo. Se os teus pais sempre se decidirem por essa opção, é bom que o mecânico que vá efectuar o "transplante" se dê ao trabalho de abrir o motor primeiro para ter a certeza que vale a pena.

    Quanto ao dilema do carro do dia-a-dia, e dos preços galopantes dos Mini, posso sugerir uma alternativa: Fiat 127. Um da primeira série, de preferência anterior a 77, seria um excelente carrito do dia-a-dia. São económicos, muito performantes e cabem em qualquer lado, são os reis da cidade.

    Se arranjares um bom exemplar, as únicas despesas serão manutenções de rotina e pouco mais. O meu foi arranjadinho em 97 e desde aí poucas coisas precisou fora desses materiais considerados de desgaste normal. As peças arranjam-se em qualquer canto, são baratíssimas, e ainda há imensos por aí para doar material usado.

    Pontos-chave para quem procura um: Certificar-se que o motor é Fiat e não Seat, pois os motores Seat são muito menos robustos. De chapa, os sítios habituais onde apodrecem são os cantos das abas dianteiras por baixo do pilar do pára-brisas, embaladeiras, chão (especialmente debaixo dos pés do condutor) e costumam ter uma fractura de stress na base do pilar B (atrás da porta).

    Não querendo incendiar a disposição de ninguém, mas o 127 foi o carro que pôs o "super" no termo "supermini"... Os nossos 903 cc nacionais não serão competição para um Mini artilhado com um motor grande, mas garanto-vos que não fica atrás de muita coisa.

    Boa sorte com qualquer que seja a opção que tomares!

    Um abraço!
     
  12. quanto a parte do motor e exatamente o que eu penso.muito obrigado
     
  13. enganei-me quanto ao ano do carro, e de 97, faz agora em dezembro 10 anos.
    axam que vai ser facil encontrar um motor usado para o carro?
    e um opel corsa 1.5 td de 97
     
  14. entao? va la ajudem-me. os argumentos que utilizei ainda n xegaram para convencer o meu pai
     
  15. Todos propoem o Mini e com bons argumentos ....

    Na época, tive um, a seguir outro e terminei com a marca num Cooper, todos a andarem acima do que corresponderia ao modelo.

    Tive, também, o Fiat 500 D, depois o Giannini 590GTS e terminei com o Fiat 126, com alguns argumentos dentro do motor.

    Passados todos estes anos, como clássicos, tenho um Fiat 500L e, em restauro, um outro L de 1971 que correponde já à transição para o Fiat 500R.

    Toda esta conversa para esclarecer que vou ser dissonante no conselho, uma vez que este se encaminha para um clássico que atinge os objectivos de partida (valor de aquisição modesto, pequeno consumo e utilização diária) e porque, paulatinamente, poderá desenvolvê-lo num clássico muito interessante, resistente e com gastos inferiores aos demais. Encontra todas as peças de que necessitar, incluindo tudo de carroçaria.

    VOTO NO FIAT 126.

    Armando
     
  16. Todos propoem o Mini e com bons argumentos ....

    Na época, tive um, a seguir outro e terminei com a marca num Cooper, todos a andarem acima do que corresponderia ao modelo.

    Tive, também, o Fiat 500 D, depois o Giannini 590GTS e terminei com o Fiat 126, com alguns argumentos dentro do motor.

    Passados todos estes anos, como clássicos, tenho um Fiat 500L e, em restauro, um outro L de 1971 que correponde já à transição para o Fiat 500R.

    Toda esta conversa para esclarecer que vou ser dissonante no conselho, uma vez que este se encaminha para um clássico que atinge os objectivos de partida (valor de aquisição modesto, pequeno consumo e utilização diária) e porque, paulatinamente, poderá desenvolvê-lo num clássico muito interessante, resistente e com gastos inferiores aos demais. Encontra todas as peças de que necessitar, incluindo tudo de carroçaria.

    VOTO NO FIAT 126.

    Armando
     
  17. Olá outra vez,

    Hugo, se queres mais argumentos que tal estes:

    - Um carro com 10 anos não vale nada, e estar a enterrar dinheiro para uma reparação duvidosa nele é dinheiro deitado fora, pois não se recupera;

    - Um clássico bem mantido pode até valorizar, e desvalorizar só se for mal tratado;

    - O seguro é muito mais barato (eu pago, através da Generali e do clube 124 Spider, cerca de 63 euros por ano com todas as opções);

    - Não paga selo (agora até 77, mas parece que para o ano vai dar pra ficarem isentos carros até 81);

    - Se fôr um clássico popular (Mini, 127, 126 ou afins) as peças são baratíssimas e há imensos sítios onde arranjá-las novas ou em segunda mão;

    - As reacções das pessoas em geral são bastante simpáticas ao ver um clássico estimado, seja no trânsito seja parado na rua, enquanto um "chaço" com 10 anos não apela à simpatia de ninguém.

    Acho que já são bastantes argumentos... :D
     
  18. Se eu quisesse um clássico para o meu dia-a-dia escolheria sem dúvidas um Mercedes-Benz, o preço das peças não são um problema, a fiabilidade é o que todos conhecemos e arranjas um clássico c vidros electridos e direcçãp assistida. B) ah e parares um mercedes n é a mm coisa k parares um Ibiza, com o MB elas olham e qdo as leveres a dar uma volta ate podes falar sem ser aos gritos:p:p:p

    PS: desculpem mas n sou adepto de seat (n levem a mal)
     
  19. falar falam todos voces e muito bem ate mas o problema e que o dinheiro nao e meu, e do meu pai.e apesar de eu ter as mesmas opinioes que voces e de voces ja terem dado uma boa ajuda nao chegou. o meu pai decidiu meter ao carro um motor usado.ja nao vai haver classico para ninguem. agora so espero que ele nao va meter-se numa embrulhada em que pode perder muito dinheiro para nada
     
  20. Ai ai.. um 127 é que era...

    Com o dinheiro do motor em 2ª mão já o punhas como deve de ser e são bastante poupadinhos...

    ;)
     
Código de Verificação:
Rascunho Salvo Rascunho removido

Partilhar Página