Portal Crónicas RR Nuno Granja Março 2015

RR Nuno Granja Março 2015

Para não variar Março foi um mês agitado, circulei em todos os carros da frota, houve alguns alguns avanços significativos na C3, uma ou outra chatice menor

482
0

Mandavam a peça à cobrança, mas como também tinham os 3 frisos do para-choques da frente (os meus tem um partido e estão aparafusados “à “papo seco”) decidi passar por lá. Resolvi tirar um dia para aquilo que os ingleses chamam “grand day-out”.
Running Report Nuno Granja Março 2015
Running Report Nuno Granja Março 2015
Running Report Nuno Granja Março 2015
Running Report Nuno Granja Março 2015
Running Report Nuno Granja Março 2015

Sai a meio da manha de Lisboa pela A1 até Fátima e segui por nacionais até um lugar chamado “Lagoa de Grou” 30km depois de Ourem. Na A1 parei em Santarém e voltei a arrancar para confirmar que a luz da temperatura deixou mesmo de acender após paragem em auto-estrada. Pelo caminho parei por outras sucatas e lá cheguei à porta do vendedor onde fui muito bem atendido. Base da matricula 20.00eur e frisos 30.00eur. Na terceira foto uma das sucata encontradas por acaso pelo caminho, tinham um Scirocco completo e um Audi Coupe meio desmontado… mas que tinha batido de frente. Azar

No regresso a Lisboa ainda passo por Alcobaça para fazer uma visita ao João Bento. Apanhei um via rápida de Ourém até à EN1 na zona da Batalha. Nunca lá tinha passado, com curvas alargadas mesmo à medida da C3, num um dia magnifico, à hora do almoço sem trânsito (nem radares espero), uma das melhores “drives” de sempre.
Em casa do João Bento andei a espiolhar projetos e outras curiosidades, naquilo que se pode chamar “quality time “entre “petroheads”. Depois apanhei a A1 em Aveiras e ainda vim buscar os gémeos à escola.
Running Report Nuno Granja Março 2015
Running Report Nuno Granja Março 2015
Running Report Nuno Granja Março 2015

Andava muito contente com as melhorias da C3 e tal, quando o João repara um líquido debaixo do motor que parecia água (ainda hoje não sei o que era). Abrimos o capot e o tal liquido vertia de um tubo do sistema de gás (que nunca liguei) mal apertado. O João e o pai apertaram-me o tubo com alguma dificuldade (abraçadeira com ferrugem) e acabou a fuga. Em Lisboa apliquei WD-40 em todas as abraçadeiras dos tubos do sistema de gás e dei uma apertadela geral (a fuga vinha da abraçadeira a ser apertada na foto). Na maioria dos casos estavam meios soltos. A ver no futuro por especialista.
Running Report Nuno Granja Março 2015